A Hora do Pesadelo

Ao contrario de muitos, gostei do reboot de A Hora do Pesadelo. Produzido pela Platinium Dunes, produtora de horror de Micheal Bay que fez reboots de outras séries de horror como Sexta Feira 13, O Massacre da Serra Eletrica e outros. Fazendo velhas caracteristicas da produtora, o diretor de videoclips Samuel Bayer, o mesmo de Smell Like Teen Spirit do Nirvana e Until it Sleeps do Metallica ficou encargo do projeto e tem no elenco jovens atores e o experiente Jackie Earle Haley substituindo Robert Englund no papel do Freddy Krueger.

A história tem como base o primeiro filme, no qual, alguns jovens que vivem na rua Elm começam a ser atormentados por uma estranha figura que tem como caracteristica marcante o rosto desfigurado e uma luva na qual os dedos estão cheio de navalhas. E todos correm contra o tempo antes que seja tarde demais ou serão vitimas do assassino mais implacavel e imperdoavel de todos os tempos, Freddy Krueger.


Um dos grandes debates que enferveceu a maioria das comunidades de horror é mais uma
vez Hollywood mexer com que era impossivel, com sagas classicas do horror. E A Hora do Pesadelo sem dúvida é uma franquia importante do horror. De acordo com os anos e com os filmes, Freddy Krueger habita nos sonhos de quem viveu essa época de ouro com a tematica muito mais do original pelo fato (e pra época claro) de um assassino que mata suas vitimas nos sonhos e ao passar dos filmes, quando mais diferente, melhor e mais assustador (se bem que nessa parte deveria ter sido mais assustador).

Infelizmente, isso não terminará tão cedo quanto muitos imaginam. As repaginações ou recriações de franquias continuam sendo os ovos de ouro de Hollywood em periodo de crise. Alguns tiveram sucesso como a franquia James Bond e o ganhador de Oscar, Os Infiltrados. Nesses casos de sucesso estavam atrelados a questão de qualidade entre envolvidos.

Mas na maioria das vezes não se vê essa qualidade, desde dos duvidosos remakes de clássicos orientais como O Chamado, O Grito, Espelhos do Medo, e algumas franquias antigas Sexta Feira 13 e O Massacre da Serra Elétrica. E parece que sempre a maior vitima é o próprio público do horror antigo que está cada dia mais se tornando vitimas de readaptações muito aquém do produto original. Mas isso não deixa que o remake tenha qualidades interessantes, ou não?

O roteiro do remake escrito por Wesley Strick, o mesmo de Cabo do Medo mas também de Doom, e pelo novato Eric Heisserer, que será responsavel pela pré-continuação de O Enigma do Outro Mundo, utilizam os principais argumentos do primeiro filme que foi escrito por Wes Craven. Os únicos pontos louvaveis é com certeza contar um pouco da origem de Freddy Krueger e colocando temas atuais que por si só causam nojo em qualquer um. De resto, se comporta como qualquer filme de horror com dialogos que não passam do comum e só.

Cobrar atuações nesse tipo de filme é praticamente pedir para nevar no sertão. Para se ter toda a ideia, dá para contar nos dedos quem atuou bem em toda a saga e isso parece piada, mas não é. Robert Englund conseguia ofuscar a todos e pior, sem se esforçar muito. E no remake, não é diferente, Jackie Earle Haley assume com uma responsabilidade extrema e se diverte e assusta fazendo um Freddy Krueger a sua maneira, assim não tentando imitiar o personagem original, assim deixando com mais credibilidade em sua atuação. A única pena infelizmente é para a maquiagem que não ficou tão perfeita quando queriamos e o computador atrapalhava um pouco a veracidade do ator. Mas lembrando que por muitas vezes a maquiagem não pode ser perfeita, mas o ator faz a diferença e nesse filme, com certeza ele faz. Já o resto dos atores juvenis, é aquela coisa, é sortear quem vai morrer primeiro.

A direção de Samuel Bayer em alguns momentos é ausente de originalidade, também quase todos os diretores dos filmes da Platinum Dunes são assim, mas a vantagem de Bayer é a sábia utlização da escuridão para criar horror nos momentos que Freddy Krueger chega em cena. De resto, é bem padrão mas que diverte o espectador. Muitos comentam que o filme consegue perder muito para o remake de Halloween mas tem um pequeno detalhe que difere no qual, por incrível que pareça, Halloween é um filme autoral, já que estamos vendo um ponto de vista particular de um artista a um projeto, já A Hora do Pesadelo, foi simplesmente para vender.

Sim, tem problemas mas em nenhum momento impede do espectador se divertir. Claro que em nenhum momento consegue ser melhor do que o original. Porém quando se analisa como parte de uma franquia que tem vários altos e baixos, capitulos que beiram ao brilhantismo e outros a mediocridade, o remake sai com saldo positivo por não só ter sido melhor do que os desastrosos O Maior Horror de Freddy, Pesadelo Final, e A Vingança de Freddy; Também conseguiu o feito de ser o filme mais eficiente da produtora de Micheal Bay. É um filme pipoca feito para se divertir, afinal, isso é Hollywood, onde nada é original e tudo se copia para pelo menos seu público alvo se divertir, pois bem, conseguiu com alguns e outros não.

Ficha Técnica
A Hora do Pesadelo (A Nightmare on Elm Street)
Diretor: Samuel Bayer
Elenco: Kyle Gallner, Rooney Mara, Katie Cassidy, Thommas Dekker, Clancy Brown, Connie Britton, Kellan Lutz e Jackie Earle Haley como Freddy Krueger
Gênero: Terror
Cotação: 75% - ***











E sim, novo visual e um perdão imenso por não ter atualizado nesses ultimos dias. Pode se dizer ... crises de inspiração, mas aqui e está e tentarei ser mais presente por aqui. Abraços a todos

Comentários

  1. Creio que não seja um filme que me instigue, mas tem quem aprecia. Nem dos "clássicos" filmes do Krueger eu gosto, quem dirá este novo.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  2. Sinceramente tinha medo que esse filme fosse totalmente descartável em relação ao original, mas pelo jeito funciona em algum nível.

    ResponderExcluir
  3. Não gostei muito do filme, JP. Sem comparar com o original, acho que ele não assusta porque o Krueger parece não ter motivação na sau matança. É uma sanguera sem sentido e sem vontade.

    ResponderExcluir
  4. Estou com vontade de ver o filme, mas não fareiu isso agora me parece ser um filme que pode ser descartavel.

    ResponderExcluir
  5. Eu tinha levantado expectativas que por sua vez desapareceram com as críticas fortes que o filme recebeu. Sua resenha me devolve um pouco da ansiedade. To curioso.

    ps: ótimo banner!

    ResponderExcluir
  6. Fiquei curiosa agora depois de seu comentário, já que não ligo muito para o Freddy, rsrs.

    Beijos! ;)

    ResponderExcluir
  7. Não possuo muitas lembranças do filme original (do qual preciso muito rever), e o remake, só pela presença do Jackie Earle Haley, já me chama atenção. É esperar pra ver!

    ResponderExcluir
  8. jp entra no meu blog que tem promoção
    bjokas,
    vivi

    ResponderExcluir
  9. Sabe uma coisa que me incomodou nesse filme? A fotografia. Acho o original ótimo porque ele sabe brincar com o que é real e o que não é sem se preocupar com a fotografia em si (causando um pouco mais de sustos), mas foi ótimo vê referências tão claras de toda a Saga nele (a banheira, o corpo sendo jogado nas paredes, a quiemadura no carro, o homem de sunga) rsrs

    ResponderExcluir
  10. Vi o filme original e gostei, mas acho que na parte final ele perde um tanto da força. Mas esse remake é péssimo. Terrível! Incrível como o filme se utiliza de várias cenas e sequencias do material original e consegue estragar todos eles, com personagens idiotas, situações pífias, graruitas, cheio de sustos sem graça, enrolando para chegar ao final. Sem dúvida, um dos piores do ano.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas