Remake, My Sassy Girl e outras coisas ...

Hoje o fato mais delicado a se tratar entre o meio cinéfilo é só apenas uma palavra: Remake. Uns tem motivos para terem ojeriza, outros ainda relevam muitas questões. Mas todos concordam que praticamente a fonte de originalidade em Hollywood está ficando assombrosa. De chegar a tal ponto em que se questiona qualquer tipo de filme e a ouvir colocações errôneas e equivocadas.

Justiça seja feita. Existem muitos filmes que não precisavam de remakes. Parece que Hollywood está presa a um circulo vicioso e deteriorante no qual se fica apreensivo no que investir: Ou numa continuação que deu muito dinheiro? Ou numa adaptação de um gibi ou um livro infantil? Ou nos remakes de qualidade inferior? Bem, nas duas primeiras opções tudo vai indo bem, muito obrigado. Mas em relação ao ultimo questionamento, as coisas vão de mal... a pior.

Por exemplo, essa semana eu assisti o remake americano de My Sassy Girl, filme coreano romântico que conta a história de um jovem que ajuda uma linda garota, porém a menina tem alguns comportamentos estranhos, porém o jovem de invés de se afastar para não ter problema se apaixona perdidamente por ela. O filme original consegue balancear em sua deliciosa história romântica misturando elementos hilários, fantasiosos e dramáticos.

Pois bem, o remake americano conta no elenco Jesse Bradford e Elisha Cuthbert como o casal protagonista da história; a direção ficou Yann Samuell, segundo filme do diretor francês. Pelo menos os produtores do filme original também produziram o filme e a empresa original também, repetindo a mesma jogada que o filme Os Infiltrados fizeram. A Media Ásia Films também produziu o remake de Infernal Affairs.

Pois bem, por falta de oportunidade não consegui ver o original, porém o remake analisando friamente consegue ser ágil em muitos momentos graças a um roteiro até um pouco fora do convencional para quem acompanha filmes românticos. A direção de Yann Samuell pode ter sido o diferencial para que o espectador fique preso e acompanhe a saga do casal. Porém o problema fica na química fraca entre os protagonistas e mesmo com a melhor atuação da atriz-nula de Elisha Cuthbert, não conseguem empolgar como casal, mas a magia da história consegue fazer esquecer que eles dois estão em telas ajudando assim os espectadores a serem protagonistas.

Um filme água com açúcar diferente que consegue ter um objetivo, cativar um espectador comum que está mais preocupado em ver uma história de amor um pouco diferente do convencional. Não sei se os fãs do original podem ter gostado, porém se eles queriam fazer a mesma estratégia de Os Infiltrados, mas existe uma diferença:Os Infiltrados é ótimo, já My Sassy Girl americano nem tanto. Mas dá para assistir numa boa.

Porém ainda teremos esse ano o filme de horror Espelhos do Medo, remake do coreano Into The Mirror (filme já comentado aqui no blog). Estrelado pelo Jack Bauer e dirigido por Alexandre Aja. Pois bem, já pelo trailer do filme percebe-se a o intuito de chocar e ao mesmo tempo tentar contar uma história de horror que envolve a magia do mundo dos reflexos.


Assim, junto com Imagens do Além, The Eye e Uma Chamada Perdida, o filme de Aja caiu no fracasso merecido nos Estados Unidos e ainda tiveram várias criticas negativas, praticamente se tornou um novo fracasso da Fox que esse ano está amargando fracasso após fracasso, e os exemplos são O Grande Dave e Arquivo X 2. Além disso, por causa do nome de Alexandre Aja ainda poderá ter alguma possibilidade de chegar aos cinemas nacionais por causa do fraco movimento cinematográfico que fica em meados de agosto e se estende até final de outubro.

Não se sabe se Hollywood vai se curar desse mal. Não se sabe que podemos ter surpresas em meio disso. Porém o que deve ser feito é tentar criar um nome no mercado no quais todos se lembrem do trabalho realizado, do que pode tirar de proveito e tentar em seus próximos trabalhos marcar todos com seu estilo. Pena que muitos diretores não estão conseguindo fazer isso e trilham o caminho inverso. Agora é só esperar que daqui em diante apareçam boas idéias. E se vier no lado que suja a imagem de Hollywood, que pelo menos o filme seja bom...


Cotação para My Sassy Girl - 51% - Filme Assistivel

Comentários

  1. Achei bonitinha a história de "My Sassy Girl" e legal que o filme é, pelo menos, assistível. Agora, a premissa é bem diferente - isso se formos compará-la com a de outros filmes coreanos.

    ResponderExcluir
  2. Hollywood vai mal das pernas há muito tempo, embora de vez em quando apareça um filme que presta. Mas pra que ficar se importando com essa porcaria se o cinema americano vai muito além de Hollywood e guarda diretores criativos no cinema independente?

    ResponderExcluir
  3. Coitada da Elisha Cuthbert, de um tempo para cá só se mete em porcaria, basta ver seus últimos projetos. Mas até que tenho um certo interesse nesse "My Sassy Girl". Já "Mirrors" pode até ser interessante, mas foi mais um fracasso cinematográfico do Kiefer Sutherland. Abraço!

    ResponderExcluir
  4. 51%! Tá na média. Dá pra conferir. Bonitinha a guria...

    Abraço!!!

    ResponderExcluir
  5. Os filmes soam interessantes, mas não vou esperar muito deles...

    Ciao!

    ResponderExcluir
  6. Originalidade é artigo raro em Hollywood.
    O lema é: assita aos originais.

    ResponderExcluir
  7. e aííí Jp !

    Nossa senhora..
    assisti o "MY SASSY GIRL" e me decepcionei, tiveram horas que mais tive vontade de párar a reprodução do filme e terminar outro dia, mas me segurei na poltrona e fui com tudo. Meio chatinho e descontente, ainda mais por acabar tudo bem, se é q não estou enganado.


    Agora quanto á Mirrors, estou louco, doido, pirado para ver !
    Abraçoo..
    ótimo texto.

    ResponderExcluir
  8. Junior: É aquela coisa, não esperava nada e tinha até pensado que o projeto tinha sido abandonado ... tive a oportunidade de ver o remake, até que funciona mas não em todos claro.

    Gustavo: Você consegue achar coisas originais em Hollywood, a questão é saber se o aterfato original é bom ou não.

    Pedro - Até que dá viu ... Realmente a Elisha é gata, só falta provar que tem talento ...

    Vinicius - Acredite, o menor dos problema não é o Kiefer mas sim a saturação dos remakes de qualidades duvidosas fazendo que o unico que se sobressaiu da carcaça foi o remake de Violencia Gratuita ...

    Ronald - Mesmo com o declinio de qualidade, muitas vezes conseguimos ser surpreendidos ... porém agora é ter outros focos e visões de cinema

    Wally - Esperando nada é que podemos ter algum resultado ... porem de Into The Mirror ... procure ver o original ...

    Milla - É por que o foco do cinema coreano é três estilos: drama/horror/ação ... algumas vezes é bom ver exemplares curiosos ... My Sassy Girl é um deles ...


    Abraços a todos!

    ResponderExcluir
  9. o filme coreano original é muito melhor que este remake, vale a pena assistir

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas