Especial Need For Speed Segunda Parte

Para completar o especial que parcialmente foi interrompido de Need For Speed The Movie, aqui está uma pequena lista e pessoal de 5 jogos que merecem uma adaptação cinematográfica e claro, um possível elenco. Enjoy it.

DMC – Devil May Cry

Filho de Sparda com uma humana, Dante é um caçador de demônios estiloso que não poupa balas, espadas e frases feitas para matar monstros e salvar a humanidade. Também foi o dono das polemicas no ano passado por um reboot total do personagem porém interessante por que ao seu final, mostra como Dante se transformou em um herói. Para um filme de Devil May Cry tem que ter pelo menos um diretor que não tem medo de abusar dos efeitos especiais e ter um ator carismático. Sem duvida um bom diretor para esse projeto seja Stephen Sommers. Mesmo meio sumido após o “fracasso” de G.I. Joe, sem duvida tem um talento para criar uma ótima e frenética aventura e uma prova disso, vejam Tentáculos que ainda continua sendo o seu melhor filme. E para ser Dante, um ator desconhecido porém carismático vale muito a pena para um projeto como esse. O escolhido para mim seria Xamuel Sammuel, que fez Adore e Drift.




Dead Space
Uma das franquias mais populares de terror nos últimos anos que infelizmente não teve um terceiro capitulo a altura dos primeiros contam o tormento de Isaac Clarke, um engenheiro que embarca em uma missão de resgate de sua noiva e se depara com um horror inexplicável com criaturas sem precedentes. Para uma direção como essa, sem duvida tem que ser um diretor que entenda bem a questão da claustrofobia. Um dos diretores que talvez conseguiu executar com uma precisão cirúrgica foi Neill Marshall em Abismo do Medo. E poucos sabem, mas o que faz a diferença é que tanto em Dead Space quanto Abismo é trabalhado a questão do medo e da escuridão. E para o elenco, repetia o trio que se viu em Prometheus de Riddley Scott, Micheal Fassbender (já trabalhou com Marshall em Centurião), Noomi Rapace e Charlize Theron.



Remember Me
Aqui se detêm o exemplo mais curioso da lista. Não é um jogo maravilhoso, isso é um fato. Carregado de problemas em sua jogabilidade, não foi um jogo que teve boas vendas e quase levou a produtora do jogo a falência.  Porém é daqueles exemplos simples de que esse tipo de projeto funcionaria melhor na tela e sim, muito. Sua história sobre uma manipuladora de memórias que perde sua própria memória e luta para entender o seu próprio passado. Essa ideia seria bem mais funcional ao cinema por que esse tipo de plot de ficção cientifica é mais imaginativa ao cinema. Como é uma produção "francesa", sem duvida chamar Luc Besson seria uma boa. Mesmo sendo produtor, por que pelo menos com pouco dinheiro, se consegue fazer muito. Uma boa atriz para fazer o papel da Nilin, protagonista do jogo, sem duvida tem que ser uma atriz forte e com atitude. Uma bem provável e sem duvida seria lindo ver, é a Tatiana Maslany de Orphan Black por sua atitude forte na tela e a funcionalidade de fazer papeis fortes.



Zero Escape – Virtue’s Last Reward
Continuação de 999, o jogo conta a história de um jovem chamado Sigma que fica preso a um jogo com mais 8 desconhecidos e é forçado a jogar um jogo mortal no qual depende muito da confiança dos seus companheiros e que se conseguir alcançar o numero 9, pode sair do local, mas se chegar a zero, o personagem morre. Poderia pensar que seria um derivado de Jogos Mortais, mas em realidade é uma novela gráfica rica que sem duvida surpreende pelos caminhos apresentados e mistérios que aparecem a cada segundo. Seria muito bom ver um projeto como esse no cinema com um elenco variado e que talvez de talentos que ainda não foram revelados tão bem e com surpresas. Um bom diretor para esse tipo de projeto seria Rian Johnson mas não pelo suspense, mas de como consegue desenvolver de uma maneira eficiente seus personagens.



Dino Crisis
Nos tempos em que a Capcom era a produtora definitiva de survivor horror, nos tempos áureos dos primeiros Resident Evil, um outro jogo que também tinha essa questão do horror claustrofóbico mas com um diferencial: dinossauros ao invés de zumbis. É uma ideia bem interessante que rendeu dois jogos clássicos e uma terceira parte literalmente esquecível. Uma série inesquecível ainda além da jogabilidade bem divertida, a protagonista decidida Regina. Um bom diretor para captar isso, é Joe Johnston, que ok, mesmo sendo um diretor mais leve, tem como no currículo Jurassic Park 3. Além disso, lembrando de que seria uma ótima oportunidade para Jessica Chastain expandir seus talentos de atriz para também ser uma action girl, e assim como nas palavras dela, necessitamos mais heroínas.





Critica de Need For Speed em breve.

Comentários

Postagens mais visitadas