O Brasil Necessita de uma Valeria Bertuccelli



Uma grande e interessante polêmica foi levantada aqui na Argentina no que se envolve a atriz Valeria Bertuccelli e o cinema argentino. A atriz foi para um programa popular da TV aberta local chamado SabadoBus, que é um programa que ao meu ver é tão sem pé e nem cabeça, para pelo menos promover seu novo filme, a dramédia Viúvas, que protagoniza junto com Graciela Borges. Claro que Valeria estava por lá para fazer sua parte, a propaganda do seu filme. Mas o que aconteceu foi uma coisa extremamente diferente.

O programa fez antes uma propaganda da estréia mais importante da semana, ou uma das, que foi a produção de Steven Spielberg Cowboys & Aliens, e após o comercial a atriz levantou a voz e com um tom extremamente irônico ou talvez de indignação falando que o filme era uma tremenda porcaria, que não gostou e no final do escracho, aproveitou a deixa e falou sobre o seu filme e fez uma brincadeira a parte com o apresentador do programa dizendo que qualquer coisa, ela iria pagar o ingresso para o condutor do programa.

A reação foi de imediato. Uma parcela de muitos por aqui sentiram repudio pela a atitude da atriz achando que ela foi de uma má educação de alto nível e outros motivos além da conduta duvidosa dela ao decorrer do programa. Durante a semana, o que era para ser motivo de divulgação do filme, se tornou um meio de “desculpas” da atriz e ao mesmo tempo um veiculo importante de expressão da atriz para falar de um tema que é considerado extremamente espinhoso que é a necessidade da busca do publico ao cinema nacional.

Dias atrás existia um projeto do INCAA, órgão do Estado responsável pelo cinema, para limitar as estreias internacionais no país em conseqüência da falta de espaço das mesmas para o cinema nacional. A prova disso, algumas cadeias de cinemas que tem como em média 8 a 10 salas, uma estréia de grande porte como foi esse ano com Piratas do Caribe Navegando em Águas Misteriosas que ocupou a metade das salas de cinema. E ainda para piorar, o projeto foi cancelado alguns dias depois.



Em um programa diferente chamado Television Registrada, a atriz toca no tema novamente e defende sua atitude de ter dito tudo aquilo como um tom de ironia e ao mesmo tempo fala que foi uma falta de respeito do programa dar mais enfoque ao cinema estrangeiro (diga-se de passagem, americano) do que o cinema nacional que mesmo com um recém Oscar nas costas, poucos dão um investimento forte.

Bertuccelli expos fatos curiosos de outros países como França e Brasil sobre o tema, que nos dois países, existem uma quantidade limitada de propaganda de filmes estrangeiros e os investimentos do mesmo e enquanto por aqui se torna um fator opcional. E não se pode esquecer que em qualquer lugar existem pessoas que dependem exclusivamente do cinema e que o mesmo por mais estranho que possa soar, é um gerador de empregos.



Video pertence ao programa argentino Duro de Domar, transmitido pelo Canal 9

Em contraste disso tudo, estamos nós, o país soberano que é o Brasil que em dois anos, a bilheterias nacionais estão destruindo qualquer filme estrangeiro. Assim como o fenômeno que aconteceu em Coréia do Sul com Shiri, filmes como Tropa de Elite 2 e entre outros conseguiram estar a frente de filmes importantes como Avatar nas bilheterias e assim abrindo ainda mais as portas de que o cinema brasileiro é dito como forte.

Entretanto, muitos filmes nacionais conseguiram uma resposta forte com uma bilheteria e uma “resposta” do publico, mas a qualidade dos mesmos é de extrema desconfiança. Muitos filmes ditos como sucesso de bilheteria são tachados pelos críticos de cinema como o rir para não chorar. E pior ainda é saber que muitos produtores brasileiros sentiram o básico: repetir formula que sabem que irão ter um retorno imediato e se isso é para entregar algo de qualidade duvidosa, se há retorno no final... Investe pesado.

O que Valeria levanta que é a necessidade de valorizar ainda mais o cinema local. Não é de cunho de xenofobia, mas sim de um despertar quase urgente de que o cinema nacional também pode ser essa união entre a qualidade e o retorno do mesmo. Talvez no momento as suas palavras sejam de uma infelicidade tremenda, mas o choque para despertar de algo precioso local é importante.

Cada dia se percebe que produto-qualidade é um terreno delicado que ao final de tudo não se sabe o que realmente o público quer, afinal, alguns querem ir ao cinema para esquecer um pouco do que acontece e vê uma diversão rasteira como Transformers ou Os Smurfs, outros querem algo de qualidade, que enriqueça o conhecimento cinematográfico. Mas se a coisa está tão restrita, adianta ser obrigado a ver Cilada.com por falta de opção?



O Brasil necessita muito de atrizes como Valeria Bertuccelli, que valorizam o cinema nacional real. E que a recompensa para grandes atrizes ou os grandes profissionais que se dedicam a esmo a esse ramo são os aplausos calorosos do publico e o reconhecimento de que existem qualidades maravilhosas algo que foi feito com o coração e local.

Comentários

  1. Concordo plenamente!
    Os filmes brasileiros que dão bilheteria são só as comédias com alto teor de sexo e os de violência exagerada, poucos conhecem Lavoura Arcaica por exemplo.

    ResponderExcluir
  2. Me lembro de você ter comentado sobre esse caso no Twitter. E esse teu texto ficou um primor. Parabéns, João!!!

    ResponderExcluir
  3. O público precisará mudar. Se o Cinema continua a repetir fórmulas que geram retorno em detrimento da originalidade e da qualidade, então também a plateia precisará ser mais crítica. Por alguma intuição, estou deixando de ver vários filmes no cinema por achar melhor esperar para ver na tevê, algo que não fazia -- via absolutamente tudo que estreava. O Cinema-indústria, a meu ver, não parece caminhar por uma solução.

    ResponderExcluir
  4. Muito bom, João. Já fiquei fã de Valeria Bertuccelli. Acho que é um ciclo vicioso, até que ponto o povo só gosta de filme ruim ou só dão essas opções a ele? E temos mesmo que valorizar filmes nacionais de qualidade, seja na Argentina, no Brasil ou em qualquer outro lugar.

    bjs

    ResponderExcluir
  5. Bravo, JP. Excelente texto, arrasou! Lembro quando vc me mandou esse link de Bertucelli pelo Twitter e achamos uma tremenda falta de respeito da atriz para com o filme do Favreau. Mas, vamos lá, super compreensível. Não foi um 'ataque gratuito', mas ela estava jogando a favor dela, como vc deixa claro no texto.

    Alias, mt bom o panorama que fez sobre as produções brasileiras, os blockbusters que superam as bilheterias, mas deixam a desejar na qualidade. Esse ano, principalmente, está uma tristeza qto ao cinema nacional, pegando pelo lado de bons filmes. Jesus, 2 são bons?

    God saves Valeria!
    como reeducar o público para ir assistir mais filmes nacionais no cinema, hum? Acho q o preconceito está se quebrando, a cada dia tem mais pessoas curiosas com as produções feitas no Brasil... é um processo relativamente lento, só vamos ver aonde vai dar.


    abraço!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas