25 de maio de 2007

Já os mais ou menos de 2007 ...

Já os mais ou menos para pior, advinham quais foram, as superproduções que prometeram mundo e fundos e o que aconteceu, em alguns casos repudia e ojeriza. E acredite esse ano vai ter muito filme desse tipo. Irei pelo menos citar 3 filmes que mereceram a minha ressalva.


A Morte Pede Carona – Mais um remake abaixo da media

Já no começo do ano, ganhamos de brinde mais um remake do Sr. Micheal Bay nos presenteia com mais um filme desnecessário e que ainda pior, tem na direção um dos piores diretores de videoclipes dos EUA, Dave Meyers. O filme em si é muito regular por que o povo já foi sabendo que em nenhum momento seria melhor do que o original. O verdadeiro motivo para ver o filme é Sean Bean e só, um ator extremamente competente e que salva qualquer tipo de filme por que o resto é resto.

Momentos Degradantes Na Tela: A seqüência inicial e as cenas “videoclipe” características do seu diretor.


Motoqueiro Fantasma – Mais uma fraca adaptação da Marvel

Um sucesso de bilheteria, Motoqueiro Fantasma poderia ser basicamente um filme bem animal, incrível, com as cenas do trailer, se pensava que seria incrível... seria, mas como seria é uma condicional, a condição que os materiais estavam saindo, teve-se o veredito: o filme é fraco. E isso ele é. Nicolas Cage realiza um sonho, por isso ele está tão caricato ao ponto de deixar o personagem original com uma cara de bobo. Depois de fazer um ótimo desempenho em Senhor das Armas, começou a entregar ao publico dois filmes altamente falhos, como O sacrifício (ele de urso, ridículo) e esse. E se preparem o novo dele também não é esse balaio de gato todo não.

Momentos Degradantes Na Tela: Nicolas Cage de peruca, a seqüência da água, e as mortes dos vilões.




Homem Aranha III – a maldição do terceiro filme volta a assombrar a Marvel.

Quase 99% do pessoal pensaram que a maldição do terceiro filme acontecesse com o Homem Aranha, não, por que as outras franquias fracassaram, Blade III é vergonhoso e X-Men III é horrível. Isso não vai acontecer com o Spiderman não... o único 1% (onde me incluo) sabia que o terceiro filme não iria ser essa coisa toda e que as coincidências com o terceiro filme de Superman eram basicamente evidentes. Bem as evidencias foram poucas, mas fortes. E o filme bem, foi o que previ: muito fraco, forçado, roteiro sem brilho, feito “nas coxas” e que para compensar elementos precários, cenas espetaculares de ação. Hoje isso está se tornando algo muito comum, uma lastima. E ainda para piorar, se ver durante os seus cansativos 140 minutos a magia do personagem desaparecer, vilões mal aproveitados e situações que ainda ta difícil de engolir mesmo de ter visto o filme varias e varias vezes.

Momentos Degradantes em Tela: o lado “negro” de Peter Parker, a péssima atuação de Tobey Maguire, o roteiro péssimo e o final de Venom.



E detalhe, ainda está no meio do ano.

Então meu amigo espectador, cuidado... Muito cuidado, poderá vir muito gato por lebre

Abraços e até mais

Balanço... Só em julho.

21 de maio de 2007

2007 ... o primeiro balanço ...

2007, quando a gente menos espera... Já chegamos ao meio do ano, e por incrível que pareça, esse ano mostra uma tendência curiosa. A cada dia que se passa se torna um ano onde nem tudo é o que parece e que a cautela aumenta a cada filme lançado. Esse ano teve boas surpresas e algumas coisinhas em tela. Vou fazer os que merecem destaque nesse meio do ano para cá. Primeiro vamos falar no que merece destaque.


300 - Um verdadeiro épico entre os pseudo-épicos

A história de 300 é muito simples, conta a história de um fragmento de uma longa guerra entre gregos e persas. Uma batalha que ao mesmo tempo curta, mas vitoriosa, onde 300 espartanos enfrentaram uma legião monstruosa do imperador Xerxes. A incrível vitória grega foi transporta em uma narração heróica no gibi de Frank Miller e depois do sucesso da sua cria, Sin City, as portas para esse épico foram abertas. Uma fotografia impecável, uma força técnica poderosa e surpreendente, fidelidade assustadora em tela. Mas os grandes destaques foram a incrível atuação do transformado Rodrigo Santoro como o imperador megalomaníaco, e a direção de Zack Snyder que provou que não é um homem de um filme só.

Frase Marcante do Filme: “Isso É ESPARTAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA!”
(Rei Leônidas)


Borat! – Uma farsa desmascarando outra farsa

Qual é à força de um falso repórter em um país que tem uma cultura falsa moralista? O resultado é uma das melhores comedias acidas já feitas na história, Sasha Baron Cohen dá a vida a um repórter altamente estranho, mas que seu filme onde mistura humor inteligente com o bizarro, dá uma aula de sociologia sobre um país que pode ser o primeiro do mundo, mas que os seus preconceitos ultrapassam os limites do que é ético. E a merecida recompensa foi o Globo de Ouro ao ator por causa desse personagem.

Frase Marcante do Filme: “Olá, o meu nome é Borat, eu sou como você, gosto de sexo... legal”.



Time – Um belo questionamento sobre o amor e a beleza

Ki-Duk Kim mais uma vez surpreende os seus admiradores. Em seu novo filme Time, o diretor coloca em prova os questionamentos sobre a estética com o amor, com uma linguagem filosófica, entre uma mulher que acha que o namorado dela está enjoado de seu rosto, muda totalmente para tentar reconquistar-lo, mas isso valerá a pena?. Nesse filme ele entrega o que já é marca registrada do diretor que são as cenas belíssimas, mas comparado às obras primas dele, é o filme que mais tem diálogos e isso se torna o mais fácil de assistir.

Frase Marcante do Filme: “Se o tempo nunca para de girar, Posso te esquecer como um sonho?”




Mutilados – Nome nacional podre, mas filme muito bom.

Nesse filme foi comprovada uma coisa. O publico atual de horror é desleixado. Quando saiu esse filme aqui no Brasil e com esse nome sugestivo, quase 90% da população pensaram que esse filme é um derivado da obra mais subestimada de horror dos últimos anos, Jogos Mortais. A conseqüência disso, muita não gostou por que pensava que era o outro filme. Mas quem procurou material e trailers, perceberam que o filme é um jeito diferente de que questionar sobre cooperativismo, além de ser uma ótima comedia de humor negro.

Momento Marcante do Filme: A musica We’ll Meet Again





Depois irei postar os mais ou menos ... Até mais

Mas depois de julho irei postar mais um novo balanço


12 de maio de 2007

Severance


Qualquer empresa estimula o cooperativismo em grupo. Em quaisquer pais e em qualquer rumo de negócios. E com uma empresa de armamento bélico não seria diferente. A Palisade Defence, uma empresa que preza pela segurança com suas armas eficientes patrocina uma viagem aos seus funcionários para dinâmica de grupo, descobrir melhores meios de venda de armas e principalmente, relaxamento. Os funcionários (estereotipados ao extremo) estão satisfeitos com a viagem. Sendo que ela começou a ter rumos diferentes. E chegando ao lugar de relax, percebem que eles não vão ter relax e vão colocar o cooperativismo para sobreviver ou se não, ficarão fora da folha de pagamento... Para sempre.

Severance chega nessas semanas seguintes no mercado americano, junto com boas criticas. O filme britânico chega com atraso lá por que aqui no Brasil já chegou desde dezembro com o incrível nome de Mutilados. Saindo pela Play Arte, com o nome desses, quase a maioria dos fãs de horror colocou na cabeça que é mais uma variável do filme mais reverenciado pelos fãs de hoje e que não é isso tudo que é Jogos Mortais. E depois do filme e com o que acontece, a grande pergunta é, por que colocam nomes tão pejorativos se o filme nem sempre consegue transcrever o que nome diz ou o que a história diz.

O roteiro do filme não é uma glória, é apenas uma mistura de alguns fatos estereotipados e fez o que poucos filmes de hoje fazem, ser puramente humor negro assim como Dr. Fantástico de Stanley Kubrick, um filme que mexe com humor negro e drama, e em Severance é humor negro com horror e ação. A trilha sonora é típica dos filmes britânicos, aquela trilha descompromissada que faz um tipo de mistura onde musicas alegres combinam com perfeição com as cenas de violência, herdadas de Dr. Fantástico, e uma curiosidade, no fim do filme toca We’ll Meet Again que também toca no filme de Kubrick. O elenco não tem grandes nomes, mas também para esse estilo precisa cobrar interpretações? O mais conhecido, mas não pelo grande publico é Toby Stephens, que viveu Gustav Graves em 007 – Um Novo Dia Para Morrer. A direção de Christopher Smith faz uma direção competente, seguindo as suas influencias a risca, entrega um filme que tem uma história aparentemente comum e mistura com elementos que fazem falta ao cinema que é um humor negro corrosivo de primeira.

Um misto interessante com Dr. Fantástico, Sexta Feira 13 e Rambo – Programado Para Matar. Pena que quase 90% dos fãs atuais de horror confundiram esse filme com outro que não merece essa glória toda e com o pensamento alienado acharam esse novo achado do cinema britânico uma mera copia. Uma comédia de humor negro digna de ver e rever de novo. Principalmente um filme que trata de uma forma negra e violenta sobre a dinâmica de grupo e que quando se está em grupo, tudo que sair de lá sairá da melhor forma. Mas em uma linguagem mais critica, o Dr. Strangelove do Gore. Recomendo


Mutilados (Severance)
Diretor: Christopher Smith
Elenco: Laura Harris, Danny Dyer, Tim McInnerny, Toby Stephens, Claudie Blakley, Babou Ceesay, Andy Nyman
Gênero: Comédia/Horror/Ação
Estreia no Brasil: Dezembro de 2006 (Dvd)
Estreia Nos EUA: 25 de Março
Escala de 0 a 10: 9,0


Se Gostou de Mutilados procure para ver:
Dr. Fantastico (Dr. Strangelove)
Shaun Of The Dead
Rambo - Programado Para Matar (First Blood)





8 de maio de 2007

Homem Aranha III

Peter Parker não poderia está em sua melhor forma. O seu romance com Mary Jane está em puro êxtase e o Homem Aranha se tornou o ídolo da cidade. Mas a felicidade de nerd dura pouco. Por que mais um vilão surge na cidade de NY, Flint Marko, um ladrão que toma o destino do crime após ver a sua filha altamente doente, enquanto fugia, ele cai acidentalmente em um lugar de experimentos nucleares e ele se torna o Homem Areia e mais uma vez o nosso herói vai enfrentar mais uma nova ameaça. (...)





Homem Aranha III chega os cinemas cercado de expectativas de todo o mundo. A sua estréia mundial parou praticamente o mundo do cinema. Nas cidades onde passa, tomou quase todas as salas de cinemas existentes chegando ao ponto de ser a única escolha do espectador nesse final de semana. Custando a exorbitante quantia de 300 milhões de dólares, o filme é a o forte candidato a ser a maior bilheteria do ano e quiçá de todos os tempos, mas nem tudo saiu tão perfeito.


(...) Ainda inconformado com a morte do pai, Harry Osborne aumenta o seu ódio a Peter Parker fazendo que ele repetisse os mesmos passos do pai e alimenta o mais profundo ódio com o Homem Aranha. Fora isso, uma substancia alienígena cai nas proximidades de NY e se espreita na vida de Peter. Juntando com as novas crises que surgem durante a história, o elemento alienígena possui o nosso herói, deixando ele mais forte e mais ágil, porém, o seu lado negro aflora transformando nosso herói em algo que ele não queria ser. (...)

Quando Homem Aranha estreou nos cinemas em 2002, a
Marvel estava começando a mostrar as suas garras, com a sua rival DC em baixa, e seus filmes em alta como Blade e X-Men; e quando chegou o grande dia o filme revolucionou o mundo dos quadrinhos colocando em mais pura forma a fantasia do universo do personagem e foi à verdadeira febre nas crianças e jovens. Hoje, 5 anos depois, a Marvel sofre uma verdadeira crise, as ultimas adaptações depois de Homem Aranha II foram altamente fracos e deu espaço para que a sua rival a DC, voltasse com tudo com Batman Begins e Superman Returns, e agora o publico colocou e os produtores colocaram todas as suas fichas nesse terceiro filme.

(...) Ao mesmo tempo em que o seu lado negro lhe consumia, uma bela jovem atravessa o caminho do nosso herói, a belíssima Gwen Stacy, que estuda na mesma classe do herói, e que desperta ciúmes em Mary Jane. E juntando tudo isso, um jovem e ambicioso fotografo chamado Ed Brock também cruza com Peter Parker para roubar o seu emprego, mas Parker reverte a situação (Em seu lado negro) humilhando Brock na frente de todos. (...)


O roteiro do filme é o mais fraco dos três sem duvida, começando com o problema principal de sempre inventar situações que lembre o primeiro filme e nesse terceiro, a coisa mais óbvia do primeiro filme deixou de ser uma coisa sólida para se tornar a desculpa mais sem nexo durante o filme todo. Além disso, com muitos personagens na trama fez com que alguns que são aparentemente importantes na trama, se tornassem dispensáveis e vazios. Fora as sacadas de lógica de alguns personagens.

(...) Sabendo que está perdendo tudo que ama, Peter Parker faz o que é certo, tenta se livrar da roupa que estava consumindo pouco a pouco a sua pessoa ele tenta se livrar dessa terrível substancia, mas ele cai em mãos erradas, o corpo de Ed Brock e agora com vilões de alta periculosidade nas ruas com um só objetivo. Será o fim de Homem Aranha?





O elenco do filme é só talento, mas também é só desperdício. É melhor logo falar de quem se sobressaiu da carcaça. A começar pela grande surpresa James Franco, nos dois primeiros filmes se mostrava apático, mas no terceiro filme, o seu personagem ganha um destaque a mais e acho que atuando com Dafoe deu vergonha na cara para James e ele protagoniza uma das melhores cenas do filme. Thomas Haden Chruch, o Homem Areia, provavelmente foi o único em tela que deu seriedade ao filme, as suas cenas sejam as mais legais de se ver. Bruce Campbell, grande amigo de Raimi, faz mais uma vez um papel inesquecível, já como o garçom francês, ele consegue tirar do publico, gargalhadas sinceras. Também está impagável é J.K. Simmons como o JJ Jameson, e em todas as cenas é risos do começo ao fim e com destaque a cena antológica da garota com a câmera.





Já os mais ou menos... Bryce Dallas Howard faz a Gwen Stacy, baseado no gibi ela é uma das personagens mais importantes na saga do Homem Aranha, no filme se torna a personagem mais descartável de toda a trama fazendo que a atriz se torne algo que empobrece qualquer ator talentoso, uma atuação paga peitinho. Topher Grace, que fazia o seriado That 70’s Show, faz o vilão mais importante de todo universo Marvel, Venom, mas chegando o filme, além do ator aparecer pouco, o espectador que conhece o ator sabe que ele não fez uma boa atuação, mas também não faz nada, ele só ganha destaque do meio para o final e mesmo assim, não salvou o filme. Rosemary Harris faz novamente a Tia May, mas nesse filme com pouco destaque, quase descartável.


Mas as lamentações de todo o filme são da dupla de protagonistas Tobey Maguire e Kirsten Dunst são os motivos para que o espectador saia do meio do cinema. Nos dois primeiros filmes, o casal tinha pelo menos uma química decente, já no terceiro filme é demonstrado o desgaste do casal em cena. Quase todas as cenas românticas do filme são dignas de descarte. Já eles sozinhos ai que piora mesmo. Kirsten Dunst em tela demonstra desdém com o seu papel e cada dia mais ela se torna uma moçinha burra do que uma atriz de verdade. E Tobey Maguire, no começo da carreira era considerado um ator promissor e com ótimos filmes no currículo, já quando fez Homem Aranha, começou o questionamento se ele é um bom ator ou não, e no intervalo do primeiro para o segundo só foi um filme, mas muito bom por sinal que é Seabiscut. Mas do intervalo do segundo para o terceiro só foi um que foi O Segredo de Berlim e mais nada. Já no terceiro filme está caricato ao extremo, e o pior é que quando chega a parte onde ele fica negro, ele faz que toda a magia pelo personagem desapareça em um piscar de olhos, fora as atitudes sem pé e nem cabeça. Alguns fãs acham que essa virada negra foi bem vinda, mas para a maioria esmagadora, foi o ápice da vergonha e o mais incrível é que Senhor Maguire, fez duas coisas que vão carregar pro resto da vida dele, uma atuação patética e viver para sempre com o estigma de Homem Aranha, mas se ele for viver só do que o dinheiro que o filme ganhou, ele ta bem, mas ser um ator de qualidade... Ta difícil.


Um filme frustrante, enquanto os coadjuvantes dão shows, os principais dão vergonha, um filme que apesar da força técnica ser basicamente espetacular, principalmente nas cenas de luta, mas isso não garantiu que o filme fosse bom, com um roteiro tão paupérrimo as cenas de ação se tornam vazias. Mais frustrante ainda para os fãs que viram o seu herói virar algo que eles não queriam ver. Agora todas as esperanças da Marvel viram totalmente para o Homem de Ferro. O que acontece com a Marvel por que sempre nos terceiros filmes da franquia é só lamentação? Se dinheiro dissesse qualidade, Homem Aranha III seria um clássico, mas nem tudo na vida é dinheiro...





Homem Aranha III (Spiderman III)
Diretor: Sam Raimi
Roteiro: Ivan Raimi e Sam Raimi
Elenco:Tobey Maguire, Kristen Dunst, Thomas Haden Church, Topher Grace, Bryce Dallas Howard, Rosemary Harris, Bruce Campbell, J.K. Simmons, Elizabeth Banks
Genero: Ação/Aventura
Estreia no Brasil: 4 de Maio de 2007
Escala de 0 a 10 : 4,0