A Morte Pede Carona

Jim Helsey, um jovem comum, estava com um carro que iria levar para Califórnia. Durante o percurso e muito cansado ele vê um homem, chamado John Ryder, pedindo carona, mas durante a viagem percebe algo de estranho nele e depois de um movimento brusco, o inocente Jim percebe que o seu carona é um frio assassino que mata sem escrúpulos quem está na sua frente, agora Jim viverá um pesadelo em pleno deserto texano e ainda com um assassino frio a sua espreita.

A Morte Pede Carona é mais um exemplar de um filme de suspense dos anos 80 que usa um tema que mexe com qualquer pessoa, a carona. Assim como Vôo Noturno, o filme utiliza a solidão do personagem principal e criar uma situação para que o principal perca o controle e faça atos que não faz parte da vida.

O roteiro do filme é basicamente simples, como muitos filmes de horror dos anos 80 com começo, meio e fim. Nada de extraordinário, mas o seu tema dá um fôlego extra para o filme. A trilha sonora é muito eficaz, dando medo e tensão em suas seqüências, e há momentos que lembra a trilha de Halloween de John Carpenter, mas pelo menos tem as suas características. C. Thommas Howell faz Jim que representa na época o típico jovem dos anos 80, mas que sofre uma transformação profunda por causa das situações que o filme vai ditando. Jennifer Jason Leigh faz Nash, bem ela é a única presença feminina, ela durante o filme não tem tanta presença, mas ela faz uma das seqüências mais assustadoras e que é dificilíssimo sair da cabeça. Mas o filme é de Rutger Hauer, desde sua primeira aparição, o personagem dele já dá arrepio de medo, a atuação desde o inicio até o fim é arrepiante, uma aula de como ser um assassino frio, calculista, sem remorso deixando muitos seriais killers comendo poeira. E principalmente no assustador dialogo entre Jim e John em que John manda Jim falar “Eu Quero Morrer” é o ponto aonde o filme prende o espectador para o espetacular final. As cenas de ação que ocorre do filme é de um frisson espetacular por que conseguiu juntar horror e ação ao mesmo tempo, mas ao mesmo tempo o filme comete alguns erros infantis e principalmente nas cenas na madrugadas por que em alguns takes parece que é de noite e outras que já são de manhã e não consegue manter a regularidade e fora um erro de continuidade gravíssimo no começo do filme que só os olhos mais clínicos perceberão. Mas isso atrapalha, mas não tira o brilho do filme.


(Poster do Remake)


Um misto incrível de horror com ação, um filme que arrepia a espinha, um exemplar clássico do cinema de terror dos anos 80. Mesmo com pequenos erros ele consegue ser um filme competente, com cenas chocantes e tensas que dificilmente sairá da cabeça. E depois desse filme só se espera que pelo menos seja decente, que honre o original, que as principais cenas sejam mais chocantes... Pelo menos Sean Bean foi uma ótima escolha para ser John Ryder... Vale a pena dar uma conferida no original e rezar para que o remake seja decente.

9,0

Comentários

  1. Fiquei com vontade de ver o original e sem dúvida irei conferir o remake nos cinemas, isto é, se a censura não acabar sendo 18 anos.

    O bom é que será sangrento e realista, no melhor estilo Viagem Maldita e O Albergue...mas infelizmente terei que esperar pelo dvd, ou então baixar.

    É complicado.
    Sean Bean pe boa escolha mesmo.

    ResponderExcluir
  2. JP, achei a sua cotação um tanto alta para um filme que você aponta falhas que compromete o ritmo do filme. Fora isso, A Morte Pede Carona é um filmaço dos filmes B da década de 80. Pena que a carreira de Rutger Hauer está em um abismo. Um bom ator como ele ao merecia tal destino.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas