Diario de Viagem em Buenos Aires - 1° Parte

Nunca imaginaria que At The Drive In fosse importante nesse momento. Entrando no avião e esperando o vôo partir e veio o momento tenebroso, a velocidade do avião me empurrando pro mais profundo da cadeira e aquele solavanco de montanha russa assustadora e mais assustador ainda foi ver a minha antiga cidade se tornar algo que só via no jogo Sim City: pequenos blocos de concreto. O avião subia cada vez mais rasgando o mar de nuvens e depois de um frenetico One Armed Scissor, pude ficar em paz. Enquanto ouvia a suave melodia de Until it Sleeps, via um povo estranho em meu vôo. Um jovem que ficava jogando PSP e vendo Smallville em um notebook, um casal de senhores lendo um livro nada empolgados com a situação.

Posso dizer em algo e bom som, viajar de avião é uma merda. Nunca pensei em toda a minha vida de viajante de onibus que viajar de aivão fosse tão cabuloso. Não é confortavel e nada empolgante. Fora as manobras bizarras que os aviões dão que se olhar para a janela parece que o coração fosse pela boca e voltasse. Também conferi o aeroporto de Guarulhos e fiquei admirado o quanto é grande ... e caro. Tomei uma cerveja Quilmes e umas batatas fritas que praticamente custaram os olhos da cara. Também ficar esperando no aereoporto fazendo nada ... fica dificil não querer arrancar os olhos. Ainda bem que antes da viagem começei a ler o livro Gomorra, que ganhou posteriormente o filme, que ainda não assisti.

O segundo vôo foi quase mais bem sucedido quanto o outro. Durante a espera conheci uma moça chamada Fabiola e seu filho. Eles esperavam ansiosamente para ir a Buenos Aires de encontro com o marido dela. Ficamos conversando sobre várias coisas, de como esperar do avião, medos e alegrias em ler um bom livro. Quando chegamos dentro do avião descobri que ela iria se sentar bem longe de mim e ficaria muito dificil manter um bom papo. Fiquei o resto do vôo fazendo uma coisa ... dormindo. O sono chegou no momento exato e só poucos metros daqui descobri que a Fabi estava sozinha e com o filho a tira colo. Cena tão bonita quanto é a visão de cima de Buenos Aires. Isso é apenas o começo da minha aventura. De um cara qur nunca saiu para lugar nenhum para um lugar que ele sabe que seras alguem, e não um ninguem quanto muitos acreditavam.

E sim, filme conferido atualmente foi The Midnight Meat Train, novo filme de horror que sofreu terriveis atrasos pela Lionsgate e que só chegou em dvd infelizmente no Brasil. O filme conta a história de um fotográfo que busca o reconhecimento tentando retratar o coração da cidade e que se esbarra com uma lenda urbana onde pessoas desaparecem no trem da madrugada. O elenco é encabeçado por Bradley Cooper (Sim Senhor), Leslie Bibb (Ricky Bobby e Iron Man) e Vinne Jones (Snatch, X-Men III) e a direção do filme ficou encargo do japonês Ryuhei Kitamura (Versus). Pois bem, o conto de Clive Barker é mediano para fraco, apesar de muitos considerarem o conto mais assutador desde Hellraiser mas o que foi o direfencial para esse filme foi o seu conjunto. Ryuhei Kitamura soube bem usar a violencia e a computação gráfica em seu favor e consegue criar sequencias interessantes e curiosas, dando destaque ao embate final no trem onde a câmera faz um giro de 360 graus para captar de uma maneira curiosa a luta. Também a incorporação que Vinne Jones faz para o indestrutivel assassino é de encher os olhos para quem gosta de filme de horror, um verdadeiro ponto positivo.

The Midnight Meat Train consegue ser uma pequena joia rara do horror atual que naufraga em uma crise onde está longe de ter um fim. Violento na medida certa, um filme que não subestima a mentalidade de quem assiste e principalmente o reforço do sistema feijão com arroz no qual, é melhor contar bem uma história comum do que inventar situações mirabolantes para chegar no final ser mais do mesmo. Tá ai ... gostei dele! Espero que gostem dessa nova sessão e que não se preocupem, em maio terá a primeira parcial dos melhores e piores do ano, e claro aquela revisada nada convencional do que foi esse ano.

Cotação do filme - 75% - Indispensável

Um grande abraço!

Comentários

  1. Estou com este filme para assistir, apesar de ter lido algumas críticas ruins.

    Abraço

    ResponderExcluir
  2. hehe. eu nunca viajei d avião
    sobre esse filme, espero ver em DVD.
    :)

    ResponderExcluir
  3. Já tinha lido uma boa crítica sobre este filme no blog do Ibertson e, com essa agora, adicionei o longa à minha listinha de filmes para se ver...

    ResponderExcluir
  4. Ah, mas que bacana a viagem hein, JP? :D

    Avião é assim mesmo, friendo. Depois a gente acostume hehe... Quanto ao filme, não vi ainda, mas me interessei muito.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  5. Que legal a viagem =P Quanto ao filme, alguns já falaram bem, mas não estou muito curioso. Abraço!

    ResponderExcluir
  6. Gostei do "diário"... não sabia que não tinha andado de avião, e não entendo como tem gente que se amedronta tnato, eu acho bom, o andar de avião. Porque ealmente não é nada confortável, é muito chato, isso sim! Me aguarda aí que eu vou pra Buenos Aires... ha ha ha

    ResponderExcluir
  7. Ahh...eu ADORO viajar de avião. Mas os do Brasil são uma bosta.

    Sobre o filme, eu também gostei! Me surpreendeu. É bem dirigido.

    Ciao!

    ResponderExcluir
  8. Caramba, não sabia que você andava por estas bandas. Vou seguidamente pra Montevideo e sempre dou uma passadinha por aí, acho uma linda cidade, Bueno Aires. Quanto ao filme, ainda não vi, mas já tenho ele em mente para minhas próximas experiências.

    Abraço e aproveita!

    ResponderExcluir
  9. Também gostei de Midnight Meat Train.
    Poxa, deve ter sido uma aventura e tanto sua mudança para a Argentina, em um país bem diferente. Mas você deve fazer o que gosta mesmo, independente das dificuldades.
    Abraço!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas