Paranóia

Muitas vezes precisamos de um estimulo ou algo muito curioso para conseguir falar de um filme que tentas achar um por que de sua pessoa escrever. Um dos filmes mais medianos e fogo de palha do ano passado, Paranóia de DJ Caruso, sempre esbarrou em minha pessoa e nunca tinha um motivo para escrever, mas após uma decisão curiosa do Governo do Estado de Pernambuco me deu motivos suficientes para escrever sobre esse pequeno filme enfadonho e superestimado.


A história trata de Kale, um jovem meio que traumatizado com a morte do pai, que após uma desavença com um professor da escola faz com que ele seja processado judicialmente e como ele é um relativamente incapaz, a justiça decidiu que ele irá ficar em prisão domiciliar por três meses com uma tornozeleira para rastrear o menor infrator.


O tédio batendo em sua porta, Kale descobriu um novo passatempo: ficar vigiando a sua vizinhança. Vendo infidelidades, garotas bonitas e guris chatos. Mas as coisas começam a ficar estranhas com a chegada de um vizinho estranho e crimes de desaparecimento de jovens, o Kale começa desconfiar que seu vizinho seja um serial killer? Fica a duvida para Kale se ele é realmente um serial killer ou apenas uma paranóia.


Pois bem, aconteceram dois fatos muito interessantes que me fez lembrar desse filme mediano. O primeiro foi que o Estado de Pernambuco está querendo implantar o sistema de tornozeleiras nos presos da região. Os primeiros agraciados foram da Penitenciaria Agroindustrial e a Colônia Penal do Bom Pastor (Colônia Feminina). O primeiro estado do país a implantar isso foi a vizinha Paraíba. Seria ótimo o sistema implantado na região, mas alguns acham que com essa marcação que a tornozeleira carrega, pode criar uma onda de preconceito e de exclusão social e ganha dificuldade de reabilitação do preso a sociedade. Em compensação poderia ajudar em alguns casos de fuga de presos durante os feriados prolongados, já que todo ano, alguns conseguem a concessão, porém torna um meio mais fácil de escapar da penitenciaria, mas com esse sistema, tanto o Estado quanto o sistema penitenciário estariam mais aliviados enquanto a isso.


O segundo é do uso da algema, onde cada dia cresce mais o debate de como pode ser utilizado a algema. A algema é utilizada quando o suspeito resistir à prisão e causar perigo a todos que estão ao redor. O problema ressurgiu com as prisões de poderosos da política de nosso país e questionada o porquê da truculência da força policial. No longa também mostra a truculência quando o personagem principal durante os meados do filme sai do circulo permitido da tornozeleira. Além disso, é muito difícil saber o momento psicológico do suspeito quando recebe a voz de prisão. Não vejo problema no uso, mas também a força policial saber se portar muitas vezes no caso, poderia não ocorrer “constrangimentos”.


Voltando ao filme, muitos reclamam do filme ser igual a Janela Indiscreta. Mesmo com uma critica sutil e quase imperceptível sobre a crescente paranóia da sociedade pós 11 de setembro, o filme não fugiu do estigma do filme de Hitchcock e ainda pior, o filme recebeu um processo dizendo que existiu plágio declarado do filme de 1954. o processo foi aberto pelo espólio do produtor Sheldon Abend, detentor do conto que inspirou Janela Indiscreta, que acusa o pessoal de Paranóia de não ter pegado a autorização judicial para o uso do conto. Claro que o pessoal da Paramount (a conglomerada que comprou a Dreamworks tempos atrás) não prestou muito atenção sobre isso.


A direção de DJ Caruso é em muitos momentos questionável, por que mesmo com uma arrastada e gradual direção até começar o bem bom, o longa parece aqueles filmes teens de puro engodo até começar algo que consegue prender o espectador comum e consegue esse fato. O filme conseguiu ser um sucesso instantâneo para o principal, o requisitado Shia LeBeouf, no qual tanto nesse filme quanto no novo Controle Absoluto, provar uma coisa: Filme de suspense não é a área dele, e ainda o mais curioso é do mesmo diretor de Paranóia. E quem realmente segura as pontas é o ator David Morse, que faz o vizinho suspeito.


Paranóia é um suspense batido, previsível, enfadonho, superestimado e falho. Mas com esses fatos judiciais, faz com que o filme seja assistivel para questionar se pode implantar o sistema nas penitenciarias estaduais e de segurança máxima. Provavelmente vai ser mais um clássico popular entre os leigos e o espectador comum, mas para os fãs de horror, a fita é a prova mais chata de perceber que algo está errado com o gênero dentro de Hollywood.


Ficha Tecnica

Paranóia (Disturbia)

Direção: DJ Caruso

Elenco: Shia LeBeouf, David Morse, Sarah Roemer, Aaron Yoo e Carrie Ann Moss

Gênero: Suspense

Cotação - 49% - Filme Mais ou Menos


Link sobre o uso de tornolezeira no Estado de Pernambuco - AQUI


Comentários

  1. Eu achei esse filme um erro! Fiquei irritada no começo e cansada no final...

    Beijocas

    ResponderExcluir
  2. Eu acho que "Paranóia" pode ter se inspirado em "Janela Indiscreta", mas o filme tem muito pouco a ver com a história do clássico de Hitchcock. Da parceria D.J. Caruso e Shia LaBeouf acho que este "Controle Absoluto" é bem melhor!

    ResponderExcluir
  3. Não assisti ao filme, mas concordo quando você elogia David Morse, apesar de não poder analisar ele por este filme, gosto do trabalho dele em outras produções.
    Ele foi bem até no finado seriado "Hack" sobre um ex-policial corrupto.

    Abraço

    ResponderExcluir
  4. "Paranóia" não é um grande filme mesmo. Na verdade esperava algo ao menos divertido quando o vi, mas é tão bobinho em algumas passagens que o resultado foi um pouco decepcionante para mim. Sem falar que o Shia LaBeouf tá em tudo que é filme, já estou enjoando da cara dele...

    ResponderExcluir
  5. Não tenho muita vontade de ver esse filme nãão...

    ResponderExcluir
  6. Não achei o filme tão dispensável, mas é claro que deve em muitos pontos. O clímax, por exemplo, só é satisfatório no final, e mesmo assim de maneira previsível. E também que acho David Morse deveria ser mais aproveitado.

    ResponderExcluir
  7. Eu num tava afim de ver até que uns amigos quiseram ver e eu fui na onda, no inicio pensei que ia ser uma porcaria, depois até que deu um medinho... Mas nada demais...

    ResponderExcluir
  8. Diversão fast food... funciona na hora pra zerar o cérebro, mas é totalmente esquecível.

    Aliás, adorei o post abaixo!

    Abs!

    ResponderExcluir
  9. O roteiro é fraquinho mas, a execução achei muito boa. E LaBeouf é um ator muito bom.

    Ciao!

    ResponderExcluir
  10. Não vi, mas sabe que quando eu vi o trailer eu pensei: "Ui, deve ser bonzinho"? Se pegar passando algum dia na TV, paro pra ver!

    Abraço, friendo!

    ResponderExcluir
  11. Assim como o Wally, acho o roteiro precário. Talvez, por ser um filme nitidamente para os jovens. O que há de bom mesmo é a constante que cria um clima, querendo ou não.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  12. Achei “Paranóia” uma chatisse! E tão irregular que nem dá para usá-lo como amostra do caso ocorrido em Pernambuco, JP. Rs.

    ResponderExcluir
  13. Eu ainda não vi, mas só de pegar o mote do filme Janela Indiscreta já faz dele uma avacalhação. Não é à toa que o Spielberg está sendo processado por plágio! Vi controle absoluto recentemente (com o mesmo diretor e protagonista) e achei tão inverrosímel que não dá sequer pra afirmar se é bom ou ruim. Coloco-o na mesma categoria de O Procurado, com James McAvoy e Angelina Jolie.

    Mídia? Cultura? Acesse:
    http://robertoqueiroz.wordpress.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas