Blockbusters Velozes, Reflexões Furiosas

Na decima segunda temporada de South Park, um dos episódios retratava algo insólito que é os cineastas Spielberg e Lucas violando Indiana Jones e todos os personagens do desenho chorando pelo fato que passou com o que aconteceu com o seu herói. Em contra ponto ao inicio do texto, vemos a maior surpresa dos blockbusters desse ano ou talvez de alguns anos. Velozes e Furiosos 5 a cada dia que se passa conquista críticos, uma ótima nota no IMDB e uma bilheteria respeitável já desde seu primeiro final de semana que conseguiu 160 milhões em 3 dias. Mas Velozes e Furiosos 5 se torna um capitulo diferente de toda a saga. Aquela coisa “mística” que se via nos primeiros filmes no qual envolvia a questão de pegas espetaculares para uma trama, que pelo menos alguns consideram segura no qual envolve corrupção e perseguições policiais.

Alguns consideram essa questão de mudanças de diretrizes de franquia um horror puro já que foge da essência que cativou a muitas pessoas que cresceram vendo a franquia. Mas o preço é o que foi citado ai em cima. Boa bilheteria e uma aprovação coerente de quem assistiram a esse filme. Apesar de serem dois temas opostos, o episódio de South Park e a franquia de Velozes, os dois tem pontos em comum: o papel de um blockbuster nos dias de hoje e as reinvenções dentro da própria franquia se tornam uma chave para o sucesso ou a porta extrema do fracasso. E chegando no verão norte-americano, se torna uma grande oportunidade de criar esse debate.

Para muitos a principal diretriz de um blockbuster tem como a preocupação de que o espectador tenha pelo menos a diversão, um escapismo legitimo de sua realidade e embarcar em um filme a pura imaginação. Claro que existe espaço para desdobramentos de que podemos dizer uma linguagem mais profunda de cinema, é só lembrar os filmes de ouro de Spielberg como os capítulos de Indiana Jones ou Parque dos Dinossauros ou alguns clássicos de James Cameron e entre outros.

Atualmente essa questão de mestres se foi. Não é de negar em nenhum momento que hoje tudo se envolve com o dinheiro, mesmo com filmes que ganharam franquias por que começaram com orçamentos modestíssimos até filmes com grandes orçamentos que sabem que terão retorno garantido. Os principais pontos para fazer um blockbuster são esses: um grande ator que não precisa provar nada, atores em ascensão, uma musa, um roteiro padrão em relação ao projeto, um diretor que entenda bem o que está fazendo.

Quando estamos diante de uma franquia, existe um cuidado extremo. Afinal, algumas se tornaram franquias pelo potencial que ela demonstra inicialmente como foi no caso de Jogos Mortais ou Exterminador do Futuro. Alguns filmes consequentes fizeram experimentações ou um novo tipo de linguagem para dentro da franquia. Alguns conseguiram ser clássicos, Aliens – O Resgate, O Exterminador do Futuro 2, Piratas do Caribe – O Bau da Morte e o caso mais supremo e indiscutível: os filmes de James Bond.

Mas alguns capítulos conseguiram extravasar e sai do seu conceito original. Em alguns casos conseguiram desviar ao extremo do que era a série. Exemplos têm de sobra que nos quais deram errado como a maioria das franquias de terror e o clássico exemplo Halloween III que não tem extremamente nada haver com os dois primeiros filmes. Outros exemplos interessantes foram o desdobramento da franquia Jogos Mortais, como o segundo e o sexto capitulo que pelo menos foram os melhores de toda a franquia e Duro de Matar já que no terceiro capitulo acontece um giro de 360 graus do que se conhecia da mitologia de John McClane.

Mas se uma continuação só se torna valido por um fator primordial: O publico. É a resposta dele ao projeto que se torna um fator fundamental para continuar. Existem filmes que ganharam mais e mais continuações por terem acumulado uma geração de fãs que vão ao cinema, prestigiam e tudo mais. O filme pode ser muito ruim, mas para eles, ver elementos que fizeram que eles se tornassem fãs na telona, não tem preço. Que melhor exemplo são os fãs da franquia de Jason e Sexta Feira 13?

Mas ao mesmo tempo não pode esquecer aqueles que viram suas franquias serem derrubadas e essa decepção se tornou visível ao ponto de se tornar intragável. Um exemplo interessante é lembrar-se do que Joel Schumacher fez com a franquia de Batman e entregando um dos projetos mais vergonhosos já feitos: Batman e Robin. A lembrança de quem viu no cinema não é uma das mais ternas do mundo.

Ou em uma maneira tão espetacular que foi o desabafo de South Park ao filme de Indiana Jones. É extremamente visível a questão que eles não acham o filme o desastre, mas pelo fato do desvirtuamento extremo do personagem que eles viram crescer e ter uma diretriz totalmente diferente, já que no ultimo filme Indiana está em uma história que envolve alienígenas, coisa totalmente distinta a mitologia que todos cresceram a ver.

Às vezes o povo confunde inovação com alienação ou violação. Muitos deveriam lembrar que se não acontecesse mudanças ou alterações, muitas franquias sucumbiriam ao marasmo ou ao ridículo. Claro que nem tudo é perfeito, se muitas vezes a mudança resulta a um bom filme, pode ser ótimo ou não. E ao mesmo tempo, é do próprio publico ter a noção do que está vendo. Afinal, é ele que poderá afirmar, para si se tudo que viu é algo bom ou não.

Hoje, quando se confere um sucesso estrondoso de um filme, se deve por que conseguiu satisfazer o publico especifico que gostou do projeto. Velozes e Furiosos 5 está fazendo o sucesso que está pelos seus méritos e ter alcançado suas metas principais: o entretenimento dos seus fãs e dos quem gostam de fitas de ação. Quando um filme consegue isso, é de se admirar. Torna-se uma opção aceitar que isso é cinema ou não. O cinema nas terminologias atuais não só se desprende em um cinema de arte feito para poucos, mas sim algo que engloba tudo, até mesmo aqueles tipos de filmes que muitos chamariam de lobotomia visual. Mas até mesmo a pior lobotomia visual pode ser cinema já que existe gente que se sente bem ao ver isso.

A melhor referencia do poder do cinema está sem duvida numa situação curiosa. As Aventuras de Sharkboy e Lavagirl de Robert Rodriguez, apesar de ser seu pior filme de longe, ele fez esse filme baseado em uma história do seu filho de 5 anos. Pelo simples fato de um homem transformar os sonhos de um garoto em realidade, é algo a se admirar. É o cinema a plena forma, a transformação de qualquer tipo de ideias em realidade, mesmo a mais inocente (ou idiota) que pareça ser.

Deixando com vocês, o que podemos dizer, um dos melhores trailers de um verdadeiro blockbuster


Abraços a todos.

Comentários

  1. O que esse episódio de South Park retrata é o que realmente bem acontece com praticamente todas as franquias enormes,devido ao tempo e a quantidade de mudanças que ocorre (tanto nas equipes de filmagem como no próprio tempo por si só) se tornam algo desfigurado daquilo que se originou e conquistou fãs,POR ALGUM MOTIVO DESCONHECIDO Velozes e Furiosos 5 (que já havia estuprado descaradamente sua própria franquia quando foi lançado o 3) se recuperou pelo visto com ótima forma.
    Incrível texto !

    ResponderExcluir
  2. Excelente reflexão, João! Acho que, na realidade, o caminho dos blockbusters mudou muito com os filmes dirigidos por Steven Spielberg, Christopher Nolan, com a franquia "Jason Bourne". Obras que provaram ser possível equilibrar entretenimento com roteiros de qualidade. E é justamente isso que o cinema deveria buscar...

    ResponderExcluir
  3. Reflexão importante de uma discussão que não é nova e acho que nunca vai acabar: para quem os filmes são feitos. Concordo que é para o público, um filme é para ser visto, desde o blockbuster mais bobo ao filme de arte experimental, sem espectador ele não acontece.

    Hollywood é uma indústria e como tal, vê seu filme como mercadoria que precisa ser vendida. Agora ao analisarmos a bilheteria temos que ver as semanas, pois as primeiras semanas sempre são frutos da força do nome do filme e da propaganda em torno dele. Só após um tempo ela é resultado do boca a boca, ou seja, as pessoas que gostaram indicando.

    Agora, eu continuo acreditando que é possível equilibrar, como Kamila reforçou aí em cima, entretenimento com roteiros de qualidade. Sem isso, uma hora cansa.

    Texto bem vindo, João.

    bjs

    ResponderExcluir
  4. hollywood é uma prostituta, ela sabe o que deve ser feito, mas abre as pernas pra quem pagar melhor ou for mais rentavel. lamentavel!

    ResponderExcluir
  5. velozes é tao ridiculo ao ponto de desafiar a lei da gravidade e etc... tudo bem que ficcçao tem bastante mentira, mas por favor, vamos brincar de ser razoaveis, tudo tem limite. isso daí se tornou mais absurdo do que mcgyver. mt ridiculo mesmo. dá dó.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas