Arrasta-me Para o Inferno

Nunca a frase bons tempos não voltam mais se encaixou com tanta perfeição e clareza no ultimo filme do diretor(?) Sam Raimi, Arrasta-me Para o Inferno (Drag me to Hell). Muitos fãs de terror, melhor dizendo, fãs oitentistas do gênero trash que marcou essa década e reféns da má qualidade de alguns exemplos atuais de terror como franquias novas que perderam o rumo desde o segundo filme e releituras de filmes antigos ou obras que eles mesmos desconhecem, comemoraram com exaustão a volta desse cineasta que a muito tempo esqueceu o que é entregar uma obra digna de respaldo internacional.

A necessidade de crescer no banco para esquecer problemas passados e ter respaldo profissional é o que motiva Christine Brown ser uma funcionaria melhor no banco que trabalha. Por muitas vezes por ser muito maleável aos clientes não dá visibilidade ao seu chefe. A oportunidade de provar que por muitas vezes necessita ser dura com os clientes aparece quando uma senhora tenta ter mais crédito no banco sendo que a ambição de crescer sobre a cabeça da moça e rejeita o credito a senhora e de um jeito embaraçoso no qual a senhora se sentiu humilhada. Essa humilhação que Christine fez com a senhora irá custar caro por que a senhora lança uma maldição assustadora no qual durante 3 dias, Christine irá ser arrastada ao inferno.

Nesse “retorno” ao horror, ele conta no elenco Alisson Lohman, Justin Long e Adriana Barraza. Também conta com alguns parceiros como o seu irmão Ivan Raimi que faz dobradinha com Sam no roteiro, Christopher Young em sua trilha sonora e o velho carro Oldsmobile Delta 1973, vulgo, o carro de Ash em Evil Dead. Também é mais uma “superprodução” de sua produtora de horror, a Ghost House Pictures, a mesma que criou “filmaços” como a franquia de O Grito americano, O Pesadelo e 30 Dias de Noite.


Pois bem, em seu roteiro relembra a problemática humana de crescimento no mercado de trabalho. Curiosamente, parece que não sentimos algum tipo de simpatia com a personagem principal e quando começa o calvário infernal da personagem, o roteiro cria momentos constrangedores e por muitas vezes acredita que é para tirar risos do espectador, mas o problema é que o filme faz aquela coisa, o filme fingiu que aquela cena é engraçada e eu fingi que ri.

Outro fato extremamente incomoda é como pode ter tantos atores competentes serem solenemente estragados em tão pouco tempo em cena? Como pode ver uma grande atriz que é Adriana Barraza ser mediocremente utilizada em uma das poucas cenas decentes do filme e mesmo assim fala algumas frases e pronto. Lamentável. E o que falar da Alison Lohman? Ainda quero achar adjetivos corretos para descrever a atuação do filme. Uma atuação sem palavras mesmo por que ela só grita e engole coisas. Uma personagem que parece que torcemos para que ela se ferre literalmente. Não cativa e nem tão pouco o espectador sente algo por ela e quando chega o final, parece que o sorriso de satisfação pelo seu final bate na gente igual quando vimos algum vídeo do keyboard cat e rimos daquilo. Ainda bem que Ellen Page pulou fora o quanto antes.

E Raimi, pois bem, ainda tenho um pouco de dignidade e respeito por ele, por que ainda ele fez uma das franquias mais importantes da década de 80 que foi Evil Dead, filme que ainda continua inspirando muitos cineastas que amam o terror de verdade mostrando que uma boa idéia e vontade dessa concepção se tornar concreto é a chave do talento. Porém o resto de sua filmografia, pois bem, ele conseguiu fazer um filme realmente incrível em todos os seus sentidos que foi Um Plano Simples e o primeiro Homem Aranha. Depois desandou geral fazendo duas bombas seguidas, criar uma produtora de terror fraca assim como a Dark Castle. Nesse filme, Raimi tem só de elogios concretos a edição de som, no qual cada ruído é tratado com carinho e cuidado por ele, e algumas angulações clássicas que marcam uma das suas características mais marcantes. Porém o elogio já parou ai, já que ele recheia o filme de seqüências extremamente constrangedoras e suas tentativas de “assustar” o publico caem por terra no momento de sua concepção. Também o que incomoda ao extremo é o uso demasiado e desnecessário de computação gráfica que em muitos momentos demonstra a extrema fragilidade da obra.

Acredito que o filme funcionou para uma parcela que necessitava da esperança de algo interessante nas terras do tio Sam, já que eles esqueceram o que é um filme de terror bom por eles mesmos. Mas para muitos que acompanham a situação atual do horror, sabe-se que o verdadeiro horror está fora do território americano e sim na Europa e Ásia com exemplares concretos de fazer um bom filme trash e ainda, com características do próprio Raimi. Arrasta-me Para o Inferno é incrivelmente ruim, e pior ainda por saber que o próprio mestre do trash barato e sincero se transformou em um mestre do trash caro, chique e sem alma. E que por muitas vezes deixar de perder a sua essência para dar lugar aos maniqueísmos óbvios do gênero atual é o pior erro que um cineasta de nome pode fazer. Surpreendente péssimo.

Ficha Tecnica
Arrasta-me Para o Inferno (Drag me To Hell)
Diretor: Sam Raimi
Elenco: Alison Lohman, Justin Long, Lorna Raver, Dileep Rao, David Paymer e Adriana Barraza.
Gênero: Horror
Cotação: 10% - Bomba!

Comentários

  1. Nossa, João, estou surpresa com essa sua opinião sobre "Arrasta-me Para o Inferno". Como fã do gênero de terror, esperava que você fosse apreciar a obra.

    ResponderExcluir
  2. Bom, eu que não sou fã de horror, nem de trash e muito menos de Raimi, vou passar longe, pois comentários como esse me convencem mais que os elogios de monte que o filme têm recebido.

    ResponderExcluir
  3. Bem, para quem não entendeu o filme, ele em momento nenhum tenta assustar, muito pelo contrário as cenas de terror são notavelmente sarcásticas e gaiatas bem a la "Constantine" devo confessar que a comédia do filme é bem apelativa e forçada o que não me dá outra palavra para rotulá-lo além de : "ESCROTO!"
    Porém tudo poderia ser bem diferente se a excelente temática por trás do filme fosse passada corretamente, mas que por ser arriscada poderia deixar o filme bem "piegas" se bancasse a linha: "lição de moral para os telespectadores" então não vejo nenhuma saída para ele, mas uam coisa eu digo (lá vem meu lado "SPOILER"): O filme não teria tido o mesmo sabor de missão cumprida pra mim se Christine não tivesse morrido de alguma maneira no final, e foi a unica parte que valeu a pena do filme, mostrar que quem passa por cima dos outros de maneira "suja" dando golpe baixo só faz se fuder mais cedo ou mais tarde, e que mesmo que demore ninguém que fez o mal fica impune. E isso pra mim é o que basta.
    Ah! como eu poderia esquecer-me tbm da querida e famosa: ganância! hehehe! vcs que assistiram viram no que elá dá né???????

    besitos

    ResponderExcluir
  4. Ainda não vi, mas só se fala do filme, bolas xD

    Cumps.
    Roberto Simões
    CINEROAD - A Estrada do Cinema

    ResponderExcluir
  5. Sério que é tão ruim assim? Sinceramente espero ter uma opinião diferente da sua quando ver o filme, hehehe.

    ResponderExcluir
  6. cara, que surpresa, acho que você foi um dos poucos que não gostou. Realmente eu adoro Evil Dead e o acho clássico, e nesse novo de Sam, eu notei muito do que inspirou o diretor a voltar as origens desse terro trash, que, em minha opnião, deu certo mais uma vez

    ResponderExcluir
  7. Milla - Sim, sou um apreciador declarado, porém já sentia desde inicio que Raimi iria fazer uma outra bomba. Vide a franquia do aranha como exemplo.

    Gustavo - Muitos elogiam o filme mas não pela obra em si mais sim por que ele voltou ao terror, seria a mesma coisa se Peter Jackson voltasse a fazer terror e todo mundo babar a volta e n4ao o filme.

    Roberto Simões - Praticamente é um dos filmes de terror mais elogiados (diga-se babões de Raimi) do ano. Dificil não rolar aquela euforia.

    Vinnicius - Se gostas do genero de terror e principalmente de Sam Raimi, essa será uma boa oportunidade para vc ... mas para mim ... tempo perdido.

    Luiz - Não é só vc que adora a franquia de Ash, eu também adoro porém naquela época, via-se dedicação a obra, Drag não se viu em nenhum momento. Se quiser uma aula de como fazer um trash genuino ... veja o projeto Grindhouse ...

    Abraços

    ResponderExcluir
  8. Vou ter que discordar de você totalmente aqui. Acho que, além de ser um belo horror trash, é um conto moralístico divertido.

    80%

    ResponderExcluir
  9. Wally - Não tem problema, estava sabendo que iria receber algumas ressalvas e até um tipo de estranhesa por não ter conseguido captar o que você disse, o belo horror trash. Abraços

    ResponderExcluir
  10. YAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAY EU NÃO SOU O ÚNICO A ACHAR ESSE FILME RIDÍCULO!!!!!

    Me sentia tão isolado porque todo mundo elogiava ele loucamente e eu ficava com cara de pastel...

    Enfim, passando pra contar que o Cinefilando agora também tem twitter! Aparece por lá!!!!

    http://twitter.com/blogcinefilando

    ResponderExcluir
  11. Filmaço. Um dos melhores de gênero que vi nos últimos anos. Excelente direção de Sam Raimi.

    Abs!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas