Do You Like Hurting Other People: A relação entre Relatos Selvagens e Hotline Miami

Aviso: O texto a seguir contem spoilers sobre Relatos Selvagens de Damián Szifrón e o jogo Hotline Miami 2: Wrong Number.

Com a menor sombra de dúvida, Relatos Selvagens de Damian Szifron alcançou um publico tremendo. Sucesso de critica fora da Argentina e dentro, uma dos maiores públicos para um filme nacional. Ainda com um plus, mesmo a um ano do seu lançamento, continua sendo uma das 5 maiores bilheterias do ano. Muitos tomam isso pela visibilidade de ser uma superprodução e pela produção de Pedro Almodóvar por trás, caso não conhecer o tremendo trabalho de Szifron na TV com Os Simuladores e no cinema com Tempo de Valentes e O Fundo Do Mar. Mas a verdadeira genialidade do filme passa de uma sutileza tão interessante que nasce de uma pergunta mais banal de todo o cinema: Vocês prestaram realmente atenção aos créditos iniciais?

Após o primeiro conto terminar de uma maneira extremadamente genial, começa os créditos. A musica de Gustavo Santaolalla carrega um tom melancólico, porém empolgante dá melodia as fotos de animais que passam durante os créditos. Outro fato que também é necessário notar que cada animal que é associado ao ator especifico e isso incluem os realizadores do filme. Acreditem, nesses créditos de um minuto e meio escondem a maior genialidade do cinema atual.

Ao termino do filme, vendo todos os relatos e suas causas-consequências voltamos ao ponto de partida, a necessidade de ligação  entre os contos e os animais. Será citado apenas um por motivos de criar um interesse no leitor de buscar as outras associações. Dando ponto de partida, o caso do personagem de Ricardo Darin que no episódio no qual é protagonista, se chama Bombita. O personagem é um engenheiro de demolição bem sucedido que tem o seu carro guinchado pela prefeitura por estacionar de uma maneira irregular. Mesmo com argumentos convincentes e coerentes, não muda o fato de pagar a multa. Desse ponto começa uma espiral que o personagem perde tudo pela injustiça. Após isso, em um instinto "selvagem", decide vingar de uma maneira que ele só poderia criar.

Ao fim do conto, se nota que o personagem se torna um tipo de herói por combater uma injustiça. Ao ponto do mesmo ser um motivo de debate para que todas suas ações sejam levados a cabo em outras instituições que a sociedade o considera injusta ou corrupta. O interessante para levar em consideração é que o animal que representa o Bombita/Darin é águia. Para muitos, a águia é sinal de justiça, respeito e integridade. O personagem dele representa essa simbologia do respeito e fazer o que é certo. Se torna bem interessante a proposta de Damian de ter mais em conta dos animais serem relacionados de uma maneira direta (quando se compreende) ao personagem. Também implicaria com a questão dos realizadores. Exemplo disso: Os personagens secundários no filme não são representados com um animal especifico, e sim por manadas de animais. Outro exemplo fica na figura dos produtores do filme como leões, assim provando que eles além de serem reis da selva, também são os reis do filme e por ultimo, do próprio diretor que escolheu ser um bem particular: Uma raposa. Uma raposa que demonstra esperteza, destreza e efetiva na sua execução.

Se torna interessante ter um paralelo interessante entre a obra prima de Szifron e o aclamado sucesso gamer indie chamado Hotline Miami. Criado pela Dennaton Games, uma produtora sueca, bebe da inspiração de Cocaine Cowboys e Drive. Tem como ponto de partida nos anos oitenta e conta a trama de um jovem chamado "Jacket" que começa a receber chamadas telefônicas misteriosas que em realidade são induções para matar criminosos. O aspecto mais curioso é que o personagem principal recebe máscaras para matar esses criminosos. Mascaras que por exemplo dão determinadas habilidades.

O jogo com sua atmosfera vibrante e uma violência desmedida se transformou em um clássico atual dos jogos com todos os elementos charmosos como a alta dificuldade, uma trilha sonora impecável que funciona de uma maneira impar dentro e fora do jogo e claro uma frase perfeita: Você gosta de machucar os outros? Assim como muitos jogos/livros/filmes, ganhou uma sequencia lançada no inicio desse ano chamado Hotline Miami 2: Wrong Number (Hotline Miami 2: Numero Errado). Na sequência é toda baseada nas consequências dos atos do primeiro jogo. Em paralelo a isso, também explica em um tipo de missões prenuncia para o primeiro jogo ter esse tom.


"Você está vendo isso?
Consegue ver meu rosto?

Essa é a minha verdadeira natureza!

Você não está vendo? Eu sou assim!
Todos nós somos assim.

Somos animais!

Não podemos negar!
Somos um bando de animais malditos!
Eles nos mandam para abater 
Ou sermos abatidos

E aqui ficamos sentados até eles nos dizerem 
O que fazer e como fazer!
Não temos vontade própria.
Apenas obediência irracional!

Nem sequer sabemos por que razão estamos lutando não é?
Apenas sabemos que, lá no fundo ... Nós gostamos disso.
Destruição e violencia ...
Fazem parte da nossa natureza.


Durante a missão 15 do segundo jogo chamado Casualites, o personagem O Coronel chega ao esquadrão ébrio e com a pele da cabeça do tigre na cabeça. Afirmando em palavras "perversas" que estamos diante da verdadeira natureza humana. Que o homem tem que caçar ou ser caçado. Obvio que inicialmente, se sente que são palavras profanadas ao vento e sem consequências. Entretanto, quando se para e reflete sobre essa temática, não se pode negar que o homem é um animal e essa natureza violenta por mais negativo que se sente, é uma condição que vive no mais profundo de si mesmo. Com isso, dentro da proposta do jogo, se torna admirável ter as máscaras de animais conduzindo o personagem/jogador a questionar sua verdadeira natureza. Ver Richard, o galo falando aos personagens do jogo do por que fazem isso, faz lembrar de uma maneira suave o significado do galo: O despertar.

Em Relatos Selvagens, esses animais mascarados de gente apenas esperaram seu despertar. O seu confronto com a realidade. Ao mesmo tempo, outros já sabiam de sua natureza e foram até o fim com suas características. Soa perverso semear que o homem é irracional e que tudo que faz, atua e sente em realidade são instintos. Mas como um argumento que sempre carregou um fundo de verdade ... O homem é o animal mais perigoso do mundo. Por que esse animal tem consciência e tem noção do que faz. Me diga ser humano ... DO YOU LIKE HURTING OTHER PEOPLE?


Comentários

Postagens mais visitadas