The Wicker Man - O Sacrificio


Edward Malus é um policial rodoviário pacato, mas foi testemunha de um acidente cruel que não pode impedir. Atormentado com que viu, sofre de pesadelos e alucinações. Mas uma carta de sua ex-noiva que diz que a filha dela desapareceu faz com que ele volte à ativa. E ele vai a procura da menina na estranha SummersIsle, uma estranha ilha que nada é o que parece e a cada vez que descobre uma pista nova mais ele se aproxima do encontro com o homem-palha

The Wicker Man é mais um remake do ano menos criativo do cinema de horror, que foi 2006, mas com uma ressalva muito estranha, de invés de se chamar O Homem Palha como o original, aqui no Brasil ficou como O Sacrifício (?). O filme é dirigido por Neil LaBute, o mesmo de Enfermeira Betty e Possessão. E conta no elenco Leelee Sobieski, Kate Beahan, Ellen Burstyn e Nicolas Cage no papel principal.


Antes de tudo, para quem não sabe... O Homem de Palha é considerado por muitos como o melhor filme de horror britânico de todos os tempos, e que conta no elenco apenas o “fraquinho” Christopher Lee em sua época áurea do horror e Britt Ekland. E anos depois em um ano que o cinema de horror só deu vergonha (os únicos exemplos para muitos de originalidade foram Abismo do Medo, O Albergue e Three Extremes). Saiu a noticia de que iriam fazer o remake dele. O responsável foi o Neil LaBute, que para muitos, é considerado um cineasta seguro e que sabe lidar com sentimentos humanos faz um tipo de virada de mesa e lidar com um gênero que ele até então era desconhecido que é o horror. Mas o resultado final é o que ainda tenta buscar uma explicação plausível...

Os atores no filme, bem, é melhor logo falar do elenco feminino, uma lastima... Péssimas atuações, atrizes mal aproveitadas e principalmente Leelee Sobieski que mau troca frases completas e faz uma das seqüências mais ridículas do filme. O único ator do filme é o Nicolas Cage, ele faz uma atuação que beira na canastrice e o ridículo. A trilha do filme tenta resgatar aquelas trilhas dos filmes dos anos 60/70 de filmes de suspense... Pelo menos nisso o filme acertou. A direção de Neil LaBute em alguns momentos é incrível e até mesmo surpreendente para quem nunca fez um filme de horror ... Mas nessa brincadeira ingênua comete erros grosseiros. Mas o pior do filme todo se chama roteiro(que foi escrito pelo próprio diretor), por que ele é a espinha dorsal de qualquer filme, independente do que seja, e nesse filme o roteiro dele é basicamente fraco demais. E junto com o roteiro fraco vem a péssima condução. Se bem que na sua primeira hora de filme chega até ser o que se pode dizer, um filme que dá pra assistir em um sábado que não acontece nada, mas quando chega a uma determinada parte do filme, ele começa a desandar e daí surge vários momentos degradantes e nem o final que poderia ser aceitável, não é... E fora a parte ridícula de Nicolas Cage usar uma roupa de urso... Degradante.

Um filme que tinha tudo para ser um filme perturbador se torna em um filme irregular e que não assusta ninguém, uma película que o roteiro fraco e péssima condução afastam qualquer espectador. Cenas que são vergonhosas de se ver. Pelo menos o diretor fez algo que é difícil hoje, aceitar desafios e tentar colocar as suas características em cena... Pena que o próprio roteiro não ajudou. Agora é só rezar para que Nicolas Cage mude de empresário e que Neil LaBute se esforce para na próxima ele coloque algo dele em cena. Mas realmente... É um sacrifício ver esse filme... Uma pena.

4,0

Comentários

  1. Naum vou ler a crítica antes de ver o filme para naum ifluenciar,se bem q ver a nota já é uma grande influência.Mas gosto muito dos traalhos do Neil La Bute.

    ResponderExcluir
  2. E aí. Passando para deixar um alõ. um abraço!!!

    ResponderExcluir
  3. Em suma, o filme é irregular, mas não pelos pontos que você mencionou. Existe sim uma falha gritante por parte do roteiro, mas o maior pecado de LaBute (cineasta que admiro, mesmo tendo visto pouquíssimos de seus filmes) é não conseguir se distanciar do argumento original. O diretor que é aclamado pela ousadia acaba deixando essa qualidade de lado (no filme original, por exemplo, existia inúmeras sequências de conteúdo obsceno, que foram limadas e apenas sugeridas na refilmagem). Não é um sacrifício ver ao filme, mas poderia ser muito mais do que é.

    ResponderExcluir
  4. Fraco, medonho e completamente denecessário, o ano poderia ter passado sem essa humilhação de Nicolas Cage.

    Nota 5.0

    ResponderExcluir
  5. Pô, perdi esse filme quando estava em cartaz aqui em Goiânia. Mas esnobar Leelee Sobieski já não é bom sinal, ehehhehehehe... ela é uma ótima atriz, pelo visto o diretor não soube aproveitar o que tinha em mãos..

    abs!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas