Up e Bastardos Sem Glória

Isso deveria ser o questionamento de todo o santo dia para todos nós, cinefilos, ou mais simples, apaixonados invertebrados pela setima arte: Por que o cinema é necessario em nossas vidas? Mas também nós sabemos que essa pergunta é tão dificil quanto do por que da origem da vida e de muitos acharem Um Amor Para Recordar a ultima bolacha do pacote. No ano passado tivemos um privilégio de ver uma trilogia curiosa que resgata em todos nós o por que do fascinio do cinema (The Fall; Rebobine Por Favor e Son of Rambow). Esse ano está aparecendo filmes que retomam a ideia do por que o cinema é maravilhoso, mas diferentes dessa trilogia curiosa, esse dois fazem outro papel fundamental.

Up – Altas Aventuras é a mais nova produção da Disney/Pixar que consegue chegar com um (extremo) atraso no Brasil (já que em muitos paises já estreou a tempos, como aqui na Argentina) e chega com um adicional que é de incrivel elogio que é a participação de Chico Anysio na dublagem nacional. O filme conta uma história de um senhor de 78 anos que consegue realizar um sonho de infancia que é ir a um lugar paradisiaco com a sua casa cheia de balões. O problemas começam quando um guri cheio de vida (parece o filho da Poppy de Simplesmente Feliz) embarca na viagem acidentalmente e a partir dai um mundo de aventuras aparecem para eles.

Bastardos Sem Glória (o nome argentino é melhor, perdão Brasil ...) é a volta de Quentin Tarantino depois do projeto Grindhouse e dos problemas de distruibuição de A Prova de Morte (cade o filme nos cinemas brasileiros pô!) e coloca em pratica uma visão curiosa sobre a segunda guerra mundial. O Tenente Aldo”O Apache” Reine recruta alguns soldados judeus para apenas um proposito: matar nazis. E esses bastardos não vão medir esforços e violencia extrema para chegar em seus objetivos. Também nessa mesma balada violenta está o desejo de vingança de Shosanna, uma bela francesa judia que tem um plano para matar o carrasco de sua familia, o temido Hans Landa, mais conhecido como O Caçador de Judeus.

Em Up – Altas Aventuras consegue resgatar o que estava perdido na Pixar que é a necessidade de uma história simples, mas feita com o coração. Depois do perfeitamente tecnico mas vazio de coração WALL-E, os criadores de um dos melhores filmes da produtora o impecavel Monstros S.A. contam com sensibildade a história desse senhor que perdeu muitas oportunidades e com uma ideia insolita de fazer um sonho inocente de criança consegue viver sua maior aventura. Dou destaque de como ele constroi todos os personagens da trama, que são admiraveis e inesqueciveis da produtora, momentos belissimos em momentos certos e principalmente em sua famosa critica implicita que já em Monstros S.A já demonstrava ser assustador que hoje se torna real que é a mudança de valores e pensamentos em meia decada.

Em Monstros S.A. tem uma cena em particular que já demonstrava que as crianças de hoje estavam dificeis de se assustar, demonstrando assim que não existe mais sensibilidade na imaginação de uma criança e que a tecnologia e o desvirtuamento de valores nos ultimos anos, soa até compreensivel que algumas crianças prefiram ver algo mais “real” do que imaginavel. Parece que o filme remete o foco principal de Onde Os Fracos Não Tem Vez, que as mudanças que aconteceram em nosso meio foram tão aburptas que as lembranças de inocencia se tornam apenas sonhos belissimos que ficam para trás quando acordamos. A diferença é que Up retoma esse sonho doce da aventura, da esperança e de principalmente que a vida é tão bela independente da idade, tamanho e nível de aventura.

Tarantino. Palavra que conseguimos associar tranquilamente com excelencia, estilo, dialogos afiadissimos, suspense crescente, personagens inesqueciveis e uma violencia que só ele consegue fazer. Pois bem, em Bastardos Sem Glória voltamos a sentir essas caracteristias deliciosas que só ele é capaz de transpor em tela. Mas os grandes destaques ficam para seus atores principais como Brad Pitt que consegue fazer o seu melhor personagem desde Mickey de Snatch – Porcos e Diamantes criando um sotaque mais ridiculo e mesmo assim criar dialogos afiadissimos e impagaveis. Outro que merece destaque é Christoph Waltz como o implacável Hans Landa, onde ao mesmo tempo é carrega carisma em seu sorriso e violencia em seus atos. E quando Pitt e Waltz estão juntos, a tela explode em momentos memoráveis, seja no cômico ou trágico.

O fundamental que consegue marcar em todos os filmes de Tarantino é a importancia dele para o cinema atual. Ele consegue sempre fazer um cinema autoral, onde qualquer cinefilo consegue distingir o que é dele como os closes nos pés, o modo especial como trata suas protagonistas, seu modo de conduz a camera e principalmente o seu conhecimento cinematografico para o filme especifico. No caso de Bastardos Sem Glória o conhecimento de filmes de guerra dos anos 60/70 e também o cinema alemão durante a época da guerra com inegavel cunho nacionalista e outros que marcaram a história do cinema.

Porém o que realmente reune esses dois filmes tão diferentes em seus estilos é só uma: A importância do sentimento cinematógrafico. Os dois carregam em si histórias fantasticas que ajudam a criar outro sentimento fundamental que é de transportar o espectador a obra correspondida. Up reascende em seu espectador a simplicidade de contar uma história tão meiga com personagens adoráveis e que chegamos ao ponto de estarmos ao lado deles compartilhando alegrias e lagrimas. Em Bastardos Sem Glória vemos o que muitos queriam ter feito naquela época por todo mal que fizeram e ainda mais nesse agora, quando completa 70 anos da guerra, o filme consegue em muitos momentos expressar a maioria dos sonhos de muita gente que sentiu repudio e principalmente no final onde tem uma cena particular que conseguiu ser o sonho de todos.

Os dois filmes são os melhores do ano. Um ano que entramos em conflitos por saber que aquela agradável sessão pipoca do mês de férias está se tornando uma ilusão e que o deturpamento visual e enredos feitos para serem digeridos como um fast food de gosto desconhecido e letal. Up transpira a simplicidade em sua duração e consegue algo tão importante quanto qualquer filme da Pixar, que é conseguir transpor paixão e dedicação por seu projeto e passar sua paixão para o nosso coração e a nossa sensibilidade. Bastardos Sem Glória mostra mais uma vez que Tarantino sabe o que o cinefilo necessita e como um professor que ama os seus alunos, nos ensina a não só apenas contar uma história de vingança inconsequente e desvairada. Nos ensina a desfrutar da arte do cinema como o pintor com sua obra maestra ou um compositor que sentiu que aquele tom é a peça chave para sua melhor musica.

Obrigado Pixar e Tarantino, por relembrar o prazer indiscutivel de sentar em uma cadeira de cinema, comer aquela pipoca quentinha com aquele refrigerante e por uma sessão inesquecivel onde era possivel sentir cada riso, cada susto, cada rosto e acima de tudo, aplausos calorosos de uma só frase ... Obrigado pelo prazer da setima arte.




Fichas Tecnicas

Bastardos Sem Glória (Inglourious Basterds)
Diretor: Quentin Tarantino
Elenco: Brad Pitt, Christoph Waltz, Eli Roth, Diane Kruger, Daniel Brühl, Micheal Fassbender, Til Schweiger, Omar Doom, Mike Myers, Julie Dreyfus e Mélanie Laurent.
Gênero: Ação/Comédia/Drama/Guerra
Cotação: 100% - Obrigatório












Up - Altas Aventuras (UP!)
Diretor: Pete Docter e Bob Peterson
Com vozes de: Edward Asner, Christopher Plummer, Jordan Nagai, Bob Peterson, Delroy Lindo e Chico Anysio na versão brasileira da dublagem.
Gênero: Comédia/Drama/Fantasia/Animação
Cotação - 100% Obrigatório

Comentários

  1. A sua opinião é, de longe, uma das mais positivas que li sobre "Bastardos Inglórios". Quanto à "Up": apesar de não ser um filme brilhante como outros da Pixar, não deixa de ser uma obra linda e emocionante - especialmente em seu primeiro ato, que me levou às lágrimas!

    ResponderExcluir
  2. Dois filmes bem esperados. Enquanto "Bastardos Inglórios" não estreia, vejo "Up" o mais depressa possível. ;)

    ResponderExcluir
  3. Filmaço! A Pixar sempre mandou bem!
    E Taranta é Taranta, a expectativa está mais alta que a casa do Carl.

    ResponderExcluir
  4. Ao que parece, duas obras-primas! Quero vê-las logo.

    ResponderExcluir
  5. Dois longas que estou ansioso para vê-los. Ainda não pude ver UP mas se tudo der certo verei esse fim de semana

    ResponderExcluir
  6. Bela crítica. Já vi The Fall, é belíssimo. Abs!

    ResponderExcluir
  7. Quero ver os dois, mas Bastardos ainda chega só mês que vem por aqui. Up eu na quarta, com bastante ansiedade.

    Legal vê-lo de volta. Abs!!!

    ResponderExcluir
  8. Muito bom que tenha voltado à blogosfera, JP.
    Sobre Up, escrevi uma crítica sobre ele no blog ontem, depois de um bom tempo de ter assistido.
    Bastardos Inglórios é um dos mais esperados no ano, com certeza.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas