A Comédia E Seus Contrastes: Judd Apatow e John C. Reilly

Todo ano tem sempre aquele que se destaca em algum ramo. Esse ano foi fundamental para compreender uma coisa: as parodias pré-fabricadas e alguns atores que já perderam a graça não são o tom da vez. Esse ano, o sucesso da comedia está em dois nomes, em um produtor e um ator: Judd Apatow e John C. Reilly. Alguns projetos deles dois nesse ano foram praticamente os destaques de 2008. Judd produzindo Ressaca de Amor: Esquecendo Sarah Marshall e A Vida é Dura e John C. Reilly protagonizando A Vida é Dura, A Promoção e o ápice do riso, Quase Irmãos.

Judd Apatow não é um diretor maravilhoso, Ligeiramente Grávidos é a prova concreta disso. Mas ele por trás, produzindo algumas comédias é praticamente um midas: tocou, virou ouro. Esse ano praticamente o que ele produziu caiu nas graças da critica mas por incrível que pareça, parece que esse potencial ainda não foi descoberto aqui na nossa terrinha.

Em Ressaca de Amor, ele produz um romance que começa com um fim. O filme conta a história de Peter Bretter (Jason Segel) que tinha tudo perfeito ao seu redor, principalmente por estar com a bela Sarah Marshall (Kristen Bell) mas tudo vira um pesadelo quando ela rompe com ele. Após de um tempo em lagrimas, ele aceita ajuda de seu meio irmão Brian (Bill Hader) para ir ao Havaí, mas ele descobre que no mesmo hotel que ele vai se hospedar, descobre que seu ex-amor está junto com o roqueiro bizarro Aldous Snow (Russell Brand).

O roteiro de Jason Segel trata de um jeito hilário um ponto de vista que é difícil ver em um filme romântico, no qual é o sofrimento do homem após a quebra do relacionamento. Além de ter ótimas piadas e situações, o maior destaque foi a cena constrangedora do rompimento. Além disso, todos no elenco estão extremamente afiados dando destaque a Russell Brand que praticamente rouba o filme a cada momento, principalmente quando ele canta umas das melhores musicas do ano “Inside of You” e se você ficar cantarolando no final do filme, não é impressão sua.

O grande diferencial desse filme não é tão clichê e nem superficial. O filme é um romance gostoso de se assistir mesmo com o gosto libidinoso inflamado em algumas cenas. Mas pelo menos o gosto de doçura está longe de matar uma pessoa de diabete com tanta glicose, tem pimenta suficiente para deixar o espectador louco para rever novamente. O melhor filme romântico do ano com folgas e tranqüilidade.

Judd Apatow produziu um filme de parodia, mas a ultima coisa que esse longa consegue é ser tão pastiche em comparação a trupe que faz atrocidades como Os Espartalhões, e qualquer porcaria que termina em Movie. A Vida é Dura: A História de Dewey Cox conta a história fictícia de Dewey Cox, um cantor que marcou a história da musica americana, onde cada single lançado era sucesso absoluto.

O roteiro de Judd Apatow e Jake Kasadan mesmo lembrando muitas biografias lançadas como Walk The Line e Ray, ele segue uma sistemática padrão no qual é mostrar o inicio, as glórias, os vícios, o declínio e a consagração total do artista. Também o filme satiriza os encontros de Dewey com Elvis Presley, Buddy Holly e The Beatles. Mas o grande destaque está em vários diálogos memoráveis e engraçados.

John C. Reilly está praticamente impagável como Dewey Cox, em alguns momentos o filme consegue fazer acreditar que ele é uma pessoa real. Ele consegue trazer seriedade e fazer rir em muitas cenas, trazendo um toque único a ele. Merecido a indicação ao Globo de Ouro como melhor ator de comedia. Além disso, não pode esquecer a participação hilária do cantor Jack White como Elvis Presley com um sotaque bizarro e muito divertido.

O único ponto negativo é o dvd nacional, no qual a curta duração do filme corta todo o prazer dele no qual ele não só apenas encarna como uma simples parodia, mas sim uma jornada curiosa que nos lembra qualquer cantor, no qual a importância é marcar a vida de todos, mesmo com uma canção. Uma surpresa esse ano, um musical decente e com um final surpreendente emocionante. Procurem a edição estendida.

Nesses dois filmes de Apatow são visíveis algumas características como chamar os coligados de alguns filmes como Paul Rudd, Jonah “tomelirolla” Hill, Bill Hader e entre outros; O balanceamento entre sensibilidade com o escracho rasgado e chamar pessoas competentes para os seus filmes. Porém Judd Apatow tem ao seu lado um dos grandes atores de Hollywood no qual é John C. Reilly que esse ano está impagável.

Em um outro filme, de cunho independente, John C. Reilly divide a tela com Seann Willian Scott em A Promoção. O filme é dirigido pelo mesmo roteirista de A Procura da Felicidade, Steve Conrad e têm ainda no elenco Jenna Fischer (que também contracenou com Reilly em A Vida É Dura) e Lili Taylor. Estreou em poucos cinemas nos EUA, chegando rápido ao mercado de DVD e ninguém sabe se o filme poderá chegar aqui no Brasil.

O roteiro de Steve Conrad foca muito uma situação por um lado, constrangedor e por outro comum, no qual é a luta desleal eticamente por um cargo maior na empresa. Mesmo sendo comedia, ele não quer fazer piadas para fazer rir o espectador, mas sim que o espectador reflita em situações bem humoradas a dificuldade no mercado de trabalho. Além disso, o filme tem umas das melhores atuações de Seann Willian Scott e John C. Reilly dando suporte fazem com os personagens deles sejam daqueles que não conseguimos ter uma parcialidade e torcer para que os dois se dêem bem.

A Promoção é uma comedia ética que preza o humor criado no mercado de trabalho e trata de uma maneira simples e criativa. O filme prova que muitas vezes o mais engraçado nunca será em uma piada contada, mas sim na articulação de uma situação que se aproxima no mundo do espectador que já passou por uma situação de rivalidade no trabalho. Não é a melhor comedia, mais vale uma conferida.

Mas o show de Reilly está junto com seu parceiro Will Farrell retomando a química incrível em Ricky Bobby em Quase Irmãos. A história é um pastiche só: dois quarentões praticamente irresponsáveis têm que se aturar como meio-irmãos por causa do casamento de seus respectivos pais. Mas as vagabundagens dos dois ameaçam o matrimonio de seus pais e eles tentam bolar um plano para salvar o casamento deles.

A história foi escrita tanto por Farrell quanto Reilly e fala de uma maneira bem humorada a situação que na realidade é muito chata, no qual é o segundo casamento dos primogênitos, eles exploram no filme situações que constrangem tanto o padrasto quanto a madrasta. Mas nesse meio termo aparecem situações hilárias inesquecíveis que ao ficar na cabeça do espectador por um longo tempo principalmente a seqüência da bateria.

As atuações dos dois atores são uma das coisas mais fantásticas do filme, parecem mesmo que eles são irmãos. A química deles se fortalece muito mais nesse filme do que Ricky Bobby, eles conseguem fazer improviso na maioria das cenas no quais contracenam dando um brilho único ao filme. Não pode esquecer também da participação hilária de Seth Rogen como um atendente de loja.

Um filme genuinamente engraçado, uma nova jóia da comedia americana. Uma prova que um time que se ganha não se mexe e assim entregando ao publico um conto diferente de responsabilidade e amor a família, no qual, o mais importante é que exista a harmonia entre ambos. A melhor comédia do ano com folgas e tranquiliade. É mais uma vez Judd Apatow e sua trupe mostrando que bons ventos estão batendo na porta do espectador que não quer só rir, mas sim tirar bons frutos dessa colheita maravilhosa.

Com certeza o ano de 2008 pertence a eles. Se a comedia continuar assim, com pessoas competentes e talentosas por trás e principalmente atuando. Podemos ter certeza que teremos risos garantidos por um longo tempo. Mas infelizmente teremos comedias sem graças de Eddie Murphy, dos acéfalos de As Branquelas e o que se dizem comediantes e criadores de parodias infames que terminam em Movie ainda irão reinar nos cinemas. Mas se verem “Da mesma trupe de Superbad ou Ressaca de Amor” podem ter a certeza, é garantia de risos.

Fichas Tecnicas

Ressaca de Amor - Esquecendo Sarah Marshall (Forgetting Sarah Marshall)
Diretor: Nicholas Stoller
Elenco: Kristen Bell, Jason Segel, Russell Brand, Mila Kunis, Bill Hader, Liz Cacckowski, Jonah Hill, Paul Rudd, Jason Bateman e Billy Baldwin
Gênero: Romance/Comédia
Cotação: 85% - Filme Indispensável











A Vida é Dura - A História de Dewey Cox (Walk Hard - The Dewey Cox History)
Diretor: Jake Kasadan
Elenco: John C. Reilly, Jenna Fischer, Kristen Wiig, Tim Meadows, Raymond J Barry. Participações Especiais de: Eddie Vedder, Jewel, Jack White, Paul Rudd, Jack Black, Jason Schwartzman, Justin Long, Jane Lynch e Jonah Hill.
Gênero: Comédia/Drama/Musical
Cotação: 75% - Filme Indispensável
PS: Baseado na versão completa do filme (120 minutos) e não da versão nacional (95 minutos)









A Promoção (The Promotion)
Diretor: Steve Conrad
Elenco: Seann Willian Scott, John C. Reilly, Jenna Fischer, Lili Taylor, Fred Armisen e Jason Bateman.
Gênero: Comédia/Drama
Cotação: 65% - Filme Assistivel













Quase Irmãos (Step Brothers)
Direção: Adam McKay
Elenco: Will Farrell, John C. Reilly, Mary Steenburgen, Richard Jenkins, Adam Scott, Kathryn Hahn, Andrea Savage e Seth Rogen
Gênero: Comédia
Cotação: 86% - Filme Indispensável

Comentários

  1. Nao sei o que aconteceu, mas nao me venderam o dvd de Ressaca de Amor. E eu ja havia esquecido desse filme completamente. Vou procura-lo, fã absoluto de Apatow que sou. Nao vamos esquecer do chapa Seth Rogen que, junto com Apatow, faz parte de uma trupe que trouxe algumas das melhores comedias americanas da atualidade (pq nao vamos esquecer Ben Stiller e esse genial Trovao Tropical): O Virgem de Quarenta Anos, Superbad e Segurando as Pontas.

    Agora, nao consigo me interessar por comedias com John C. Reilly e Will Ferrel. Ha um preconceito que eu nao sei de onde vem, mas que preciso superar pra encarar filmes como O Ancora, Ricky Bobby e esses Dewey Cox e Step brothers. Um dia, quem sabe...

    Abraços!

    ResponderExcluir
  2. Pô João, excelente texto! Você já tinha me dito o quanto gostou desta fita mas, agora, entendi direitinho o por que deve ser excelente. Vou procurar o mais rápido possível!!!

    Abraços.

    ResponderExcluir
  3. João, você sabe que gosto muito do Judd Apatow, mas odiei o "A Vida é Dura". O filme vale mesmo pelo John C. Reilly. O interessante é que ele se encontrou nestes filmes de comédia, já que tem feito mais trabalhos nesse gênero que em outros.

    Você só esqueceu de dizer que, em "Quase Irmãos", Reilly e Farrell se reúnem novamente com o Adam McKay. Uma curiosidade sobre o Adam: ele foi roteirista chefe do SNL, aonde conheceu o Ferrell, e foi ele quem trouxe a Tina Fey de Chicago para trabalhar no programa. Ou seja, o cara tem faro para o que é bom! :-)

    ResponderExcluir
  4. Hélio - Quando tiveres tempo e disposição veja ... divirta-se um pouco

    Kau - Quem enfrenta a situação vai se identificar de um jeito curioso ... e já tó quase decorando as falas (eheheheh)

    Milla - Dê uma chance ao filme, eu ficaria revoltado em saber que um filme que tinha um potencial teve praticamente 1/4 de cortes comparado ao projeto original ...
    E essas informações de McKay não sabia, bom saber ... é enriquecimento de material ...

    Abraços a todos!

    ResponderExcluir
  5. Apesar dos pesares não consigo, de maneira alguma, gostar ou me atrair por comédias... sejam quais forem!

    ResponderExcluir
  6. Um pouco diferente do Robson, as comédias me atraem, mas acontece que acompanho pouco, por gostar mais de outros gêneros. Esse texto mais me serviu como uma aula do que há de bom no gênero hoje. Já tenho "Ressaca de Amor" só falta ver.
    Obrigado e Abraços!

    ResponderExcluir
  7. Cara, adorei teu texto!
    E estou louco pra ver STEP BROTHERS. Deve ser bobagem da grossa! E estou indo agora ver THE PINEAPPLE EXPRESS numa pré da SET.

    Abs!

    ResponderExcluir
  8. Vc pode incluir como coadjuvantes engraçadíssimos nas produções de Apatow figuras como Jonah Hill e Bill Hader, além do parceiro Seth Rogen e de Justin Long. Sem dúvida é o que de mais engraçado está sendo feito em termos de comédia, que por sinal precisava de caras novas.

    Abraço

    ResponderExcluir
  9. Cansei do Judd Apatow amigo! Mas achei Ressaca de Amor bacana!

    Abraço!

    ResponderExcluir
  10. Ótimo post! Destes, vi apenas o bom e divertido "A Vida é Dura" e quero MUITO ver "Ressaca do Amor". Reilly e Apatow são dois achados cômicos.

    Ciao!

    ResponderExcluir
  11. Ressaca de Amor é um dos melhores filmes de comédia do ano, sem dúvida.
    Completamente esquecido aqui no Brasil, uma pena. Merece ser visto e possui várias gags impagáveis.
    Não vi A vida é dura, nem The Promotion, nem Quase Irmãos, mas parecem ser altamente divertidos. John C. Reilly parece que investiu mesmo no ramo da comédia. Will Ferrell é foda, juntamente com ele então, deve ser hilário. Gostei do trailer de Quase irmãos.

    ResponderExcluir
  12. E gosto muito dos filmes do Apatow,seja produzindo ou dirigindo.

    ResponderExcluir
  13. Não sou um dos maiores fãs do John C. Reilly, mas adoro o cinema do Judd Apatow. Desses protagonizados por ele, fiquei mais curioso por "The Promotion". De todos, o que mais quero ver é "Ressaca de Amor".

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas