31 de janeiro de 2009

Corrida Para O Oscar 2009 - Trovão Tropical

Muitos podem ver a indicação de determinado filme ou determinado ator como se fosse um incrível arrumadinho, ou gratificação, ou simplesmente um trunfo. No Oscar desse ano, muitos filmes conseguiram ser solenemente esnobados e outros, o talento merecido, e outros endeusamento exagerado. Mas acredito que uma das indicações mais justas e ao mesmo tempo emblemáticas desse ano fica por conta de Robert Downey Jr. Para o filme Trovão Tropical pelo seu personagem Kirk Lazarus.

Trovão Tropical de Ben Stiller é um filme que escancara sem medo o que é mais detestável em Hollywood atual. Desde egos de atores onde querem provar que é um melhor do que o outro, mas que no fundo é um lixo; grandes atores que estão fazendo projetos de cunho duvidoso; Atores limitados que continuam batendo na mesma tecla provando assim imaturidade e falta de talento; Produtores que tem mais voz do que diretores fazendo assim que profissionais de talento se tornam submissos e sem voz; e principalmente a política que está envolta de grandes premiações que nos faz questionar que será mesmo que tal premiação é justa?

Com isso tudo, isso deveria ter sido um “fracasso” retumbante, mas se tornou um dos filmes mais bem sucedidos pelos críticos com uma forte aprovação de 83% do site Rotten Tomatoes. A realidade dos fatos é, o roteiro escrito pelo próprio Ben Stiller, junto com Justin Theorux e Etan Coen não foi feito para rir horrores como foi feito no filme posterior de Ben, Zoolander. O humor do longa é estritamente negro, que não consegue poupar ninguém e expõe com veracidade a realidade dos fatos. Talvez seja o maior problema do filme, já que não consegue agradar e pode até soar ofensivo.

Outro fato surpreendente é a direção de Ben Stiller, no qual ele consegue criar um filme de “guerra” bem orquestrado que não deve nada a alguns clássicos do cinema sobre o gênero, destaque também é as homenagens dentro da trama onde se torna ao mesmo tem bem humoradas, e brilhantemente homenageadas. Outro destaque também foi a criação de trailers falsos dos principais personagens da trama para condizer o perfil deles e o que eles realmente são.

O filme tem em seu elenco grandes nomes da comedia atual como o próprio Ben Stiller, Jack Black, Bill Hader, Danny McBride e entre outros. Existe também uma ótima revelação que foi Brandon T. Jackson que faz o personagem Alpa Chino. Mas os nomes que fizeram a diferença nesse filme são dois que literalmente surpreenderam a todos pela suas atuações nesse filme que foram Tom Cruise e Robert Downey Jr.

Iniciando os elogios, Tom Cruise em uma maquiagem bizarra e engraçada dá vida ao personagem Les Grossman. Inicialmente remeta os inescrupulosos produtores onde dão dinheiro e mais dinheiro e cobram resultados imediatos. Fazendo assim, reforçando a idéia de que cada dia o cinema autoral está sendo escasso, lembrando uma tendência esdrúxula atual de chamar diretores europeus para fazerem remakes de alguns filmes, principalmente da produtora de Micheal Bay ou Joel Silver. Cruise faz um personagem intenso em seus poucos momentos em cena e todos eles, a veracidade acida que está no roteiro é exposta em seus atos e palavras. Destaque para a primeira negociação com os terroristas.

Robert Downey Jr. interpreta o ator fictício australiano Kirk Lazarus. Um personagem tão excepcional mas também tão nojento quanto imagina. Ele sintetiza ao máximo aquele tipo de personalidade que por causa de prêmios nas suas costas e acha que pode ser qualquer tipo de pessoa esquecendo a si mesmo. Ele carrega toda a anarquia ao máximo criando momentos extremamente hilários durante. E sooa até interessantíssimo a indicação do ator ao Oscar já que o personagem é uma clara critica a Academia. O personagem para o ator é confirmação final de um incrível ano que o ator teve, atrelado ao sucesso de Iron Man.

Trovão Tropical é sem duvida um filme para nós não esquecermos. É um filme que devemos ver e rever, mas não só apenas por dar boas risadas pelas situações hilárias protagonizados pelos “atores”, mas por saber que um filme, alias, uma superprodução fazer um reflexo no espelho e dizer: publico, eu sou assim e não irei negar o que eu sou. O publico não irá querer saber de um filme desse porte. O publico não irá querer saber sobre um filme que mostra a face cruel de uma ilusão. O povo quer saber de uma coisa, rir de uma situação como se recebe um produto industrializado. Um filmão com a plena certeza e que no futuro próximo será um filme cult mas não pelo seu humor, mas por ter atitude suficiente de dizer que algo está errado na terra do careca dourado.

Ficha Tecnica
Trovão Tropical (Tropic Thunder)
Direção: Ben Stiller
Elenco: Ben Stiller, Jack Black, Robert Downey Jr., Nick Nolte, Steve Coogan, Jay Baruchel, Brandon T Jackson, Brandon Soo Hoo, Bill Hader, Danny McBride, Matthew McConaughey e Tom Cruise como Les Grossman
Gênero: Comédia/Ação
Cotação: 80% - Filme Indispensável

Indicações ao Oscar 2009

Melhor Ator Coadjvuante - Robert Downey Jr.

27 de janeiro de 2009

Corrida Para o Oscar 2009 - O Lutador

O som estridente da bateria, a guitarra rasgada e o grito de força de Metal Health do Quiet Riot não apenas significa um convite a quebrar cabeça, também ela é o tema principal do lutador de Luta Livre, Randy The Ram. A multidão vibra quando o herói chega para quebrar os inimigos na porrada. Mesmo depois de tanto tempo, ele consegue cativar o seu publico. Mas fora dos ringues não pode se dizer que existe glória e sim a batalha diária pela dignidade e vida.

Quando termina o filme O Lutador de Darren Aronofsky caímos para a realidade, ou não? Estrelado por Mickey Rourke, Marisa Tomei e Evan Rachel Wood. Depois do épico-romantico-filosofico-ficção-ultra-lindo-demais A Fonte da Vida, Darren faz um projeto praticamente simples sobre o dia-a-dia de um lutador que teve os seus dias de gloria e que hoje sofre por muitas vezes a falta de espaço e a dura realidade.

O roteiro escrito por Robert D Siegel segue uma linha tão simples que chega até estranhar quem assiste. Mas o fato do roteiro é que ele um suporte para que os atores dêem as interpretações espetaculares. Além de diálogos emocionantes, existem momentos genuinamente descontraídos e até curiosos, principalmente no que se refere aos anos 80/90. Outro fator positivo é a trilha escolhida a dedo por Jim Black onde se ouve o frescor de uma década que passou e quem aproveitou com êxito esses momentos, irá se sentir criança ou jovem ouvindo Scorpions, Quiet Riot e até Guns’n’Roses com Sweet Child O’mine e por curiosidade, o filme faz um agradecimento especial ao cantor Axl Rose. Não podemos esquecer e lamentar a não indicação da musica The Wrestler de Bruce Springsteen que é tão soberba quanto o filme e juntando com tudo que ocorre, se uma lagrima escorrer de seu rosto, se orgulhe por ter visto algo único.

Mickey Rourke está magnífico como Randy The Ram. ele faz uma atuação que de tão natural, ele conquista o espectador já na primeira cena. Ele é um carrossel de emoções até o momento final. Pode se dizer que é muito difícil ver uma atuação poderosa e ainda mais vindo de um ator com um passado tão conturbado quanto o personagem. E junto com ele, vemos também uma atuação belíssima de Marisa Tomei, onde mesmo sendo uma zebra na categoria dela no Oscar desse ano, ela consegue fazer uma personagem difícil, porém tira de letra e traz momentos belíssimos. A Evan Rachel Wood, mesmo aparecendo pouco, arranca uma atuação poderosa e infelizmente esquecida das premiações.

Darren mais uma vez acerta em sua filmografia, mesmo ainda não tenha conferido Réquiem Para Um Sonho, mas quem precisa ver quando tem em sua filmografia a ficção cientifica de 60 Mil dólares Pi e uma neo-obra-prima romântica A Fonte da Vida. Praticamente O Lutador é um filme bem pé no chão. Darren nos conduz o tempo inteiro a jornada de Randy, assim tendo poucas câmeras panorâmicas, dando espaço a maior veracidade para a captação da emoção. Destaque a condução da luta final onde consegue colocar toda a franquia de Rocky no chinelo.

O Lutador é sem duvida nenhuma um filme que arrepia a espinha de qualquer espectador por ter em sua duração sensibilidade e violência, glórias e decepções, resumindo, a retratação fiel de um homem. Uma experiência tão inigualável quanto a vida de Randy ou do Mickey, ou a nossa. Um filme que faz lembrar que a vida é uma luta, e cada dia que se passa se torna uma vitória, podemos ficar destruídos com o tempo, entretanto quando se tem a vontade e o amor pelo que ama, a glória será eterna. Um filme para se guardar na memória.

Ficha Tecnica
O Lutador (The Wrestler)
Diretor: Darren Aronofsky
Elenco: Mickey Rourke, Marisa Tomei e Evan Rachel Wood
Gênero: Drama
Cotação: 97% - Filme Obrigatório

Indicações ao Oscar 2009:
Melhor Ator: Mickey Rourke
Melhor Atriz Coadjuvante - Marisa Tomei

22 de janeiro de 2009

Corrida Para o Oscar 2009 - Simplesmente Feliz


Não é tão bom acordar de manhã e olhar no espelho e dar aquele sorriso? Não é tão bom manter esse sorriso enquanto andas pelo corredor do seu prédio e dizer ao vizinho mais irritante, um bom dia sincero? Não é tão bom chegar ao seu trabalho ou faculdade e dar aquele como vai sincero aquele colega chateado? Pois bem, para muitos essa pessoa não existe, ou se existe, ninguém vê. Mas o que é a mais pura verdade é que quando se vê esse tipo de pessoa, começamos a estranhar e dizer, isso é verdade?

Pois bem, conheçam Poppy. Uma mulher de 30 anos que sempre tem um largo sorriso no rosto. Ela é uma professora de maternal querida pelos seus alunos. Sempre faz exercícios e sempre está afim de novas sensações. Tem um jeito único de se vestir onde sempre é destaque por onde passa. Agora ela tenta conseguir a sua carteira de motorista e alguém que balance o coração.

Simplesmente Feliz. Nunca um titulo nacional conseguiu sintetizar o que pode se resumir inicialmente do filme. O novo filme do diretor Mike Leigh, tem como a atriz principal Sally Hawkins. O filme é praticamente uma sensação por onde passou, ganhou altos prêmios inclusive o Globo de Ouro de Melhor Atriz de Comédia para a atriz. O filme também tem uma cotação muito forte no Rotten Tomatoes onde só tem 9 criticas negativas diante de 129. E esse filme tem isso tudo mesmo?

O incrível roteiro de Mike Leigh segue uma linha bem simplista onde o foco do filme não está na rotina da alegre Poppy, mas sim demonstrar e questionar sobre o conceito de felicidade na vida de todos. E que na realidade, o mundo está tão triste e sem esperanças que fica difícil tanto para os personagens da trama quanto para o espectador acreditar que exista tal pessoa. Mas isso ganha reforço com a impecável atuação de Sally Hawkins. Ela entra de corpo e alma para interpretar Poppy e com todos os méritos, mereceu ganhar todos os prêmios que ganhou e ainda mais, as esperanças de ser uma candidata fortíssima a ganhar o Oscar continua crescendo a cada dia. Outro fator incrível é a trilha sonora. Gary Yershon faz uma trilha gostosa de ser ouvir o tempo inteiro. E mesmo quando termina o filme parece que ela fica na sua cabeça para embalar os melhores momentos de sua vida.

Simplesmente Feliz é um filme onde carrega em seu nome, simplicidade e alegria, mas em que seu resultado final é na realidade um conto sobre a felicidade e dificuldade de aceitar essa felicidade. Um filme envolvente e simples. As esperanças de ir ao Oscar provavelmente para Melhor Atriz, Melhor Roteiro Original e talvez, se existir alguma alma bondosa, Melhor Filme. Assim quando termina o longa pensamos: “Poxa, queria tanto uma Poppy em minha vida...”



Ficha Tecnica
Simplesmente Feliz (Happy Go Lucky)
Direção: Mike Leigh
Elenco: Sally Hawkins, Eddie Marsan e Alexis Zegerman
Gênero: Comédia/Drama
Cotação: 95% - Filme Obrigatório

20 de janeiro de 2009

Cidade Fantasma de David Koepp

David Koepp é um dos roteiristas mais importantes do cinema atual. Ele está por trás dos novos clássicos do cinema atual como Jurassic Park, Missão Impossível, Pagamento Final e entre outros. Também foi o roteirista de Guerra dos Mundos, Indiana Jones e O Reino da Caveira de Cristal e Olhos de Serpente. Mas como diretor, sempre fez filmes modestos, porém com premissas fortes. No novo projeto dele, Cidade Fantasma, mostra mais uma vez a sua força como um ótimo cineasta.

Dr. Pincus é um dentista extremamente amargurado. Não tem amizade com ninguém, sempre muito mal educada e rude com seus vizinhos e de hábitos esquematizados. Durante a sua colonoscopia, ele pediu algo incomum que foi a anestesia geral, após uma anomalia biológica, ele começa a ver fantasmas e um recém-chegado começa a perseguir o dentista para ele ajudar a sua ex-mulher se livrar de um advogado meio suspeito.

O roteiro de David Koepp volta a bater na famosa tecla que marcou ele em Ecos do Além que foi o universo fantasma. Desta vez, sem figuras assustadoras como o outro filme, e sim a demonstração de sensibilidade e bom humor sobre esse universo, assim atraindo mais o publico que gosta de um humor refinado e de uma história sensível sobre a vida. Também não dá para ficar indiferente com a seleção de musicas agradáveis que sempre deixa aquela sensação de paz entre o filme e o publico e não será muito difícil ser pego de surpresa cantarolando algumas canções do filme.

Mas os grandes fatores para o sucesso desse filme são David Koepp e Ricky Gervais. Koepp ao contrario das superproduções que ele roteirizou, passou longe do exagero e criou um filme bem simples. Não tem nada de novo na sua direção, mas sim segurança no que faz. E principalmente em utilizar poucos, mas efeitos especiais lindíssimos. E a atuação de Ricky Gervais é primorosa. Ele consegue criar um personagem que interage com o espectador a todo momento, que oras dá raiva e outras, pena e sensibilidade. E fico até surpreso por ele está fora em algumas premiações importantes como o Globo de Ouro, mas pelo menos ganhou o Satellite Award de Melhor Ator.

Cidade Fantasma é com certeza um filme que merece ser descoberto. Um filme que tem como suas principais qualidades é de carregar e sustentar a palavra simplicidade em todo o momento. Uma direção simples, uma trilha gostosa de ouvir, atuações seguras e incríveis. O que faz deduzir que é muito difícil fazer algo tão simples e que funciona tão bem. Um ótimo filme e recomendado.

Ficha Tecnica
Cidade Fantasma (Ghost Town)
Diretor: David Koepp
Elenco: Ricky Gervais, Téa Leoni, Greg Kinnear, Billy Campbell, Dana Ivey, Alan Ruck e Kristen Wiig
Gênero: Comédia/Drama/Fantasia/Romance
Cotação: 88% - Filme Indispensável

14 de janeiro de 2009

Corrida Para o Oscar 2009 - Slumdog Millionaire

Começando a corrida para o Oscar 2009, o Cine JP irá acompanhar a premiação vendo alguns nomes fortes para a premiação desse ano em que promete ser um dos mais equilibrados e ao mesmo tempo, difícil de dizer quem serão os ganhadores desse ano. Mas com certeza haverá vencedores, perdedores, gloriosos e humilhados. Iniciaremos essa corrida com o grande vencedor do Globo de Ouro de Melhor Filme de Drama, Slumdog Millionaire.


Isso não é um fato isolado, é praticamente universal. Todos nós somos vidrados em qualquer programa interativo onde o participante tem que fazer um desafio, seja de perguntas ou outras coisas, em que no final ele (se conseguir superar) ganhar um grande prêmio. Na Índia, o programa Quem Quer Ser Milionário? É um sucesso de audiência. Quase 90 milhões de pessoas ficam vidradas nesse programas, o que equivale a metade da população brasileira.

Em uma noite especial, um jovem chamado Jamal Malik consegue chegar onde muitos estudiosos, professores, advogados e intelectos não conseguiram almejar: a ultima pergunta que vale a 20 milhões de rúpias. Mas tem um problema, Jamal Malik é apenas um simples favelado e analfabeto. As questões que aparecem são: como ele chegou tão longe em um programa tão difícil? E por que ele está no programa?


Slumdog Millionaire papou os melhores prêmios do Globo de Ouro desse ano como o Melhor Roteiro; Trilha Sonora; Diretor e Melhor Filme. E provavelmente irá bem mais forte para o Oscar desse ano como pleno favorito ao premio. Ainda derrubando o franco favorito de todos, que é O Curioso Caso de Benjamin Button de David Fincher. Será que realmente o filme tem essa incrível força ou não?

O roteiro do filme que é baseado Sua Resposta Vale Um Milhão tem como proposta clara de emocionar o publico com a jornada do personagem principal ao programa e seus motivos. Mas se torna mais do mesmo depois da grande sacada da primeira pergunta assim demonstrando a lógica do filme inteiro a previsibilidade. Mas não dá para negar que tem grandes sacadas dentro dele, principalmente na pergunta da nota de 100 dólares.


A trilha sonora tem seu mérito da vitória. Ele faz uma trilha riquíssima que enaltece em cada acorde escutado seja um passaporte ideal para o mundo de Jamal principalmente nos momentos finais onde em uma seqüência interessantíssima a trilha sonora demonstra o seu valor em se transformar o melhor momento da trama. Seria perfeito se não tivesse aquele momento patético no final que é a musica Jai Ho, muitos adoraram aquela musica, mas me desculpem fãs dessa musica, mas o filme não merecia um desfecho com aquela musica.


A direção de Danny Boyle em alguns momentos é incrível, mas em outros não precisava criar momentos tipo “Eu quero fazer um Cidade de Deus em outro país”. Pelo menos, existe uma seqüência em especial que pode “fazer jus” a vitória do Globo de Ouro, entretanto, fica difícil engolir a vitória dele já que tinha candidatos expressamente melhores do que ele.


Slumdog Millionaire carrega em si uma vantagem emocional natural, no qual independentemente de quem está jogando, o prazer de acompanhar a jornada de um desconhecido a glória consegue ser mais emocionante do que se imagina. O sangue dispara, a emoção aumenta, a adrenalina flua, as unhas desaparecem de tanto roer e qualquer sentimento possível quando somos testemunhas da glorificação do destino e por incrível sorte, o filme conquista uma boa parcela do publico por causa disso já que o resto soa apenas como mais do mesmo. Se ganhar muitas premiações, provavelmente, mas vamos ver se os outros candidatos sairão tão bem quanto imagina.


Ficha Tecnica

Slumdog Millionaire

Diretor: Danny Boyle

Elenco: Dev Patel, Anil Kapoor, Irrifan Khan e Frieda Pinto

Gênero: Drama/Romance

Cotação: 75% - Filme Indispensável

13 de janeiro de 2009

Clipe JP - Metallica com The Day That Never Comes

Inaugurando a sessão Clipe JP, não poderia passar de colocar uma das bandas mais significativas para a minha pessoa se não, Metallica. Uma coisa que não pode negar sobre a banda é que em muitos clipes que eles fizeram tinham um que de cinema, onde consegue ser tão marcante quanto um longa-metragem. E o primeiro clipe em especial é da musica The Day That Never Comes.


A musica foi o primeiro single do novo disco do Metallica, Death Magnetic, que saiu no final do ano passado. O disco é produzido por Rick Rubin, o mesmo homem que produziu alguns discos do Red Hot Chili Peppers, Slayer e até Johnny Cash. O disco precedeu o mais discutido da banda o St. Anger, álbum que no qual só ganha um olhar alternativo através do documentário Some Kind of Monster, onde mostrou a dificuldade em fazer o disco e que eles continuarem na estrada foi a grande vitória.


O clipe foi dirigido por Thomas Vinterberg, amigo de Lars Von Trier e diretor de Querida Wendy. Um grande vídeo clipe e que merece inaugurar esse novo espaço do blog, e prestem atenção aos detalhes do meio para o final onde o tanto o clipe quanto a musica mostram a sua força. Um grande abraço a todos.

























Banda: Metallica
Musica: The Day That Never Comes
Album: Death Magnetic
Diretor: Thomas Vinterberg

PS: Como deu um probleminha na postagem no youtube, cliquem na foto que irá direto ao videoclipe ... desculpem.

9 de janeiro de 2009

Pagando Bem, Que Mal Tem?

Nos últimos anos, principalmente no Brasil, está se tornando comum um fato que alguns conseguem constranger princípios morais da sociedade em geral: o crescimento do cinema pornô. Como de praxe, muitos pseudo-artistas começam a aderir esse novo status de símbolos desejados para as piores libidos carnais de seus espectadores. Mas eles tem um ponto em comum. Fazem isso por belos e pomposos cachês.


Zack e Miri vão fazer um filme pornô. Mas eles não têm um porte de Mônica Mattos ou Alexandre Frota. Eles são apenas dois amigos de longa data que dividem o apartamento e contas. Porém todas as contas possíveis estão extremamente atrasadas e o ápice da “consideravelmente” dignidade foi na festa de 10 anos de Formatura. Após essa noite desastrosa onde cortam a água, aquecedor e luz e no fundo do desespero, Zack teve uma idéia “inspiradora”: fazer um filme pornô para vender para seus ex-colegas de colégio e pagar as contas. E como toda idéia inusitada aparece situações divertidas.


O diretor favorito dos nerds, Kevin Smith, lança mais um filme que chama a polemica para si. O nome original já causa uma incomodo: Zack and Miri Make a Porno. Ainda para causar mais ainda, em seu primeiro cartaz, mostra os dois amigos sendo que em cada plano de foto, um aparece fazendo sexo oral no outro, com essa imagem “pesada” o conselho de censura americana vetou o cartaz por lá. Provavelmente pelo incrível conservadorismo vazio e sem sentido.


Aqui no Brasil, nação onde atriz pornô tem status de celebridade de ponta, o filme ganhou um nome estranho e bizarro, mas ao mesmo tempo deixa o espectador pensar um pouco sobre a situação: Pagando Bem, Que Mal Tem? E ainda para melhorar a divulgação do filme, a Imagem Filmes (distribuidora do filme aqui) manteve o cartaz censurado aqui no país assim provando que o tabu da sensualidade já foi quebrado a muito tempo.


O roteiro escrito pelo próprio Kevin Smith coloca um outro olhar sobre a situação vulgar onde eles se encontram e faz um conto sobre o conhecimento humano sobre uma situação um pouco peculiar, no caso do filme, a insegurança e ansiedade em fazer um filme “pornô”. Também dentro dele, tem várias referencias a alguns filmes como Highlander (?!) e claro, Star Wars. No elenco do filme, a dupla de protagonistas, Seth Rogen e Elizabeth Banks, esbanjam uma química incrível, juntando com o carisma de ambos. Também vale prestar atenção em algumas participações especiais de Tom Savini, Brandon Routh, Tisha Campbell-Martin e a eterna musa pornô americana Traci Lords.


Zack and Miri Make a Porno ou Pagando Bem, Que Mal Tem? Consegue tirar boas risadas com ótimas tiradas, momentos geniais e aquela sensação de uma boa comedia. Não dá para negar que existem alguns momentos que podem não descer tão bem a todos, principalmente aqueles sensíveis a cenas de teor mais pesado. Uma comédia que tem carrega a nova onda entre a inteligência, o sentimento, e o escatológico e critica americana... Que mal tem um filme como esse?


Assim lembrando uma citação interessante sobre a censura americana em South Park: Maior, Melhor e Sem Cortes. “A violência exacerbada tudo bem, contanto que não tenha palavrão e vulgaridade”. É amigos... É a nação do progresso dando alguns passos para trás, fazendo algo comum nos dias de hoje... Faça o que eu disse... Mas não faça o que eu faço.


Ficha Tecnica

Pagando Bem, Que Mal Tem? (Zack and Miri Make a Porno)

Diretor: Kevin Smith

Elenco: Seth Rogen, Elizabeth Banks, Craig Robinson, Jason Mewes, Jeff Anderson, Traci Lords, Katie Morgan, Ricky Mabe, Brandon Routh, Tisha Campbell-Martin, Tom Savini e Justin Long

Gênero: Comédia/Romance

Cotação: 83% - Filme Indispensável