A Ilha do Medo

Amigos, serei sincero com vocês. A Ilha do Medo, novo filme de Martin Scorsese e repetindo mais uma vez a dobradinha com o ator Leonardo DiCaprio, é um dos mais previsíveis que já vi em minha vida. No qual um espectador mais atento do mundo perceberá o que realmente vai acontecer no final apenas baseando em diálogos simples, porém extremamente condizentes. Mas ao mesmo tempo, somos testemunhas de uma das experiências cinematográficas mais impressionantes dos últimos dois anos e ainda mais, um ótimo exemplo de fazer cinema.

Explicando bem. Baseado no livro de Dennis Lehane e roteirizado pela Laeta Kalogridis, a mesma de Guardiões da Noite, Alexandre e Desbravadores, conta a história de dois policiais federais que vão para uma ilha que é uma instituição mental para investigar um sumiço de uma paciente em especial que desapareceu sem quase deixar rastro. Assim como um bom filme de suspense, paro por aqui para falar da história do filme e deixar você espectador sentir o que realmente acontece.

No elenco, além de DiCaprio estão Mark Ruffalo, Michelle Williams, Ben Kingsley, Emily Mortimer, Patricia Clarkson, Jackie Earle Haley e Max von Sydow. O filme que estava previsto para estrear no ano passado foi recolocado para março desse ano por um motivo visível e simples, para tentar sair na frente e bem antes para o Oscar do ano que vem, e pelo jeito, já desponta como franco favorito.

Acredita-se que o único e estranho ponto fraco do filme reside em seu roteiro. O filme desde inicio mostra-se previsível, daquele tipo que você olhou um dialogo e o universo em volta, consegues moldar o que realmente vai acontecer o final mas mesmo assim, é inegável o poder que esse roteiro tem de prender o espectador até o final. É aquele tipo de texto que o importante não é o principal fator final, mas sim a construção para que esse fator prenda o espectador até o final para assim, causar espanto e procurar palavras para dizer no que viu no final.

Leonardo DiCaprio está vivendo uma fase em uma carreira que não precisa provar mais nada, é verdadeiramente um ator completo. E nesse filme pode ser com certeza sua melhor atuação. A sintonia entre DiCaprio e Scorsese consegue chegar ao seu ápice nesse filme. Todos os atores do filme entregam momentos espetaculares e sempre em momentos chaves porém quando estão juntos com DiCaprio são praticamente engolidos, menos Jackie Earle Haley que conseguiu o feito de ficar em par de igualdade com DiCaprio.

Porém quem faz a diferença é realmente Martin Scorsese. Quando diz que ele é um mestre do cinema não é a toa e principalmente faz por merecer. Ele é um maestro e vemos como ele orquestra de uma maneira sublime e impecável essa odisséia para a beira da loucura. Aliado a ele também vem uma impecável montagem, um figurino riquíssimo, uma fotografia de encher os olhos e todos os elementos que nos lembram a essência cinematografia verdadeira, pura e plena.

A Ilha do Medo é por enquanto o melhor filme de 2010. É aquele tipo de filme de horror onde não precisou de recursos sebosos para dar medo a um espectador. Apenas usou o poder da mente para criar isso. Essa mente que nos mostra caminhos, mas que também omite e esconde e quando vamos descobrir, entramos em um profundo pesadelo que não tem volta. Um grande suspense digno de ficar na eternidade, mas não por seu final, mas sim por ver um mestre guiando seus pupilos para uma lição onde vai ser extremamente difícil esquecer.


Ficha Tecnica
A Ilha do Medo (Shutter Island)
Diretor: Martin Scorsese
Elenco: Leonardo DiCaprio, Mark Ruffalo, Michelle Williams, Ben Kingsley, Emily Mortimer, Ted Levine, Patricia Clarkson, Elias Koetas, Jackie Earle Haley e Max von Sydow
Gênero: Drama/Suspense/Terror
Cotação: 95%

Comentários

  1. JP, não achei o roteiro tão previsível assim, talvez as condições que vi não tenham me permitido, mas achei o texto muito bem redigido, uma das melhores atuações de DiCaprio, talvez pela complexidade do personagem e a ótima direção do sempre competente Scorsese. Ótimo texto.

    ResponderExcluir
  2. Cinema excelente, "Ilha do Medo" é bem isso mesmo, mais um ótimo trabalho de Scorsese.

    85%

    ResponderExcluir
  3. Gostei muito do filme. Ainda não é o meu preferido da dupla Scorcese/Dicaprio (esse ainda fica sendo Gangues de Nova York), mas adorei porque li o romance do Dennis Lehane. Desde Cabo do Medo Scorcese não enveredava pelo suspense e nem por isso decepcionou. Merece o meu respeito

    Cultura? É no Jukebox:
    http://culturaexmachina.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Boa Tarde Johnny, tudo bem?

    Sou jornalista e faço parte da equipe de um grande portal que está sendo desenvolvido e será lançado nos próximos meses.

    O portal se chama “ÉSEU” e será um guia de entretenimento e relacionamentos pessoais e profissionais. O conteúdo jornalístico do “ÉSEU” será dividido em matérias, dicas e notícias, que abordarão diversos assuntos, como: gastronomia, turismo, passeios, shows, arte e cultura, bares e baladas, moda e beleza, social e meio ambiente, entre outros.

    Atualmente, buscamos blogueiros que possam escrever parar o portal. Lemos seu blog, e gostamos muito da maneira que você escreve e do conteúdo que é disponibilizado.

    Gostaríamos de conversar mais com você, pois temos interesse em colocar, no portal, matérias, de sua autoria, sobre o conteúdo de cinema que vimos em seu blog.

    Assim que possível, entre em contato comigo pelo e-mail jornalismo@eseu.com.br ou, se preferir, envie seu telefone ou outra forma de contato para conversarmos mais a respeito.

    Atenciosamente,

    Carla Costa

    ResponderExcluir
  5. Com toda a certeza, "Ilha do Medo" beneficiou-se do nome de Martin Scorcese. O filme não é ruim, longe disso. É um exemplar magnífico do terror psicológico, embora previsível em sua essência (eu saquei grande parte daquele final lá pelo meio do filme). O nome de Scorcese faz as coisas tornarem-se míticas, e "Ilha do Medo", apesar de um bom filme, não é muito especial como outros do diretor - vide "Raging Bull", "Taxi Driver" e "Alice Doesn't Live Here Anymore". Mas, claro, tem conteúdo e é isso que importa.

    ResponderExcluir
  6. Muito bom ver diferentes opiniões a respeito desse longa. Esse foi um dos melhores comentários a respeito do longa, o qual aguardo com ansiedade.

    ResponderExcluir
  7. JP, eu assisto esse filme e não consigo imaginar o Scorsese pensando "vou fazer um final surpreendente!". É por isso que não acho o final "previsível". Não há a intensão de haver surpresa, pois o final vai muito além do fato em si.

    Aliás, sobre os efeitos especiais, Scorsese é um diretor que sabe usá-los a seu favor apenas quando isso enriquecerá o filme. Não é tecnologia pela tecnologia - é tecnologia pela arte.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas