Velozes e Furiosos 3 - Desafio em Tóquio


Continuações são desnecessarias ? Depende mas na maioria das vezes se torna uma grande dor de cabeça ou um alivio imediato. Bom exemplos são as séries Duro de Matar, Máquina Mortifera, Exterminador do Futuro e claro Senhor dos Anéis enquantos outras continuações deixam e muito a desejar como Lenda Urbana, Pânico, Resident Evil (não entendo por que as continuações de horror são fracos), Matrix e agora para uns X-Men. Mas fazer uma continuação de uma série aonde só prestou por causa de um ator e a segunda parte é basicamente decepcionante, o que esperar da terceira parte que mais uma vez o ator principal não é do primeiro filme e que tem nada a ver com os seus antecessores ... bem os resultados podem variar de quem está vendo...

Em Velozes e Furiosos 3 - Desafio em Tóquio não tem Dominic Torreto (personagem de Vin Diesel, será ...) e Brian Spillner (Paul Walker) mas conta a história de Sean Boswell, um cara gente fina e que gosta de carro mas sempre se envolveu em confusão e depois de ser intimado por um valentão da escola a fazer um pega e ele é preso mais uma vez mas para não ficar na cadeia a mãe manda ele ir para a casa do pai dele sendo que o pai dele mora do outro lado do mundo, basicamente no Japão. Sean percebe que as coisas não como era nos EUA, tanto na cultura e quanto ao colégio. E quando ele conheçe Twinke, uma figura que é camelô, ele conhecerá um submundo aonde os carros tunados é que mandam mas também nem tudo é flores, quanto Sean mais se envolver mas o perigo aumenta ...

Desta vez o que se destaca nesse filme é um estilo famoso na Ásia que é o Drift, ele se caracteriza pelo uso da tração e derrapagem, não precisa usar o Nitro. A maioria das vezes é muito praticado nas montanhas para descer ela fazendo drift. O terceiro filme da série explora mais o prazer da velocidade com o novo estilo de correr, também quebra a regra dos outros dois filmes que é de um policial infiltrado e tal ... mas esse filme explora mais os personagens e um pouco da máfia japonesa, mesmo que muito raso.

Outro ponto forte do filme mas que sempre foi o forte da série inteira é a trilha sonora, esse filme tem uma trilha muito ecletica que quando você termina o filme, queres abaixar as musicas imediatamente. e na minha opinão a melhor musica do filme é Six Days The Remix de DJ Shadow e Mos Def (sim esse que fez O Guia do Mochileiro das Galaxias e 16 Quadras). A trilha inclue The 5,6,7,8's (aquelas que cantam no bar em Kill Bill Vol. 1) , Teriyaki Boyz, N.E.R.D. , Atari Teenage Riot e Brian Tyler com Slash e ainda carrega o titulo da melhor trilha dos 3 filmes aonde qualquer um pode ouvir e bem alto. O roteiro do filme não é grandioso mas também com esse tema em voga não esperamos grandes dialogos, só de envolvendo carros e tal, mas pelo menos esse filme tem história coisa que o segundo filme faltou e prejudicou a série. A construção do personagem Sean foi uma das coisas mais dificeis do filme por que ele não tem aquela magia que tem o personagem Dominic mas Sean soube conquistar o publico com o seu jeito enquanto dos outros personagens não se cobra muito são importantes para essa trama (só essa trama) e mais nada mas pelo decorrer do filme percebemos que o personagem Sean será e muito bem aproveitado para a sequencia da série (e que provavelmente será por causa do seu final). Também como ele resolve a historia, sem violencia, tudo se resolvendo na base da honra deixa o roteiro com mais prazer e agrada quem gosta de carros e valoriza as corridas.

Os atores desse filme não tem esses brilho todo mas que segura bem a peteca, mesmo ofuscados pelos verdadeiro astros que são os carros. Lucas Black faz o herói Sean Boswell, é um personagem gente fica, ironico e determinado, é aquele tipo de cara que sabe que errou e quer consertar o erro, foi uma boa escolha esse ator. Também foi uma boa escolha de Brian Tee, ele faz o vilão D.K., The Drift King, ele é um vilão energico, um cara que sabe quem tem o poder nas mãos e tem as costas quentes (da máfia Yakusa). Bow Wow faz o Twinke, o amigo de Sean. o ator como tantos outros cantores de rap, são fracos atores e tenta ser o engraçadinho do filme (ainda só vi dois cantores se darem bem que foram Ludacris em Crash - No Limite e Mos Def em O Guia do Mochileiro das Galaxias). As sequencias de ação é um dos pontos mais altos do filme por que todas as cenas são muito bem dirigidas e consegue colocar emoção e adrenalina (coisa que na minha opinão faltou no segundo filme) desde da primeira racha do filme aonde se conheçe o Sean até o climax final. Esse filme foi o que menos usou efeitos especiais que só realmente foram usados no momentos certos.

Diante a isso fica a pergunta, Velozes e Furiosos 3 é uma continuação desnecessaria ? Bem, ficará a criterio de quem vai ver o filme. Para quem pensou em ver Vin Diesel ou Paul Walker no filme e que ira começar a partir do final do segundo filme irá cair do cavalo mas quem esperou que a série explore novos tipos de corridas, o fascinio de correr e uma reformulação urgente para esquecer aquele +Velozes e +Furiosos ficaras feliz e tranquilo por que o terceiro é um bom filme de carro mas que perde para o primeiro por questões de época e de Vin Diesel mas que pelo menos horna o nome da série e da importancia dele. Um bom filme, mas que para alguns será apenas uma continuação desnecessaria ... apenas diria que é "uma ótima continuação desnecessaria"

Nota : 7,5

Comentários

  1. a unica coisa que eu nnão entendo é qu o han morre ai e no 5 e no 4 ele voltaalguem sabe porque

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas