Francia

No texto sobre A Linguagem Universal Cinematográfica, tinha falado de um mal que assola praticamente os cinemas nacionais, que são a divisão entre filmes populares e filmes feitos para festivais. Após conferir o filme argentino Francia de Adrian Caetano, do mesmo diretor de Crônicas de Uma Fuga e estrelado pela atriz uruguaia extremamente popular na argentina chamada Natalia Oreiro, fica palpável que em muitas vezes, filmes de festival não são o primor como o vendem.

A história do filme (ou pelo menos o que se parece) conta a rotina de Mariana (Milagros Caetano) que não gosta do seu nome e tem problemas na escola. Os seus pais, Carlos (Lautaro Delgado) e Cristina (Natalia Oreiro) são separados. Ele trabalha em uma fábrica, teve problemas com a justiça e está freqüentando um psicólogo para tentar superar essa fase. Ela trabalha como empregada de uma socialite com tendências suicidas e tem uma misteriosa relação com o porteiro do prédio de onde trabalha. A vida dos três toma uma mudança quando Carlos aluga um ambiente externo que fica encima da casa da ex-mulher.

Parece uma piada ou uma extrema brincadeira de mal gosto de minha pessoa em escrever uma sinopse tão ou quase estranha quanto essa. Mas o pior, é que é isso que se vê em tela. A história escrita pelo próprio Adrian Caetano pode até existir algo linear porém em nenhum momento existe momentos de envolvimento com a história com o publico. As atuações do trio de protagonistas são muito boas, principalmente para Natalia Oreiro que consegue algo a mais do que sua carreira de novelas e filmes bobos. Também a Milagros Caetano consegue ser bem natural e sensível a sua maneira.

A direção de Adrian Caetano é o que faz a diferença nesse filme. Utilizando posicionamentos de câmera interessantíssimos, é o que podemos dizer um dos raros pontos positivos do filme. Entretanto sua condução entrega momentos extremamente sem graças ao ponto de querer que o filme termine mais rápido possível... Detalhe, o filme tem 78 minutos.

Francia pode existir momentos interessantes porém falha em seu contato fundamental com o seu publico. Pode até ser uma ferramenta para Natalia Oreiro mostrar alguns dotes fundamentais como atriz, mas se o filme em si fosse mais atraente seria um ótimo exemplar experimental. O experimental sempre será uma ferramenta preciosa para qualquer tipo de cinema, mas infelizmente, Francia não teve essa preciosidade ao seu favor.

Ficha Técnica
Francia
Diretor: Adrian Caetano
Elenco: Natalia Oreiro, Lautaro Delgado e Milagros Caetano
Gênero: Drama/Comédia
Cotação: 40% - **

PS: É dificil encontrar fotos do filme, então é melhor ver o trailer ...










Trailer

Comentários

  1. Achei o trailer meio engraçadinho. Mas, tem cara que não chegará tão cedo por aqui. rsrsrs. ;)

    ResponderExcluir
  2. Acho tão difícil falar dessa diferenciação entre filmes comerciais e filmes para festivais quanto é se falar, hoje em dia, em cinema autoral. O que é cinema autoral nos dias de hoje? Até o Scorsese está filmando uma produção voltada para o público infantil!

    Cultura na web:
    http://culturaexmachina.blogspot.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas