Os Infiltrados (The Departed)

Frank Costello é um dos mais poderosos chefões de um dos bairros mais problemáticos de Boston. Para ter mais tranqüilidade, recruta desde criança Colin Sullivan para ser o seu informante na policia. Enquanto o sonho de Billy Costigan era ser um policial e conseguiu passar nos testes, mas o passado da sua família e principalmente pelo seu pai... Que foi um marginal perigoso e não consegue ser efetivado Mas encorajado pelo Capitão Queenan e o sargento Dignam, Billy aceita o desafio e tentará se infiltrar na gangue de Costello. O tempo passa e cada um cresce em sua respectiva área, mas depois de um tempo a desconfiança aumenta de ambos os lados fazendo questionar sobre o papel de cada um.

Billy Costigan - O policial infiltrado

Os Infiltrados é o trabalho mais recente de Martin Scorsese e que conta mais uma vez com o seu pupilo Leonardo DiCaprio, Matt Damon, Mark Walkberg, Alec Baldwin, Vera Farmiga e Jack Nicolson no elenco. O filme foi o grande vencedor do Oscar, levando quatro dos cinco prêmios que foi indicado, incluindo de melhor diretor, filme e roteiro adaptado. Mas ao mesmo tempo há de se questionar de qual é o ponto que dá certo um remake de um filme. Por que Infernal Affairs para muitos é um dos maiores filmes já feito no oriente na sua retomada (a retomada por que depois de determinados filmes, o cinema oriental ganhou o seu mereceido reconhecimento) e quando saiu a versão americana, muitos saíram frustrados ou com uma ponta de revolta assim causando a mesma sensação dos remakes atuais, de que em determinados momentos mancham a obra original colocando elementos que não tem nada a ver com o filme original ou pior, se esquecem dos principais elementos que davam o charme da obra original. E se for contar o que esse filme tirou... A lista é extensa.

Colin Sullivan - O espião da gangue

O roteiro do filme foi vencedor do Oscar... Mereceu? Bem, o roteiro não se contentou em apenas fazer só do primeiro filme, ele foi muito mais além, pegou coisas do segundo e do terceiro filme e colocou em uma só, é algo de praxe de remake de filme oriental que é simplesmente explicar de onde começa a história e isso e aquilo que são elementos que poderão surgir em uma seqüência futura... Bem se eles pensassem nisso, poderia ter mais charme para ter uma continuação. Mas na sumula de tudo, não mereceu o Oscar. A trilha sonora é um espetáculo e ainda as musicas que tocam no filme dão alma e vida ao filme e principalmente Confortably Numb de Roger Walters que dá uma sensação do que os personagens principais sentem durante a trama.





Frank Costello - O líder da gangue

O elenco do filme é fortíssimo, mas com ressalvas. Pela primeira vez posso dizer, Leonardo diCaprio é uma promessa que se realiza, por que ele dá um show de interpretação e ainda fazendo algo que dificilmente será visto, melhorar o personagem principal original deixando mais emotivo e importantíssimo para trama. E não foi só ele que melhorou comparado ao original. Jack Nicolson (deveria ter sido indicado ao Oscar) faz Frank Costello que se for comparado ao personagem original, foi o que mais ganhou espaço e liberdade na trama e fora os momentos mais geniais da trama são de Frank Costello. Martin Sheen e Alec Baldwin fazem interpretações discretas, mas decisivos na trama. Mark Walkberg faz o sargento Dignam e mesmo com poucos momentos na trama ele faz valer a cena, com diálogos incríveis e força de interpretação foi até merecido a indicação do Oscar pra ele. Mas há ressalvas. Vera Farmiga fez um ótimo trabalho nesse filme, isso é uma certeza, mas o personagem dela foi um dos erros mais crassos do filme fazendo que duas personagens importantíssimas do filme original se resumissem em um personagem e essa tentativa não deu certo. Mas o pior em cena é com certeza é Matt Damon, depois de entregar ótimos trabalhos, esse filme ele decepcionou geral, atuação mecânica ao extremo e ainda para completar destruiu a imagem do personagem original deixando patético e imbecil. Talvez do elenco todo Matt Damon foi o que mais desapontou ao espectador.

A direção de Martin Scorsese sem duvidas nenhuma mereceu o Oscar. Por que é difícil manter o nível da adaptação igual ou idêntico ao original. E ele já conseguiu esse feito com Cabo do Medo e mais uma vez fez um remake que para muitos superou o original, outros foi inferior. E no mais grosso modo, ele readaptou e deixou nos moldes do cinema americano. Sinceramente ele foi brilhante nesse filme sem duvida. Em algumas seqüências que tem no original, algumas ficaram sem brilho e outras o nível de tensão foi elevado a mil e outras as características dele eram não só marcantes, e sim vibrantes e envolventes. Oscar de melhor diretor sem duvidas.


O filme tem duas conclusões. Primeira – Para quem não viu o original é apenas um dos melhores filmes policiais já feitos nessa década. Envolvente e marcante em todos os sentidos. Segunda conclusão – Para quem teve oportunidade de ver o original e depois ter visto o remake é um filme que desvirtuou a história original tirando os principais pontos que marcaram o primeiro filme, mas reconhece que pelo menos é um ótimo filme mesmo sendo uma adaptação em determinados momentos medíocre. Mas uma coisa é inegável: é um ótimo filme, interpretações quiçá brilhantes quiçá medíocres, direção impecável. Mereceu alguns Oscars... Bem, melhor filme e de melhor roteiro não mereceram, mas de diretor, foi com louvor. Hoje se quiseres um remake bem feito ou pelo menos no mesmo nível, chame Scorsese.

9,5


Comentários

  1. Para mim, o filme ficou impecável.

    Nota 10.0

    ResponderExcluir
  2. JP, acho que você cometeu um erro na resenha. Não se deve analisar o filme tendo em mente o tempo todo que se trata de uma refilmagem... Isso limita a sua visão. Um filme ser um remake é o mesmo que ele ser adaptado de um livro ou jogo de videogame. A única diferença para um roteiro original é que se teve uma referência anterior.

    Mas Os Infiltrados é mil vezes melhor que Conflitos Internos - o gorduroso e bonzinho policial chinês. Martin Scorsese transformou o roteiro do chinês numa ópera de violência urbana e ainda contribui com as marcas de seu cargo de maior cineasta vivo atualmente: trilha sonora impecável (Pink Floyd!), montagem cortesia-da-Thelminha, atuações fulmegantes e ainda a metáfora do rato, uma das melhores coisas que o cinema nos apresentou recentemente. E isso tudo o que eu citei não existe no original chinês.

    abs!

    ResponderExcluir
  3. Ótimo blog, meu caro.
    Continue assim, com esse bom trabalho.
    Postei algo no artigo do Sexta-Feria 13.

    ResponderExcluir
  4. Naum acho q Os Infiltrados tenha merecido as estatuetas q levou,exceto a de direção.Em filme Pequena Miss Sunshine superava em mil.Roteiro adaptado,tínhamos os excepcionais trabalhos de Pecados Íntimos e Notas sobre um escândalo.Edição é um pouco complicado de se julgar para mim.Em todo caso é um bom filme sim.O melhor do Scorsa em muitos anos.

    ResponderExcluir
  5. Os Infiltrados é realmente um grande filme. Pena que veio surgir numa época em que Scorcese não havia sido reconhecido pela academia ainda (sempre ficará um sabor amargo dos fãs por não vê-lo receber a estatueta por Taxi Driver ou Touro Indomável). No entanto, me agradou ver o velho tio Marty refilmando uma história oriental de maneira tão particular como fez. Gostei muito do resultado.

    http://reacaocultural.blogspot.com: Saiu o meu texto novo sobre atores que dirigem seus próprios filmes. Querendo conferir, fique à vontade.

    ResponderExcluir
  6. Gostei do filme com toda certeza, mas acredito que seja o mais fraco de todos os concorrentes. Gostaria que tivessem substituído o filme na lista de indicados por Pecados Íntimos. E acho a refilmagem de Scorsese melhor do que o filme de Wai Keung Lau. Aliás, fique de olho em The Flock, filme que o diretor oriental está dirigindo nos EUA.

    ResponderExcluir
  7. Obs.: o Cine Resenhas mudou para www.cine-resenhas.blogspot.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas