WALL-E

Idiocracia fala de um jovem que ficou preso em um caixão criogenado e só acordou por acidente depois de 500 anos onde a terra se tornou um mundo cheio de lixo e que toda a sua população está completamente burra. Casa Vazia fala a história de um jovem que fica perambulando em casa em casa e numa dessa acha uma mulher amargurada da rotina e que foge com ele para sentir outras sensações. E 2001, para muito (e para mim também) é o melhor filme de ficção cientifica de todos os tempos no qual mostrava um futuro quase remoto onde viagens fantásticas e a dependência das maquinas era evidente.

Em um futuro próximo a terra será praticamente inabitada. Todo o planeta será coberto de todo e qualquer tipo de lixo. O governo na época deu a idéia e fez em larga escala um modelo de robô para reciclar lixo e transformar em cubos. Assim para a solução para o problema foi Waste Allocation Load Lifter – Earth Class. Porém o projeto não deu certo assim forçando o êxodo humano para o espaço e só voltar quando a situação da terra melhorar.

700 anos se passam e a única coisa que existe na terra é o WALL-E. passando o tempo útil construindo novos prédios baseados em lixos cúbicos. Porém a solidão na terra mexe na vida útil do robô. Todos os dias ele colhe coisas significantes para si como lembranças do que se chama vida. Porém as dores desse convívio batem quando ele coloca uma fita de um belíssimo musical.

O nono filme da Pixar Animation Studios, WALL-E chega aos cinemas de todo o mundo. E ganhou mais força depois da “consagração” de Ratatouille no Oscar de 2008 e expectativas para o novo filme é igual a proposta do próprio, está lá no espaço. Além disso, o personagem principal, o robozinho carismático WALL-E é bonitinho, mas agora, se o filme mostra serviço...

A solidão do robozinho se acaba com a chegada de EVE (EVA na versão nacional), uma robozinha poderosa que tem uma missão especifica de que é achar uma amostra de fotossíntese. E a química (?) deles dois se torna visível pela ingenuidade do robozinho, porém quando ela acha a plantinha ela fica desligada e nisso ele fica cuidando dela. Porém uma nave retorna para pegar ela de volta e nisso, temendo a solidão, ele pega “bigu” na nave e começa uma belíssima aventura.

Desde primeiro trailer, a expectativas para o novo filme já começaram altas, já que o trailer evidenciava uma trilha de trabalho SE não tivessem renovado o contrato com a Disney, porém já no seu primeiro longa-metragem a linguagem de animação que eles colocaram mudou totalmente os rumos do cinema. Assim sucesso após sucesso a Pixar começou a ter um caminho sólido e agora um dos seus primeiros projetos conseguiu depois de vários anos na espera.

Vamos falar logo do ponto mais forte do filme, o inicio. A perfeição técnica desse filme é de encher os olhos. Nunca vi tantos detalhes na história da Pixar, e aqueles que acharam que Ratatouille foi perfeito, esqueçam... WALL-E dá um verdadeiro espetáculo em cena, assim lembrando até mesmo 2001 de Kubrick. Principalmente nas seqüências no espaço entre os dois robôs e na viagem a colônia espacial.

Agora, tirando o visual, vêm os seus problemas. O roteiro do filme tem três partes distintas sendo que na primeira parte poderia se dizer que estaríamos vendo o melhor filme da Pixar, mas quando começa a segunda parte começamos a ver um filme que segue a linha de Idiocracia no qual mostra os humanos preguiçosos e burros. Até algo curioso que não pensava que iria ver era a cadeira que fazia tudo para quem está sentado aparelho usado também no filme de comedia. Outro momento que também incomoda é de como é desenvolvido o vilão, uma espécie de Hal 9000 simplificado fazendo pensar em um seguinte modo, que os criadores entenderam a filosofia de 2001 e quiseram colocar em pratica, não deu certo, apesar de ter uns momentos engraçados.

Mas mesmo sabendo do filme todo, o que seduz, hipnotiza qualquer espectador são os atos inocentes do robô (apesar de alguns serem forçados) e o romance dele entre EVE. Um romance que consegue transpor as palavras, formadas por gestos, atos e carinhos. E muitas seqüências deles dois além do visual impecável principalmente o balé no espaço ao som de Danúbio Azul (pode se dizer a única referencia aturável de 2001). Pode se dizer que dependendo da recepção do publico (extremamente positiva) vai se tornar um dos casais mais memoráveis do cinema.

WALL-E pode se dizer que a Pixar fez um dos filmes tecnicamente mais belos, porém o seu conteúdo ficou devendo um pouco apesar de ter boas mensagens. Bem melhor do que o hipermegaultraübersuperestimado Ratatouille e com folgas, mas ainda perde para os grandes clássicos da produtora. Ficou evidente em seu longa uma tentativa de criar o 2001 da animação, porém suas pretensões exageradas ofuscaram e transformaram o filme em 2010. Porém anos-luz de ser ruim... Candidato fortíssimo ao Oscar de Animação (por falta de opção). Mas fica um recado para a Pixar, muitas vezes obras primas não nascem com pretensão, mas sim com o coração. Alguns irão sentir isso em WALL-E, eu não senti, mas mesmo assim o filme é YUMM-E!

Ficha Tecnica
WALL-E
Diretor: Andrew Stanton
Com Fred Willard e as vozes de Ben Burtt, Elissa Knight, Jeff Garlin, John Ratzemberger, Kathy Najimy e Sigourney Weaver
Gênero: Romance/Ficção Cientifica
Cotação: 60% - Filme Assistivel

Comentários

  1. Ah, João. A sua crítica é uma das primeiras que leio que não exalta demais "Wall-E". Acho legal ler opiniões assim, já que minhas altas expectativas voltam à realidade. :-)

    ResponderExcluir
  2. Minhas expectativas estavam lá em cima também, mas não me decepcionei de jeito nenhum. Enxerguei todas as referências como homenagens e me diverti bastante.
    Mas acho que tenho que te contar uma parte especial da minha experiência. Fui ao cinema com meu filho e ele ficou completamente envolvido com o filme. Emocionado mesmo, sabe?
    Acho que por todas as pretensões ou ousadias da Pixar acabamos nos esquecendo que seus filmes têm um público alvo e é difícil não conquistá-lo.
    No caso de Wall-e, eles se superaram. Meninos e meninas (não tão novos e nem tão velhos) saíram do cinema comovidos mesmo com a experiência.
    Independente disso, eu (bem mais velha do que o público de cima, diga-se de passagem) também gostei muito!

    Beijocas

    ResponderExcluir
  3. Milla - É bom as vezes ser pé no chão, mas com certeza irás adorar o filme, conheço você ... Espero que tenhas uma ótima sessão!

    Ceci - Antes de tudo, welcome back!
    Sim, Eu entendo o que sentisse, eu fico muito feliz por você ter visto um filme emocionante e junto com uma pessoa que faz o seu coração bater mais forte, o seu filho. Se brincar é mais emocionante uma sessão conjunta entre mãe e filho do que o filme em si, ainda bem que o filme propiciou tanto para ele e para você sensações sinceras. Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  4. Esse ainda não vi, mesmo sendo o filme mais aguardado por mim nessa temporada. Enfim, altas expectativas, mesmo com seus comentários não tanto animadores... Abraço!

    ResponderExcluir
  5. Vou ver na próxima semana. Depois te conto o que achei. Ainda mais sabendo que têm referência a 2001.

    Abraço!!!

    ResponderExcluir
  6. Coloquei agora a pouco as minhas opiniões sobre Wall-E no meu blog. Tenho que discordar de vc pq achei o filme uma obra-prima e a homenagem a 2001 de muito bom gosto. O filme é um triunfo técnico, um romance muito bonito e ainda conta com a magia que só a Pixar consegue trazer xD
    Fui ver com expectativas na altura e não me decepcionei.

    http://louisinreallife.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  7. Quero muito ver esse filme, tem cara de ser bem fofinho.

    ResponderExcluir
  8. Cara, para mim, o filme é simplesmente WAAAAAAAAAAAAALLEEEEEEEEEEEEE!!!!!!

    Abs!

    ResponderExcluir
  9. Johnny, já li várias críticas positivíssimas (inclusive a do Otávio), mas também algumas "apenas" positivas, que, entretanto, destacam os mesmos problemas que você apontou.
    Não sei o que achas de INCRÍVEIS, NEMO e do primeiro TOY STORY, mas acho que todos têm essas características - simplesmente são mais maravilhas técnicas do que obras de puro coração. A Pixar desconcerta!

    ResponderExcluir
  10. Mesmas palavras de Otavio! Maravilhoso este filme! Como já te disse...

    Ciao!

    ResponderExcluir
  11. Crítica bem equilibrada! Quanto a mim, achei o filme tão impressionante, que mandei a objetividade pro "espaço" na hora de escrever sobre ele...

    ResponderExcluir
  12. Nossaaaaa.....o cartaz de entrada do blog ficou muito massaaaa!!!!

    ResponderExcluir
  13. Olá,
    O seu blog foi escolhido para integrar a Rede de Blogueiros da Brazucah!

    A Brazucah Produções (www.brazucah.com.br) está criando uma rede virtual para divulgação diferenciada de filmes brasileiros.

    Para inaugurar a parceria, estaremos promovendo duas pré-estréias exclusivas do filme Era Uma Vez..., de Breno Silveira, seguida de debate com a equipe - dia 10 de julho no Rio de Janeiro e 15 de julho em São Paulo.

    Ao confirmar a participação do seu blog na Rede Brazucah, este convite será o primeiro de muitos!

    Para mais informações:

    www.redebrazucah.com.br
    www.eraumavezofilme.com.br
    (21) 2509.2722
    (11) 3938.6345

    ResponderExcluir
  14. Fantástico! a um bom tempo não ia ao cinema ver animações. Andava enjoado das mesmices dessa área. E Wall-e não só calou a minha boca, como agora quero mais desses sendo feitos, Já... chega de continuações e plágios.

    Discutir a mídia agora? Acesse
    http://robertoqueiroz.wordpress.com

    ResponderExcluir
  15. JP é exigente hein? Todos falando mil maravilhas e você só no assistível? É bom que diminuo mais meu entusiasmo!

    ResponderExcluir
  16. Johnny o filme é ótimo. Embora as referências de modo geral sejam de 2001, de Kubrick, acho rasa a comparação (a maioria dos veículos a fazem). Acho o filme bem mais do que isso. Abcs

    ResponderExcluir
  17. Concordo bastante com você!
    Você é a primeira pessoa que vejo que não diz que o filme é sensacional e o melhor filme do ano! Ufa! Já estava achando que eu era o único!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas