O Artista

*Texto com Spoilers

O Artista é um filme necessário. Essa é a primeira coisa que se sente após o termino desse maravilhoso filme. Com 10 indicações ao Oscar e em sua maioria de profunda justiça e passando longe do que podemos dizer furor de premiações. A história passa da originalidade e talvez a indicação a Melhor Roteiro Original seja mais pela força a homenagem ao cinema mudo e a jornada de George Valentin a uma transição ao ostracismo.

A história do filme conta a jornada de George Valentin, um artista de um carisma nato e de um sorriso faceiro, que vive seu auge no cinema mudo. Após uma premier ele se esbarra com uma moça ingenua chamada Peppy Miller, uma moça que começa a fazer papeis de figurante e de pouco a pouco ganha espaço com a revolução do cinema ... o som. Enquanto George começa a cair em desgraça a resistir a nova tecnologia.

Em uma visão simples e tranquila. O filme é sobre o medo ao desconhecido. A representação do desconhecido está mais uma vez na evolução que no caso da trama, é cinematográfica. Parece que hoje o espectador se comporta como o heroi da trama. Muitas vezes acreditamos que é uma grande piada tudo que é novo para hoje. Como no caso, a terceira dimensão digital. Na realidade o mesmo filme é uma apologia as novas tecnologias sustentando um argumento simples e ao mesmo tempo extremadamente valido que é: as novas tecnologias se tornam perfeitas quando sabem usar.

Como uma bela ferramenta, se torna uma perfeição quando sabem usar. Quando é usado de uma maneira errada, se torna uma grande piada. Prova disso, é a cena teste no qual George acha ridículo o teste de sua colega atriz. E talvez com a plena razão, já que quando estamos lidando com o mal uso de qualquer coisa, a culpa não é de sua tecnologia, mas de sim da pessoa que não sabe como lidar e desentoa toda a maravilha que uma nova tecnologia pode entregar.

George Valentin, brilhantemente interpretado por Jean Dujardin, é a melhor representação da resistência ao novo. Mesmo com o sorriso facil e sempre com seu fiel companheiro Uggie, em seus olhos, em suas expressões faciais e principalmente em seus atos dizem ao espectador o medo do novo. A cena do pesadelo sonoro é um dos grandes exemplos. Também Bérénice Bejo brilha com a adorável Peppy. Qualquer cena com ela no filme, parece que o filme solta faiscas com ela. E quando os dois estão juntos e dançando, rezas para esse momento não terminar.

O Artista é a arte pela arte. É daqueles filmes que após o seu termino ficamos a pensar durante muito tempo a representação do cinema para nós mesmos, espectadores. É daquele tipo de filme que nos relembra por que devemos ser exigentes com o cinema. Não importa se é mudo, falado, com 3D ou sem 3D. O cinema tem que transcender e marcar cada um com seu projeto. E nesse belo filme ... A beleza do silencio, a fofura de um cãozinho, a dor do ostracismo, o choro a beleza e acima de tudo o sapateado de que podes voltar a sorrir sem ter medo do que será o dia seguinte.

Ficha Técnica
O Artista (The Artist)
Diretor: Michel Hazanavicius
Elenco: Jean Dujardin, Bérénice Bejo, James Cromwell, Pennelope Ann Miller, Missi Pyle, Malcolm McDowell e John Goodman
Gênero: Drama/Comédia/Romance
Cotação: 100% - *****

Indicações ao Oscar: 10, incluindo Melhor Filme, Melhor Ator, Melhor Atriz Coadjuvante, Melhor Trilha Sonora e Melhor Diretor.








Bonus Track para Uggie por que ... ELE É MITO.

Comentários

  1. Muito interessante essa perspectiva do valor ao novo, das tecnologias que chegam para fazer mover o cinema por outros caminhos. Essa é uma bela defesa do filme, ao mesmo tempo em que também existe um certo saudosismo a um cinema que não "existe" mais, mas que da mesma forma ainda pode encantar os novos espectadores (e a grande aceitação que tem recebido pela Academia norte-americana já é prova absoluta disso). E adoro a forma como o Hazanavicius utiliza inteligentemente a linguagem que se põe à disposição para fazer um filme simples, mas nunca forçado. Enfim, um trabalho adorável.

    ResponderExcluir
  2. Observações reflexivas... Muito bom!
    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Pois é, João, acabei de voltar do cinema, fui rever essa pequena obra de arte, é uma delícia mesmo a força do filme, a questão do medo do novo, o roteiro, os detalhes de direção, e claro, o pequeno Uggie, que ganhou a coleira de ouro e os nossos corações.

    bjs

    ResponderExcluir
  4. Ótima reflexão, Champs! Mas já viu "Hugo Cabret"? Pra mim, milagrosamente, quebrou "O Artista".

    Abs!

    ResponderExcluir
  5. Faço das suas palavras as minhas,O Artista e o meu preferido entre todos para ser o grande vencedor,parabéns pelo blog!

    ResponderExcluir
  6. Não li pelos spoilers, mas espero ver este aí muito em breve.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas