Coraline e O Mundo Secreto

ATENÇÃO: Texto Com Spoilers do Filme, CUIDADO


Quando se ouve a trilogia The Unforgiven, do Metallica, conseguimos visualizar uma idéia do sofrimento de uma pessoa que com o passar de cada capitulo se tornou fria e por tantas vezes, reflete em cada capitulo musical sua conduta. Assim podemos ter uma concepção do que sente a personagem Coraline, no desenho Coraline e o Mundo Secreto, que marca a volta de Herny Sellick a animação stop motion e ao mesmo tempo colocando recursos de computação gráfica para dar mais suavidade e profundidade a trama.

Coraline se muda para uma casa quase sem vida. Os seus pais atolados de trabalhos não conseguem ter tempo para ela. Não consegue ter uma grande afinidade com um menino que é seu vizinho. Vendo que não tem nada o que fazer e tão pouco desprovida de amor, sem querer encontra uma portinha secreta que consegue traspassar a um mundo onde tudo que ela sentia no plano real era ao contrario, onde tudo que ela sonhava se tornava concreto, sendo que mal sabe ela do perigo que se esconde por trás dessa porta.

Em palavras rápidas e certeiras. O filme é bom. Um retorno gratificante de Sellick ao meio dos desenhos stop-motion e ao mesmo tempo, sabendo aventurar na tecnologia 3D que a cada dia que se passa, é perceptível que vai ser muito difícil ficarmos longe dessa tecnologia que encanta a muitos, mesmo sendo projetos de desenhos ou não. Também o destaque são os desenhos dos personagens que por muitas vezes, consegue confundir o espectador se é animação gráfica ou de massinha.

Agora, vem uma analise curiosa e irei soltar alguns spoilers sobre o filme, assim, quem viu o filme, perdoe-me por contar alguns fatos importantes da trama. Mas o que irá se ver aqui é uma analise que mescla a personagem Coraline com o universo da trilogia musical criada pelo grupo Metallica no qual está nos discos “Black Album”, “Reload” e encerrado em um dos melhores discos do ano passado e eleito um dos melhores da década, “Death Magnetic”.

Na primeira parte do filme, começamos a ser introduzida a personagem da Coraline, uma pré-adolescente que está sendo jogada ao novo mundo, que é em uma casa antiga chata e sofre com a ausência de seus pais. Assim como o sangue novo que chega ao mundo cruel é que somos introduzidos aos primeiros versos de The Unforgiven que são “Sangue novo se junta a essa terra, e rapidamente é conquistado pela constante dor e desgraça e esse jovem aprende a regras deles". A partir do momento que ela descobre uma porta para o mundo desconhecido, as coisas começam a mudar para ela. Outro ponto que nos lembramos de The Unforgiven, mas não a musica, mas sim do clipe onde aparece um jovem com uma chave entrando em um caminho para um mundo desconhecido.

Quando ela entra no outro mundo e percebe que é todo o inverso do que ela vivia na casa como o “amor” da outra “mãe” e o mundo colorido, mas o fato que lembra novamente a franquia musical do Metallica é em alguns versos de The Unforgiven II que fala da necessidade de um amor para acalmar uma alma perturbada. “Deite ao meu lado, (...) Diga as palavras que quero ouvir para que os meus demônios fugirem (...)Se consegues me entender, então eu entenderei você". Mas com a revelação que a outra mãe era um perigo eminente, o refrão questiona em um modo sombrio a relação das duas. (...) Por que sou aquela que espera por você ou também você é uma imperdoável também.(...).

E em seu final, em uma das melhores cenas do filme no qual ela sente falta dos pais e saber das conseqüências de ter chegado mais além, demonstra o quanto é difícil agüentar em seu peito a dificuldade de perdoar por seus pais serem ausentes com ela e dela mesma por ter chegado muito além do que se imagina e perder os seus pais para um mal desconhecido, lembra do refrão de The Unforgiven III que é extremamente direto e o que se reflete a personagem dela. (...) Como posso estar perdido se eu não tenho para onde ir? Procurei por mares de ouro e como isso se tornou tão frio?Como posso estar perdido nas lembranças que revivo? Como posso culpar-la se sou eu que não perdôo (...)

Porém como estamos lidando com uma obra destinada ao publico juvenil, percebemos que existira o óbvio final feliz. Mas acredito que o roteiro do filme tem o propósito de expor em um conto reflexivo sobre a juventude atual que se sente como Coraline, sente-se perdida em meio do abandono e que necessita de um lugar secreto para ser amado ou pelo menos ser lembrado por algo, e que por muitas vezes o que eles não pensam que por muitas vezes o sentido paternal é o que pode salvar uma pessoa. Pena que essa segunda parte é difícil viver.

Coraline e o Mundo Secreto é aquela animação que tem um primor técnico inquestionável, pena que a sua linguagem por muitas vezes soa inacessível e densa demais. Interessante, mesmo sabendo que aumentou o buzz para ele ser indicado ao Oscar de Melhor Animação, com certeza perde feio para seus outros candidatos, porém se nos últimos anos estão premiando mais o nome do que pelo projeto. É melhor nem comentar...

Ficha Tecnica
Coraline e o Mundo Secreto (Coraline)
Diretor: Henry Sellick
Gênero: Aventura/Fantasia
Cotação: 75% - Indispensavel

Comentários

  1. Só fui ver um dia desses e adorei. Digno do David Lynch.

    Abs!

    ResponderExcluir
  2. Adorei o filme, é lindo mesmo... Nunca conseguiria fazer esse paralelo com as músicas, mas achei interessantissimo, parabéns...

    ResponderExcluir
  3. Só você mesmo para enxergar paralelos entre Metallica e "Coraline". :-)

    ResponderExcluir
  4. Só tive uma oportunidade de vê-lo e o vi em fragalhos, o que me deixa numa condição ruim de comentar, mas vamos lá!

    Acredito que Herny Sellick voltou sim, mas acho que voltou mais fraco. Coraline é um filme bom, como disse, mas não ultrapassa essa barreira.
    Um filme voltado para o publico juvenil, verdade, mas com um teor quase simbolico da reflexão que a história pelo menos passa a conotar.

    Muito bom a crítica!
    http://awardmovies.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Não li o texto por causa dos spoilers, mas de qualquer forma estou bem curioso para conferir essa animação.

    ResponderExcluir
  6. Vinicius - Ainda bem, assim não me sentirei culpado em ter colocado algumas coisas sobre o filme. Agradeço.

    Milla - Se rever o filme, não dá para sair da cabeça as partes citadas no texto.

    Matheus - E realmente não ultrapassa disso, e além disso, esse ano, se for avaliar com cuidado as animações que sairam ... com certeza Coraline é mais chutada ao escanteio ...

    O Cara da Locadora - Assim, quando vi a portinha já vi em minha mente The Unforgiven e o resto foi só apenas de como ele conseguiu se interligar com as canções.

    Bruno - Mesmo achando o filme bom, com certeza deu para sentir um gostinho de quero mais ...

    Abraços a todos

    ResponderExcluir
  7. Adorei! Achei uma genuína animação.

    80%

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas