A Escolha Perfeita 2

Muitas vezes o que significa ter uma continuação? Uma continuação tem que ter como prioridade explorar elementos que transformaram o filme original em uma referência para continuar. Ao mesmo tempo, uma continuação tem que semear seus próprios passos para que não somente seja um bom filme, mas que também tenha seus méritos. A Escolha Perfeita 2 aprende sua lição principal e faz com maestria que é expandir o dinamismo do original com um elenco bem mais afiado e números musicais bem mais divertidos, características que dizem o primeiro um sucesso. Entretanto, faltou detalhes para que seja tão inesquecível quanto o primeiro.


A trama se passa 3 anos após o original. As Bellas de Barden se transformaram em referência na cultura da Capela americana. Mas após uma desastrosa apresentação ao presidente dos Estados Unidos, o nome do grupo foi para o lixo e a única oportunidade de voltar ao status de gloria é ganhando a "Copa do Mundo" da Capela contra o grupo alemão Das Sound Machine. Ao mesmo tempo, Becca (Anna Kendrick) tenta sua oportunidade em trabalhar em uma produtora musical e tentar seu nome; e o grupo tem que lidar com a chegada da novata Emily (Hailee Steinfield) que tenta carregar o legado da mãe, uma legendária Bella.

A história principal do filme não se nega, foi bem trabalhada. As tentativas das Belas de voltarem ao topo são bem divertidas e também acontece alguns momentos replay do primeiro que é a batalha de grupos de Capela que está bem mais divertida em comparação ao original. Além do fato que como o elenco está bem entrosado, ver os rostos conhecidos em novas aventuras se torna divertidos. Em contraponto, parece que nenhuma história paralela tem aquele brilho como deveria, como aconteceu no primeiro filme apesar do romance de Emily com o mágico do primeiro filme e Fat Amy (Rebel Wilson) com Bumper (Adam Devine) darem um brilho a mais.

A estreia de Elizabeth Banks como diretora apenas repetiu o passo a passo do primeiro filme com Jason Moore. Se notou a insegurança para criar o clímax final do filme, entretanto, a edição da apresentação da Bellas foi orquestrada de uma maneira bem mais efetiva que foi a do primeiro filme. O resto, não tinha muito o que fazer. Talvez o que se ajudou muito a favor dela, é de como ela utilizou todo o universo da Capela ao seu favor e explora bem isso. Além disso, até as músicas desse filme em comparação ao anterior conseguem ser mais interessantes pelo uso da capela.


O trunfo de A Escolha Perfeita 2 está no dinamismo entre suas músicas, seu elenco, no seu estilo e no seu humor. Claro que por ter em alguns momentos a mão pesada de Banks é visível, mas mesmo assim, a própria história ou melhor, o próprio universo das Bellas de Barden é tão satisfatório que os erros se passam por alto. A única coisa que realmente incomoda quando termina o filme é quando sabes que esse filme vai ganhar uma terceira parte. Claro que se o filme for ótimo, não se reclama para nada. Mas nem toda comédia que começou timidamente e ganhou seu público pode terminar bem. The Hangover Saga ... anyone?


***¹/²


Comentários

Postagens mais visitadas