Mar Adentro

Momentos bruscos surgem na vida de todos, e o que aconteceu com Ramón Sampedro (Javier Barden, Onde Os Fracos Não Têm Vez) foi mais grave do que se imagina. Um homem sonhador, aventureiro, rodou o mundo e tem uma declaração de amor pelo mar. Entretanto foi este mesmo mar que quase lhe tirou a vida. Durante um simples mergulho, ele bateu com a cabeça na areia deslocando o pescoço, mas que não lhe tirou a vida, mas deixou tetraplégico.

A sua vida durante 30 anos foi de pura dependência de sua família. Para não ser um fardo para sua família, ele decide recorrer à eutanásia, junto com uma ONG que trabalha em liberdade de uma morte digna. E enquanto esse momento não chega, ele inventou aparelhos que facilitam a vida dele assim incentivando a escrever poemas sobre a morte e tudo mais.

Porém o antagonismo da vida e morte para Ramón aparece na figura de duas mulheres distintas. Uma é Julia (Belén Rueda, O Orfanato) e a outra é Rosa (Lola Dueñas, Volver). Julia é uma advogada que está empenhada a levar até as ultimas conseqüências o ato de Ramón, porém esconde um segredo que faz com que seja o principal motivo dele escolher a advogada. Rosa é uma mulher que se emocionou vendo uma reportagem sobre o desejo da morte de Ramón assim tentando incentivar ele o prolongamento da vida mas como um paradoxo, ela não vive uma vida feliz, é uma pessoa visivelmente frustrada e que vê em Ramón um sopro de vida. Mas para Ramón Sampedro, o mais importante e o verdadeiro amor não é daquela que irá ficar com ele, mas daquela que irá ajudar a pessoa dele chegar ao final da vida.

Alejandro Amenábar (Os Outros, Preso na Escuridão) junto com Mateo Gil, contam a história real de Ramón Sampedro no filme Mar Adentro. É o segundo filme que trata a história de Ramón, já que o primeiro foi um filme espanhol para televisão chamado Condenado a Vivir de 2001. O filme foi ganhador de Oscar de Melhor Filme Estrangeiro e participou de festivais importantes.

O foco jurídico do filme está transposto em sua própria história: A eutanásia. Palavra originária do grego: eu = a boa e thanatus, que dá o sentido de “morte piedosa,boa”. Consiste em minorar os sofrimentos de uma pessoa doente, de prognostico fatal ou estado de coma irreversível, sem possibilidade de sobrevivência, apressando-lhe a morte ou proporcionando-lhe os meios para o conseguir. O mesmo que homicídio piedoso ou por compaixão, morte benéfica.

A Comissão de Reforma do Código Penal manteve, no projeto, a proibição legal dessa pratica, mas enquadrando-a como eutanásia e não mais como homicídio com pena menor. O legislador aborda o ângulo da ortotanásia (morte por interrupção do tratamento, por ser inútil ante o quadro clinico irreversível), e da distanásia (prolongamento do momento da morte por meios reanimatórios). Algumas correntes aprovam a ortotanásia porém ainda o conceito de vida e de bem estar do homem está em primeiro lugar.

No roteiro de Mateo e Alejandro reforçam as contradições da eutanásia e do código de ética no pressuposto do bem estar do paciente no que se diz a respeito ao bem estar. Durante em algumas seqüências, mesmo com o ótimo tratamento da família, a vergonha de ser dependente depois de uma idade, se torna um peso insuportável e que piorava com a situação dele.

Antes, pode até se dizer que a eutanásia era justo para o caso dele antes de 2004, porém com os avanços da engenharia genética, pode ser possível voltar a andar. Neste últimos anos, as pesquisas com células tronco dão suporte necessário para que pessoas que sofrem de paralisia, paraplégicos e tetraplégicos tenham ou voltem a sentir o mexer dos dedos, ou como Ramon, sentir novamente a sensação do bater das ondas em seus pés com a inalação da vida.

Se o publico aceitou a morte do personagem, não se pode se dizer mas que a jornada de Ramon consegue ter mais vida do que a morte. Ele conseguiu despertar dentro de quem os rodeiam que a morte não é o fim, porém é uma etapa que existe no ciclo da vida onde se termina uma era e recomeça uma nova etapa, apesar de desconhecida, porém mágica e única.

Assim termina-se esta resenha critica com as palavras finais do personagem Ramón:

Senhores juizes, autoridades políticas e religiosas. O que significa a dignidade para os senhores? Seja qual foi à resposta de suas consciências, sabia que para mim, isso não é viver dignamente. Teria gostado ao menos de poder morrer dignamente. Hoje, cansado da inércia das instituições me vejo obrigado a fazer nas escondidas como um criminoso. Os senhores devem saber que o processo que me conduzirá a morte foi escrupulosamente calculado em pequenas ações que não consiste crime por si sós foram levadas a cabo por diferentes mãos amigas. Se ainda assim, o Estado insistir em punir os meus colaboradores, sugiro que cortem as mãos deles pois foi essa a colaboração de todos deles. A cabeça, quer dizer, a consciência, foi minha. (...) Considero que viver é um direito e não uma obrigação que foi o meu caso. Obrigado a suportar esta penosa situação durante 28 anos, quatro meses e poucos dias. Passado esse tempo, avalio o caminho percorrido e não encontrei a felicidade. Só o tempo que correu contra a minha vontade durante quase toda minha vida, será a partir de agora, o meu aliado. Só com o tempo e a evolução das conseqüências decidirão algum dia se minha petição fosse razoável ou não.

Um filme único e especial. Recomendado

Mar adentro... Mar adentro e na leveza do fundo, onde se realizam os sonhos se juntam duas vontades para realizar um desejo. Seu olhar e meu olhar como um eco repetindo, sem palavras. Mais adentro... Mais adentro. Até mais além de tudo pelo sangue e pelos ossos. Mas acordo sempre, e sempre quero está morto para continuar com minha boca enredada em seus cabelos...

Ficha Tecnica
Mar Adentro (Sea Inside)
Diretor: Alejandro Amenábar
Elenco: Javier Barden, Belén Rueda, Lola Dueñas, Mabel Rivera, Celso Bubalo, Clara Segura e José Maria Pou
Gênero: Drama/Romance

Cotação do filme: 93% - Filme Obrigatorio

Se gostou, recomendo:

- Onde os Fracos Não Tem Vez

- Preso na Escuridão

- Volver

- Johnny Vai a Guerra

Comentários

  1. Este filme é belíssimo! Uma atuação estupenda do Javier Bardem!

    O que eu mais gosto em "Mar Adentro" é que ele usa a história de alguém que lutou para morrer para nos mostrar como cada momento de nossa vida deve ser valorizado e vivido de maneira plena.

    Bom final de semana!

    ResponderExcluir
  2. Meu Deus, ainda não vi esse filme.

    Quero ver se compro o dvd nas "Lojas Americanas", hehehe.

    Abraço!!

    ResponderExcluir
  3. Putz, comprei esse filme faz um bom tempo, juntamente com Instinto Selvagem, mas ainda não cheguei a ver.
    Deve ser excelente mesmo e nessa sua crítica pude relembrar das aulas de Direito Penal que tive a uns 2 anos atrás hehehehehe.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  4. É um belíssimo filme. Uma lição de vida. Pode-se sempre lutar pelo que se objectiva. Interpretação fantástica de Bardem.

    A minha classificação: 9/10.

    ResponderExcluir
  5. É uma vergonha, cara! Mas acho que sou o único ser humano que ainda não viu este filme.

    Sua crítica me fez lembrar dessa falha na minha "carreira". Preciso alugar o DVD.

    Abs!

    ResponderExcluir
  6. Milla - não me lembre ... me arrepiei quando revi o filme ...

    Red Dust - realmente ... uma atuação monstra de Barden ... tó ficando fã do cara ... merecia o Oscar nesse filme sem duvida ...

    Ibertson - acredite, esse é também o meu trabalho de faculdade sobre eutanasia ... a resenha ficou tão maravilhosa que aproveitei e postei ... desculpem ai se puderem ...

    Pedro e Otávio - Então procure urgentemente ver esse filme ... tá baratin ... 12 roiau ... isso sim é investimento ...


    abraços a todos

    ResponderExcluir
  7. Ei johnny, tudo bem? Eu dei uma sumida da net mas já estou de volta e o blog também voltei a atualizar, depois dá uma conferida lá. De fato, Mar Adentro é um filmão, Javier Barden é um ator soberbo e a história é de uma humanidade incrível, por mais que o desejo do personagem seja justamente encontrar a morte. As duas personagens femininas, que acabam representando as duas opções de Sampedro, representam uma jogada interessante do roteiro. Realmente, um filme obrigatório.

    ResponderExcluir
  8. Você acredita que eu ainda não conferi esse filme. Morro de vontade, mas nunca deu certo.
    Tomara que eu consiga...
    Beijos

    ResponderExcluir
  9. *Comentei no post de "Cabana do Inferno". Passa lá depois.

    Abraço JP.

    ResponderExcluir
  10. Eis ai um bélissimo filme que preciso rever. Pena que o povo só começou a prestar atenção à Bardem com No Country e sua estatueta. Além desse brilhante papel, ele fez Antes do Anoitecer, ótimo!

    Ciao!

    ResponderExcluir
  11. Gostei muito desse filme, muito emocionante e tocante. Consegue tratar de um tema tão delicado sem pender para o melodrama nem para uma análise fria e racional.

    ResponderExcluir
  12. muito bom o filme,aborda um tema muito delicado, de uma forma que valoriza o desejo de lutar pelo o q se deseja...
    enfim vale a pena assistir

    ResponderExcluir
  13. aaah assistir na escolla gosteii
    pois nos mostra como é importantee a nossa vida

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas