25 de outubro de 2008

Memes e Mais Memes ...

Desta vez é dois em um... Irei colocar aqui a lista das melhores cenas ou sequencias (se preferirem) que já vi em toda minha vida e ainda compartilhando um novo Meme começado por Robson, irei fazer uma escolha de para um live action para um desenho em especial.

As melhores cenas ou seqüências não são dos melhores filmes do mundo mas para mim, são espetaculares. Não existe ordem de preferência.


- O Choro Seco de Micheal Corleone em O Poderoso Chefão Part III

Eu sei que o terceiro filme da saga do Chefão é um pouco aquém dos originais (como em 80% das trilogias) mas essa seqüência onde Micheal Corleone (Pacino) vê a sua filha Mary (Sofia Coppola, ruim de doer) morrendo em seus braços. Uma cena memorável


- O Dialogo da Moeda em Onde os Fracos Não Tem Vez

Em uma seqüência assustadora e tensa, o vilão do momento, Anton Chigurh(Javier Barden, Oscar merecido) coloca medo e tensão em um pobre atendente de posto com o incrível desfecho do cara ou coroa. Provando que ele mete medo sem matar, poucos conseguem isso.


- I’M ON FIREEEEEEE em Talladega Nights – A Balada de Ricky Bobby

Após um acidente violento contra o seu nemesis, o piloto francês Jean Girard (Sasha Baron Cohen), Ricky Bobby (Will Farrell, impagável) sai do carro e fica se debatendo dizendo que está pegando fogo, o problema é que não está. Uma cena engraçada em um filme que consegue nos fazer rir sem nenhum esforço. Socorro, Tom Cruise!!!!


- A Seqüência da Cabeça Aranha em O Enigma do Outro Mundo

No clássico de John Carpenter, uma invasão alienígena silenciosa faz crescer o medo e desconfiança em uma estação isolada na Antártica liderado por RJ MacReady (Kurt Russell) e em um dos momentos mais tensos do longa surge, o que podemos dizer, algo indescritível que só o youtube pode nos ajudar, eheheh.


- A Cena do Banheiro em Psicose

É o único da lista que não precisa de descrição. Ela fala por si só.


- As Gunbarrels de 007

A bola branca passa na tela, para muitos é o inicio de mais uma aventura do agente secreto mais importante na história do cinema: James Bond, 007, com licença para matar. Durante mais de 40 anos esse modo de entrada ainda vibra espectadores e é porta de entrada para um mundo cheio de perigos, vilões perversos e mulheres estonteantes. Achei um vídeo curioso com todas as gunbarrels, desde Dr. No até Cassino Royale de 2006.


- REDRUM REDRUM de O Iluminado

Um dos clássicos do MESTRE Stanley Kubrick e ainda de quebra, um dos melhores filmes de horror já feitos na história. O Iluminado ainda consegue gelar a espinha de qualquer espectador, mas a minha cena favorita do filme é uma porta de entrada de uma montanha russa de horror absoluto onde só mestres conseguem conduzir com tanta maestria.


- A seqüência da dança em Reflexos da Inocência.

Estava comentando com um amigo meu e ele me disse que viu essa cena e só disse uma palavra: emblemática. É uma seqüência belíssima onde dois personagens dublam uma canção e ficam dançando. Mas quando assiste o filme e relembra a cena, causa diferentes sensações para o publico principalmente nos momentos finais do filme. Não é o melhor filme do ano, mas com certeza é uma cena que merece ser vista.


- Praticamente a maioria das cenas de The Fall

Exagero? Não sei, mas não dá para negar que em um único filme somos agraciados por tomadas emocionantes, imagens surrealistas, locações reais extremamente exóticas e juntando com outros fatores que já foram comentados aqui e em alguns blogs. Fica realmente difícil escolher uma cena do filme. Mas achei no Youtube uma seqüência que o nosso amigo Louis ficou maravilhado, amigo esse é para você.




E no segundo meme que foi enviado por meu friendo Rob, no que se refere aos desenhos que sonhamos em ver adaptações cinematográficas. Pois bem, escolhi um desenho atual que conquista fãs por ser o que digamos... Engraçado que só: Os Padrinhos Mágicos. Quem aqui nunca ligou a tv pela manhã e viu alguma trapalhada de dois padrinhos mágicos com o seu afilhado Timmy no qual pede algumas coisas absurdas mas que nunca deixou o espectador rir do nosense e do bizarro. Se tivesse uma live-action, claro que iria predominar alguns talentos atuais... Vejamos aqui...


Timmy (Freddie Highmore) – Seria bom ver esse menino extremamente talentoso fazendo comedia besteirol seria algo realmente curioso para carreira dele. Aproveite quanto ele ta novo e cheirando a leite.










Cosmo (Jorma Taccone) – Esse jovem e promissor comediante seria sensacional dando corpo, alma e loucura a Cosmo. Tanto o ator quanto o personagens são tão carismáticos e sem noção que não dá para não virar fãs deles.









Wanda (Tina Fey) – O humor e o jeito delicado de Tina Fey é o equilíbrio perfeito para a Wanda, a pessoa que tem mais juízo e uma personagem tão adorável quando admirada. O que mais admirável nela é o amor ao Cosmo. Bonito mesmo.








Os Pais de Timmy (Molly Shannon e Will Farrell) – Para aumentar o casting da diversão, que tal chamar dois comediantes da antiga que ainda conseguem tirar risos incontroláveis de seus fãs. Esses dois já mostraram

uma química divertida em cena desde SNL e Superstar. Seria engraçado ver eles dois em cena.







Vicky (Emma Stone) – Ver uma adolescente malvada quanto é a Vicky será curioso ver sendo encarnada por uma atriz que esbanja pureza. Que tal a atriz de Emma Stone que apareceu em Superbad e A Casa das Coelhinhas... Seria muito curioso.









Crocker (Sasha Baron Cohen) – Desengonçado e incrivelmente estranho. Seria bom um ator que sabe personficar o “vilão” de um modo tão absurdamente caricato quanto Sasha Baron Cohen. E ainda levando os traços boratianos para o personagem é que ele seria absolutamente inesquecível.








Jorgen Von Estranho (Jason Statham) – Para encarnar o brucutu do

desenho, então que seja por um que além de forte, seja carismático: Jason Statham. Seria divertido ver o cara que conseguiu fazer as incríveis façanhas em Carga Explosiva e loucuras em Adrenalina, um papel no mínimo, divertido.








Queixo Rubro (Christian Bale) – o Queixo Rubro é o herói favorito de Timmy que remete muito a lembrança de Batman, por que não chamar o próprio ator que faz Batman satirizando um herói de quadrinhos mantendo a linha das adaptações atuais. Cool









E para orquestrar essa mistura insana, por que não alguém que manja muito bem quanto Bem Stiller? Zoolander e Trovão Tropical já provaram ao grande publico que ele consegue ser tão engraçado por trás das câmeras. Além de saber captar toda a magia divertida do desenho.


Espero que gostem, Um grande abraço a todos

23 de outubro de 2008

Espelhos do Medo (Mirrors)

Credibilidade, confiança e principalmente esperanças de que um novo talento se consolide no cinema mundial como uma promessa de revolução de gênero ou pelo menos alguém com premissas originais. Pois bem, uma dessas esperanças no gênero do horror era o diretor Alexandre Aja. Um diretor de “talento” que demonstrou sua força no ultra violento Alta Tensão e conseguiu um “feito” no qual conseguiu transformar uma viagem familiar em um verdadeiro horror na releitura do cult The Hills Have Eyes. Somente nesses dois filmes conseguiu alimentar uma legião de fãs que viam nele a esperança do decadente mercado de horror. Pergunta lógica: Se fosse você, qual é o caminho mais seguro para a consolidação do sucesso? Se você respondeu uma obra original, está certo, mas parece que Aja esqueceu dessa aula.

Não dá para contar a história de Espelhos do Medo aqui pelo incrível fato de ser indescritível. Isso mesmo. A trama do remake coreano Into The Mirror é tão horrorosa que se torna difícil de acreditar, mesmo para quem viu o original ou não de tão falho e difícil de convencer. Ainda bem que o filme foi fracasso de bilheteria nos Estados Unidos e ainda veio coroado de criticas negativas justas e coerentes a esse longa. Motivos não faltaram.

2008 está quase acabando e será mais um ano para entrar no esquecimento para o gênero do horror americano. Foi tantos remakes que fica até difícil lembrar qual foi o ultimo exemplar de originalidade naquela terra, ou pelo menos um trabalho autoral. E ainda pior é quando o exemplar copiado de um filme oriental causando um bloqueio natural para quem só dependeu do remake acreditando que o original não pode tão catastrófico assim. E para os vacinados desse mal (assistido o original antes do seu remake) fica com uma sensação de descaso extremo com a obra deixando por muitas vezes confusa, hibrida e vazia.

Pior fica ainda para a Fox que conseguiu ser, e disparado, a empresa que mais lançou bombas de proporções astronômicas. Começou com Jumper, depois veio Shutter, O Grande Dave, Missão Babilônia, Arquivo X 2 – Eu Quero Acreditar, esse filme e Max Payne. Ainda fica mais constrangedor em saber que a Fox querendo chamar publico, faz cortes absurdos para deixar o filme que era R para 13 anos. Fato que começou em Duro de Matar 4.0, depois se alastrou em Hitman, Missão e Max Payne. Mais constrangedor para esse dois no qual Mathieu Kassovitz declarou que as mutilações dos produtores foram decisivos para deixar o filme uma porcaria e no segundo caso conseguiu transformar um jogo extremamente violento para 13 anos. Que vergonha FOX!

O roteiro do remake consegue deixar o espectador tão confuso que parece que o filme coloca aquilo e o espectador tem como opção de engolir aquilo, ou xingar o povo que fez um roteiro tão sem pé e nem cabeça. Kieffer Sutherland por incrível que pareça, é o único que fez o seu papel em tela mas ao mesmo tempo dá pena dele nesse longa. Se ele tivesse na trama do original, poderíamos dizer que iríamos ver um filmão, mas com diálogos cretinos e vergonhosos como esse: “Tenha cuidado com a água, ela cria reflexos” assim lembrando uma frase bizarra de Team America “Cairo, isso fica no Egito”.

Alexandre Aja endossa no que muitos desavisados amam: violência. Assim como Marshall em Doomsday, Aja faz aqui o seu “melhor” no qual é o susto seco mesmo sendo previsível até dizer chega e o uso demasiado de sangue nas mortes, o problema é que é aquelas que tenta chocar ficaram vazias que faz o momento de horror puro para os personagens mortos se tornar uma comedia involuntária. Nem as mortes do original são tão vergonhosas quanto desse filme.

Espelhos do Medo representa o ápice da mediocridade dos remakes americanos. Um filme apático, oco e pretensioso. Alexandre Aja praticamente joga a sua carreira na sarjeta em extrapolar e colocar coisas que além de espantar quem viu o original e aqueles que prezam um bom cinema de horror. Dá pena em saber que um diretor que tinha tudo para crescer no meio entrega momentos vexatórios e ainda vai fazer um novo remake. Antes era uma suposição, agora é uma certeza, Haute Tension se tornou um belo tiro no escuro e que Aja dificilmente irá acertar novamente. Vai ser até constrangedor recomendar o original após esse longa tenebroso de ruim.

Ficha Tecnica
Espelhos do Medo (Mirrors)
Direção: Alexandre Aja
Elenco: Kieffer Sutherland, Paula Patton, Amy Smart e Jason Flemyng
Gênero: Horror
Cotação: 15% - Filme Fuleragem

19 de outubro de 2008

Reflexos da Inocência (Flashbacks of a Fool)

Isso é clichê. Mas isso é a realidade. A nossa melhor época é quando éramos jovens. Parece que quando acordávamos não se preocupamos muito em pagar impostos, viver em torno da faculdade, trancados num transito caótico e todos os empecilhos da rotina moderna, ou mais simples, uma rotina de adulto. É nesse momento que paramos, olhamos no mar e percebemos que envelhecemos mal e deixamos coisas boas para trás.


Quem vive hoje esse dilema existencial é o ator Joseph Scott. Um ator que hoje vive em declínio, se aprofundando nas drogas e no álcool e juntando com a rejeição de papeis em Hollywood. A sua vida ganhou novos ares quando descobre que o seu melhor amigo e companheiro de aventuras em sua juventude falece. Com isso ele vai olhar para o passado e começar a lembrar de um tempo que não voltará jamais.


Reflexos da Inocência é mais um filme independente que chega timidamente ao publico mesmo com o seu principal astro é apenas Daniel Craig, o 007 atual. O filme é dirigido por Baille Walsh, e conta em seu elenco, atores da casa e em um papel pequeno, porém nada comprometedor da rapper Eve. O roteiro do filme foca de uma maneira tranqüila e ao mesmo tempo curiosa, os bons tempos que não voltam mais, principalmente para o personagem de Joe Scott.


As atuações desse filme são interessantes. O personagem Joe Scott, inicialmente interpretado por Daniel Craig consegue está bem a vontade entregado uma atuação correta e curiosa sobre um ator decadente que mesmo com a barrocada em seu redor, cresce a sensibilidade e quando começa a segunda parte, no qual o filme entra dentro do passado do ator fictício quando ele é apenas um adolescente. Harry Eden faz uma interpretação brilhante e o resto do elenco pertecente a esse momento entra na balada de qualidade requerente ao projeto.


Reflexos da Inocência não é um dos melhores filmes do ano, em compensação a eficiência do filme é elogiável e é um projeto agradável, mesmo com alguns momentos que incomoda, mas isso no final da projeção nos faz questionar: Por que vemos o passado com vergonha? Por que será que cada olhada no passado faz chorar ou esquecer os nossos atos conseqüentes? Se brincar o verdadeiro foco do filme nunca será contar a história de um ator decadente e sim de como muitas vezes é difícil olhar para trás e não sentir emoção.



Ficha Tecnica

Reflexos da Inocência (Flashbacks of a Fool)

Direção:Baillie Walsh

Elenco: Daniel Craig, Harry Eden, Eve, Olivia Williams, Felicity Jones, Jodhi May, Mark Strong e Clarie Floriani.

Gênero: Drama

Cotação: 68% - Filme Assistivel

15 de outubro de 2008

As Quiança Boas Do Cinema ...

Aproveitando mais um Meme que está rondando o mundo blogueiro ... Também colocarei os 10 personagens que digamos, não tem uma boa indole... vejamos ...


Anton Chigurh (Javier Barden)
Filme: Onde os Fracos Não Tem Vez














Asami Yamazaki (Eihi Shiina)
Filme: Audition










Jack Torrance (Jack Nicholson)
Filme: O Iluminado












Kakihara ( Tadanobu Asano)
Filme: Ichi The Killer










Micheal Myers
Filme: Halloween


















Norman Bates (Anthony Perkins)
Filme: Psicose








Sarah Marshall (Kristen Bell)
Filme: Ressaca de Amor













Sra. Carmody (Marcia Gay Harden)
Filme: O Nevoeiro










Sra. Lee (Mirian Yeung)
Filme: Escravas da Vaidade/ Three Extremes









Joshua (Jacob Kogan)
Filme: Joshua
















Bem ... são esses ai ...
Abraços a todos e até mais ...

12 de outubro de 2008

Ensaio Sobre a Cegueira - Blindness

Você tem uma rotina diária de poucas modificações. De manha vai ao trabalho, a tarde vai para a academia ou outro tipo de atividade, e pela noite vais para faculdade. A sua pessoa vive disse praticamente todo santo dia por muitas vezes deixando de ser alguém e se tornar em uma coisa. Mas de repente, dentro de seu carro vivendo sua vida robótica, fica cego. E agora?


Fernando Meirelles, por intermédio do livro de José Saramago, tele transporta o espectador para o mundo de Ensaio Sobre a Cegueira em sua adaptação para o cinema com o mesmo nome. Além de ser uma co-produção Brasil/Canadá/Japão, conta no elenco, estrelas de renome cosmopolitano como Julianne Moore, Mark Ruffalo, Alice Braga, Gael Garcia Bernal e Danny Glover.


Esse ano parece que todos, ou pelo alguns diretores, entregaram obras que de inicio parece àquelas sessões trágicas onde o foco é a destruição do mundo, mas nos exemplares desse ano, só existe uma espécie que está se destruindo, o homem. Como se viu, uns optaram pela ausência de compreensão dos fatos, outros pelo descontrole moral e mental. Porém em Ensaio Sobre a Cegueira, coloca como prioridade a falta de sensibilidade no circulo social.


A direção de Meirelles é algo arriscado, porém de uma ousadia inquestionável, ele não apenas se contenta em mostrar a saga de uma mulher que vive o incrível lema “Em terra de cego, quem tem olho é rei” não, parece que o objetivo dele é fazer com que o espectador entre, viva e sinta a experiência da cegueira branca. Dando destaque a seqüência da submissão a comida. Julianne Moore, uma das minhas musas supremas, entrega uma atuação de memorável para cima, transmitindo todo tipo de sentimento e ainda com o jogo impecável de câmera de Meirelles em algumas cenas, o espectador parece está ao lado dela, compartilhando o momento da cena. Além disso, todo o elenco conseguiu entregar atuações fortes já que a dificuldade em fazer um personagem com ausência de visão.


Ensaio Sobre a Cegueira é uma experiência como poucas. Não é só apenas um filme que carrega impactos visuais e cru, mas também uma história sobre os verdadeiros significados do ser humano. Ainda bem que muitos por aqui compreenderam o recado de Saramago e Meirelles no qual, em terra de acéfalos, quem tem uma mente clareada para a realidade é rei. É parece que somos mesmo...



Ficha Tecnica

Ensaio Sobre a Cegueira (Blindness)

Diretor: Fernando Meirelles

Elenco: Julianne Moore, Mark Ruffalo, Alice Braga, Don McKellar, Yusuke Iseya, Yoshiro Kimura, Mitchell Nye, Sandra Oh, Danny Glover e Gael Garcia Bernal.

Gênero: Drama/Suspense

Cotação: 92% - Filme Obrigatório

11 de outubro de 2008

Especial O Exterminador do Futuro: A Rebelião Das Máquinas

Eu não sei se isso é obrigação ou um meio de alternativa. Acho que até você leitor já sentiu esse tipo de mudança quando chega ao tudo ou nada? Por que no terceiro capitulo de uma franquia toma rumos bruscos ou inesperados? Toda vez isso é colocado a prova. Alguns conseguem o sucesso merecido, outros o desprezo total e ver o filme para cumprir a tabela que a série criou. Mas existem aqueles que podem dizer que estão acima do muro e são bem sucedidos com isso. Exemplo é O Exterminador do Futuro 3: A Rebelião das Máquinas.


O julgamento final não aconteceu. O tempo passou. John Connor está vivendo com nômade, sem documento e sem futuro. A sensação da paranóia vivida no passado está como estigma em seu rosto. Mas as máquinas não deixaram de tentar mudar o destino, desta vez enviaram T-X, uma andróide mais evoluída que eles já criaram, sendo que o objetivo dela não é só apenas encontrar o líder da resistência, mas sim destruir seus aliados.


A resistência envia mais um Exterminador, e além de proteger o John, irá também proteger Kate Bruster, uma jovem veterinária. Desta vez o enviado para proteger ele carrega com eles segredos importantes, mas ele reconhece algo que irá dificultar a resistência. O Exterminador é uma maquina obsoleta ao lado do T-X e ainda ela consegue dominar qualquer tipo de maquina. Será que eles conseguirão exterminar algo acima deles?


Ainda continua estrelado pelo Arnoldão, porém praticamente quase tudo mudou. Começando pelo comando, de invés de ser James Cameron, ficou no cargo do diretor Jonathan Mostow, que só tinha entregado dois pequenos, mas ótimos filmes como Breakout e U-571. Também mudou foi o ator que faz John Connor, muitos queriam que fosse Edward Furlong, porém quem ficou ao cargo foi o ator Nick Sthal, que tinha no currículo o terror teen decente Comportamento Suspeito que tem ainda no elenco o corno Cyclops da franquia do X-Men e a mulher do Tom Cruise.


O roteiro do filme ficou em cargo de Micheal Farris e John D. Brancato, os mesmos de Vidas em Jogo de David Fincher. Pois bem, é visto durante o longa os motivos do por que a T-X tem outros alvos como prioridades, do por que O Exterminador não ter lembranças do ocorrido em 1997 e principalmente o que realmente aconteceu com o juízo final. Mas todos irão lembrar do final desafiador que deu um toque extremamente dúbio para seus fãs.


Arnoldão volta pela ultima vez no papel que consagrou a sua carreira. No período pós-T2, muita coisa mudou, os grandes heróis do passado não tiveram grandes filmes na década de 90 onde cada ano que se passava existia uma inovação de como fazer cinema de ação. Além disso, teve a cirurgia do coração que atrapalhou um pouco, porém especialmente para encarnar pela ultima vez o Exterminador, malhação direto, e está certo ele. Claro que é visível os efeitos do tempo no ator, mas mesmo assim carrega a onipotência que o personagem carrega.


Claro que Jonathan Mostow não é nenhum James Cameron, porém segura e muito bem as seqüências de ação que o filme tem, por curiosidade, o filme se passa praticamente a luz do dia, já que nos outros dois exemplares se passarem a luz da noite. Fora isso a seqüência da perseguição do caminhão gigante não deve e nada as grandes seqüências clássicas da saga. A T-X, não consegue ter a mesma magia dos outros vilões. E também a cobrança exagerada dos fãs atrapalhou um pouco a diversão do longa.


A Rebelião das Máquinas encerra uma parte da saga de uma maneira que poderia ser tão inesquecível quanto os dois primeiros filmes, mas ele tem suas qualidades próprias e momentos únicos. Agora é só esperar o que irá acontecer pela frente, já que no ano que vem chegará o quarto capitulo da saga. Não é o melhor de todos, mas com certeza ele não deixa de ser algo que todos nos gostamos: Um filme divertido.


Ficha Tecnica

O Exterminador do Futuro III: A Rebelião das Máquinas (Terminator III: Rise of The Machines)

Diretor: Jonathan Mostow

Elenco: Arnold Schwarzenegger, Nick Stahl, Claire Danes e Kristanna Loken

Gênero: Ação/Ficção

Cotação: 78% - Filme Indispensável

8 de outubro de 2008

The Mist - O Nevoeiro

Humanidade... Palavra difícil essa em? Tentar se olhar no espelho e nunca esquecer de algo fundamental: somos animais. E mesmo com algo que diferencia dos outros animais, que é a racionalidade, ainda conseguimos carregar no mais profundo de nossos seres, instintos no qual ojeziramos, mas no final das contas, iremos fazer o que é de pior e respirar aliviado.


Não dá para questionar a qualidade de Frank Darabont a frente de uma adaptação do escritor meia boca Stephen King, já que é a quarta vez que Darabont entra no mundo do autor, com dois contos dramáticos e dois de cunho do horror. Além do ultimo exemplar da parceria, o filme O Nevoeiro. Conta no elenco Thomas Jane, Marcia Gay Harden, Toby Jones e Lauren Holden.


Esse ano apareceram filmes “catástrofes” a torto e direito com muitas vezes em tom de denuncia para as conseqüências de atitudes inóspitas, inconseqüentes, tempestuosas, e qualquer adjetivo negativo demonstrando a prepotência humana sobre o momento atual. Seja no meio ambiente, na saúde ou nas decisões político-militares. Alguns tiveram seu êxito cumprido (Ensaio Sobre a Cegueira, Right At Your Door), outros não (Fim dos Tempos, mesmo colocando aqui com uma dor no peito). E The Mist consegue ficar apenas, no meio do muro.


Vamos falar o grande diferencial do filme, as atuações. Parece que Thomas Jane conseguiu ser um protagonista ideal para os filmes de King, apesar de O Apanhador de Sonhos ser aquém, ele era o diferencial do filme. Já em O Nevoeiro ele consegue entregar sua melhor atuação e principalmente em seu desfecho onde ele consegue transmitir para o espectador algo tão sufocante e trágico. Toby Jones também consegue fazer uma atuação segura e além de ser o personagem mais sensato da trama. Mas o destaque maior é com certeza da “vilã” Sra. Carmody, interpretada por Márcia Gay Harden. Acho que nunca teve uma personagem que merece tanto repudio do publico quanto dela. A atuação de Márcia vai muito além do que se imagina. Repulsiva, explosiva, louca desvairada e tudo mais. E não é a toa que ela ganhou o premio de melhor atriz no Saturn Awards desse ano, mas o filme e o diretor, Darabont apenas indicados perdendo para respectivamente Sweeney Todd e Zack Synder (300).


Frank Darabont consegue ser um diretor de atores, parece que ele leva todos ao extremo de seus talentos arquitetando momentos densos e difíceis do espectador respirar, mas não pode se queixar dos momentos de horror que ele cria em torno dos personagens, dando destaque a seqüência da farmácia que é espetacular. Apesar do roteiro criticar o modo cretino e prepotente de como usar o dom de Deus, o próprio conto é apenas mais do mesmo para quem conhece histórias pessimistas, e além disso, Darabont em seu roteiro praticamente entrega o ouro da história muito antes dela acabar assim restando para o espectador acompanhar o tormento e o medo dos personagens até o final trágico que de chocante não tem absolutamente nada mas que poderia ter sido mais de impacto se um principal elemento surgisse nesse momento.


O Nevoeiro tem acertos e erros. Entre seus acertos está na escolha acertada de seu elenco, momentos de extrema tensão além das condições “naturais” e de uma trilha melancólica e densa. Mas os erros estão na previsibilidade de roteiro, discursos batidos e ausência de subjetividade. Começou como filme B e terminou como filme B... Começou Belíssimo, depois ficou uma Bosta e que em seu calculo total, apenas Bom.


Subjetividade é o ponto chave dos filmes de destruição ser a melhor experiência do mundo... Para que explicar o fato? Muitas vezes é o comportamento humano é o grande trunfo nesse tipo de filme. Existem fatos que acontecem que o ponto fundamental não é encontrar a resposta, mas sim compreender o que acontece no mundo. Por isso que nem quero saber da resposta, por que já sei que a resposta da destruição do mundo está no espelho, olhando para gente: Nós mesmos.



Ficha Tecnica

O Nevoeiro (The Mist)

Diretor: Frank Darabont

Elenco: Thomas Jane, Toby Jones, Marcia Gay Harden e Lauren Holden

Gênero: Horror/Drama

Cotação: 55% - Filme Assistivel

6 de outubro de 2008

Questionamentos e Dardos ...

Estou em debito com altos blogs em respeito ao prêmio Dardos. Eu agradeço a Wally, Ibertson, Louis, O Cara da Locadora (http://ocaradalocadora.com.br/), Robson, Kaio. E a todos que entram no blog e prestigiam o meu trabalho.

É dificil, mas aqui estão os meus:

Cinefila Por Natureza
Hollywoodiano
Louis and The Real Life
Cinema Para Todos
Cine Resenhas
Cine Vita
Tudo é Critica
Portal Cine
Claquete
Espaço Lumiere
Império Cinefilo Part II
Dementia 13
Cenas de Cinema
O Cara da Locadora
O Blog do Vinicius
Caminhante Noturno


Porém o premio vai para todos nós, que propagamos as nossas ideias, visões, alegrias e tristezas pelo cinema e afins. Vocês todos são vencedores.










E sim, um questionario ... vi isso no blog Cine Resenhas, do meu coligado Alex, e decidi colocar aqui também ... Espero que gostem das respostas.

CENA MUSICAL FAVORITA EM UM FILME:
- Com certeza, a entrada de A Noviça Rebelde ... Isso sim é um musical, e não esses lixos que lançam hoje.

MAIOR SURPRESA DO VERÃO AMERICANO:
- Speed Racer, me disseram que iria ser uma bomba ... Não foi... Que bom.

O ÚLTIMO FILME QUE VI NO DVD E NO CINEMA:
DVD = Um Crime de Mestre

Cinema = Batman, O Cavaleiro das Trevas.

QUAL A PRODUÇÃO QUE VOCÊ PREFERIRIA VER O FILME PROMETIDO PELO PÔSTER DO QUE AQUELE QUE FOI REALMENTE FEITO?
- Têm muitos, mas um que tinha um pôster genial, mas é um lixo atômico foi de Ligeiramente Grávidos, onde tinha um monte de espermatozóide, muito curioso, pena que o filme é um lixo.

FILME MAIS PRETENSIOSO:
- Vôo United 93, Manipulador do inicio ao fim. Existe em muitos momentos do longa no qual parece que temos que aceitar aquela verdade maquiada ... Ainda bem que sou vacinado contra isso.

DIGA O FILME QUE MELHOR REPRESENTA VOCÊ, AQUELE QUE VOCÊ RECOMENDARIA A UM CONHECIDO E QUE DE CERTA FORMA AFIRMA PERFEITAMENTE “ESSE SOU EU”:
- Poxa, é difícil por que são tantos. Muitas vezes me via como o Jack, personagem de Edward Norton em Clube da Luta. Mas também tenho um pouco de Mike de Monstros S.A., Evan (Micheal Cera) de Superbad; Peter Bretter de Ressaca de Amor e HAL 9000 de 2001.

MELHOR GULOSEIMA PARA COMER NO CINEMA:
- Nenhuma.

ESTRELA DE CINEMA ATUAL QUE PODERIA ESTAR SITUADA PERFEITAMENTE NO “STAR SYSTEM” DA HOLLYWOOD CLÁSSICA:
- Cate Blanchett, tranquilamente ...

“FITZCARRALDO”, SIM OU NÃO?
- Ainda não vi.

VOCÊ VAI ABRIR UM CINEMA QUE VAI EXIBIR SÓ FILMES ANTIGOS OU CLÁSSICOS. QUAL O TRIO DE FILMES DA MARATONA DE ABERTURA?
- O Poderoso Chefão, 2001 e From Russia With Love

MAIS IMPRESSIONANTE “DEBUT” DE UM ATOR OU ATRIZ:
- Sean Connery em 007 Contra o Satânico Dr. NO.

MAIOR DECEPÇÃO DO VERÃO AMERICANO 2008:
- Está na ponta da língua, WALL-E. Quando pensava que a Pixar iria fazer algo extremamente inovador, apenas fez o mais do mesmo copiando coisas que nem imagina (Poxa ... Idiocracy?). Além de trazer uma mensagem (mesmo que importante e bonita) batida e um pouco fora de moda.

INDICADO 2008 PARA A ACADEMIA DOS SUPERESTIMADOS:
- Bem, pois bem, tenho um supremo que é O Orfanato, um suspense extremamente previsível, chato, onde tem apenas uma seqüência ótima de agonia, mas depois cai no marasmo e torna-se doloroso quando repete o conceito filosófico-subjetivo de O Labirinto de Fauno.

INDICADO 2008 PARA A ACADEMIA DOS SUBESTIMADOS:
- Um dos mais subestimados é com certeza The Nines. Um filme que pensamos que tem um conceito, mas a cada conferida ganha algo especial e incrível, além de ter atuações inesquecíveis do seu elenco, principalmente de Ryan Reynolds que ganhou o status de ator decente.

ANTONIONI DISSE UMA VEZ “EU COMECEI A TOMAR LIBERDADES HÁ MUITO TEMPO ATRÁS; HOJE, É PRÁTICA NORMAL PARA OS DIRETORES IGNORAREM AS REGRAS”. QUAL DIRETOR ATUAL MAIS CRIATIVAMENTE QUEBRA AS REGRAS? O QUE É QUEBRAR AS REGRAS EM 2008?
- M. Night Shyamalan. Um diretor que a cada filme que passa ele não apenas se torna um diretor simples de suspense, mas sim de sentimentos humanos. Para mim quebrar as regras nesse ano é fazer experiências, fazer longas desafiadores e principalmente, subjetividade do inicio ao fim, já que muitos filmes ainda consegue carregar muitas linguagens, mas que fica ao critério do espectador perceber.

QUAL O FILME A SER LANÇADO AINDA EM 2008 QUE VOCÊ AGUARDA MAIS ANSIOSAMENTE? POR QUÊ?
- Henry Poole is Here. Dos filmes que coloquei como meta, consegui ver dois filmes que foram The Fall e The Machine Girl e esse é um que espero com boas ansiedades e além do tema que me agrada e muito.

QUAL DIRETOR JÁ FALECIDO VOCÊ GOSTARIA DE RESSUSCITAR PARA QUE ELE PUDESSE FAZER MAIS UM FILME?
- The Master of The Universe: Stanley Kubrick

SUA PRIMEIRA “QUEDA” POR UMA ESTRELA DE CINEMA.
- Uma queda violenta que eu tenho é com certeza a Mônica Belluci, após aquela sessão de Malena no Supercine... É uma deusa em movimento, vai ser bela na pqp, e realmente, as italianas são de causar suspiros e desejo.


Abraços a todos!!!!

1 de outubro de 2008

Paranóia

Muitas vezes precisamos de um estimulo ou algo muito curioso para conseguir falar de um filme que tentas achar um por que de sua pessoa escrever. Um dos filmes mais medianos e fogo de palha do ano passado, Paranóia de DJ Caruso, sempre esbarrou em minha pessoa e nunca tinha um motivo para escrever, mas após uma decisão curiosa do Governo do Estado de Pernambuco me deu motivos suficientes para escrever sobre esse pequeno filme enfadonho e superestimado.


A história trata de Kale, um jovem meio que traumatizado com a morte do pai, que após uma desavença com um professor da escola faz com que ele seja processado judicialmente e como ele é um relativamente incapaz, a justiça decidiu que ele irá ficar em prisão domiciliar por três meses com uma tornozeleira para rastrear o menor infrator.


O tédio batendo em sua porta, Kale descobriu um novo passatempo: ficar vigiando a sua vizinhança. Vendo infidelidades, garotas bonitas e guris chatos. Mas as coisas começam a ficar estranhas com a chegada de um vizinho estranho e crimes de desaparecimento de jovens, o Kale começa desconfiar que seu vizinho seja um serial killer? Fica a duvida para Kale se ele é realmente um serial killer ou apenas uma paranóia.


Pois bem, aconteceram dois fatos muito interessantes que me fez lembrar desse filme mediano. O primeiro foi que o Estado de Pernambuco está querendo implantar o sistema de tornozeleiras nos presos da região. Os primeiros agraciados foram da Penitenciaria Agroindustrial e a Colônia Penal do Bom Pastor (Colônia Feminina). O primeiro estado do país a implantar isso foi a vizinha Paraíba. Seria ótimo o sistema implantado na região, mas alguns acham que com essa marcação que a tornozeleira carrega, pode criar uma onda de preconceito e de exclusão social e ganha dificuldade de reabilitação do preso a sociedade. Em compensação poderia ajudar em alguns casos de fuga de presos durante os feriados prolongados, já que todo ano, alguns conseguem a concessão, porém torna um meio mais fácil de escapar da penitenciaria, mas com esse sistema, tanto o Estado quanto o sistema penitenciário estariam mais aliviados enquanto a isso.


O segundo é do uso da algema, onde cada dia cresce mais o debate de como pode ser utilizado a algema. A algema é utilizada quando o suspeito resistir à prisão e causar perigo a todos que estão ao redor. O problema ressurgiu com as prisões de poderosos da política de nosso país e questionada o porquê da truculência da força policial. No longa também mostra a truculência quando o personagem principal durante os meados do filme sai do circulo permitido da tornozeleira. Além disso, é muito difícil saber o momento psicológico do suspeito quando recebe a voz de prisão. Não vejo problema no uso, mas também a força policial saber se portar muitas vezes no caso, poderia não ocorrer “constrangimentos”.


Voltando ao filme, muitos reclamam do filme ser igual a Janela Indiscreta. Mesmo com uma critica sutil e quase imperceptível sobre a crescente paranóia da sociedade pós 11 de setembro, o filme não fugiu do estigma do filme de Hitchcock e ainda pior, o filme recebeu um processo dizendo que existiu plágio declarado do filme de 1954. o processo foi aberto pelo espólio do produtor Sheldon Abend, detentor do conto que inspirou Janela Indiscreta, que acusa o pessoal de Paranóia de não ter pegado a autorização judicial para o uso do conto. Claro que o pessoal da Paramount (a conglomerada que comprou a Dreamworks tempos atrás) não prestou muito atenção sobre isso.


A direção de DJ Caruso é em muitos momentos questionável, por que mesmo com uma arrastada e gradual direção até começar o bem bom, o longa parece aqueles filmes teens de puro engodo até começar algo que consegue prender o espectador comum e consegue esse fato. O filme conseguiu ser um sucesso instantâneo para o principal, o requisitado Shia LeBeouf, no qual tanto nesse filme quanto no novo Controle Absoluto, provar uma coisa: Filme de suspense não é a área dele, e ainda o mais curioso é do mesmo diretor de Paranóia. E quem realmente segura as pontas é o ator David Morse, que faz o vizinho suspeito.


Paranóia é um suspense batido, previsível, enfadonho, superestimado e falho. Mas com esses fatos judiciais, faz com que o filme seja assistivel para questionar se pode implantar o sistema nas penitenciarias estaduais e de segurança máxima. Provavelmente vai ser mais um clássico popular entre os leigos e o espectador comum, mas para os fãs de horror, a fita é a prova mais chata de perceber que algo está errado com o gênero dentro de Hollywood.


Ficha Tecnica

Paranóia (Disturbia)

Direção: DJ Caruso

Elenco: Shia LeBeouf, David Morse, Sarah Roemer, Aaron Yoo e Carrie Ann Moss

Gênero: Suspense

Cotação - 49% - Filme Mais ou Menos


Link sobre o uso de tornolezeira no Estado de Pernambuco - AQUI