Jackass: Number Two


Nos anos 70, um diretor italiano chamado Paolo Pasolini fez um filme chamado “Saló – 120 Dias de Sodoma” o filme conta a história de um grupo de fascistas italianos que pegam 16 jovens e colocam em uma casa e com eles fazem os mais perversos, os mais sádicos desejos da natureza humana pode demonstrar. Bem o filme é realmente indigesto, mas vendo Jackass: Number Two se vê o que é a natureza humana jogada no ralo e ainda mais, dá para rir com isso.

Em uma das continuações menos esperadas do ano, tirando o inútil Efeito Borboleta 2, a trupe sem noção de Johnny Knoxville está de volta com mais estripulias do que o limite racional permite. Criado em 2000, o programa Jackass foi e ainda é um afronte ao limite do absurdo, no programa eles fazem qualquer coisa estúpida, desde fazer trote com o povo até comer coisas indigestas. Também foram eles que fizeram a incrível façanha de seqüestrar Brad Pitt e mandou ele se vestir de macacão e assustar o povo na rua. E além de revelar para o mundo o comediante Johnny Knoxville.

Já no primeiro filme se ver um show de cinismo e cara de pau dos integrantes do programa e ainda ultrapassou os limites que o programa original fazendo coisas tipo, enfiar um carrinho no ânus, cheirar um cozimento oriental, destruir um carro alugado e outras estripulias. Mas no segundo filme o que o espectador não imaginasse que é eles realmente estão sem noção mesmo, brincadeiras a lá Joselito, e ainda o filme lembra duas obras que valem a pena ser citadas que são O Albergue e Saló por causa da natureza humana e de seus mistérios, por que o que leva ao ser humano ser marcado a ferro na região glútea ou servir de isca viva para tubarão ninguém saberá mesmo. A trilha sonora do filme é bem agitada e para quem conhece a serie é só pedrada e nesse filme tem Slayer, varias bandas punks, Roger Alan Wade e Wolfmother. Tambem o filme conta com participações especiais de Tony Hawk, Matt Hoffman, John Walters (que está no seguimento mais escroto do filme), Roger Alan Wade, Spike Jonze e de Luke Wilson.

Para quem é fã do seriado e da trupe podes ter certeza, o segundo filme é infinitamente superior ao primeiro filme, e para quem não gosta do seriado pode até rir, mas pelas besteiras e loucuras que a trupe apronta e o que é de se esperar, não tem conteúdo e não vai lhe acrescentar em nada na sua vida, mas é um filme que depois do seu termino faz o espectador se perguntar, será que sabemos os limites e o prazer da natureza humana... e tirando isso, por enquanto é o melhor filme de comédia do ano, querendo ou não.


Nota: 9,5

Comentários

  1. Sem tirar nem por jackass é o verdadeiro marco criativo da comedia babaca e sem conteúdo.
    Adorei o primeiro filme, e é interessante mesmo essa questão dos limites de noção e físico humano. Vou ver o segundo com certeza já esperando uma ótima diversão. ^^ Bijucaxx

    ResponderExcluir
  2. Você e sua mania de citar em suas resenhas o recente O Albergue...
    Confesso que até tenho simpatia com as palhaçadas desses dementes, e creio que terão criatividade para criar novas artimanhas inimagináveis. Bom saber que John Walters participou do projeto. Aguardarei em casa, para me divertir com a família!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas