Poseidon


O cinema adora esse tipo de filme, principalmente Hollywood, que é o filme catástrofe. O desejo de ver sempre um grupo de pessoas sobreviverem a uma tragédia desde natural, alienígena, ou criada pelo próprio homem. E ainda hoje o que se tornou febre foi o remake. E esse filme se encaixa nessas duas correntes, mas o filme quase não se transforma em uma total catástrofe.

Poseidon conta a história (?) de um luxuoso cruzeiro que passa o ano novo em alto mar, mas um fenômeno da onda gigante faz com que o navio tombe e vire. E a partir disso um grupo destemido tenta fazer de tudo para sair do navio. Pronto, essa é a história do filme. Na maioria dos filmes catástrofe não tem basicamente uma história bem criada, e na maioria das vezes apenas servem como um suporte para uma história dramática, romântica ou não.

O roteiro do filme não é bom, mas também não é péssimo só é apenas um roteiro muito do previsível com todos os clichês desse tipo de filme: Romance, drama e comédia (em poucos momentos). A trilha sonora do filme é mediana por que em alguns momentos não transpõe o momento da cena em sua trilha, mas em outras é muito boa, mas ele tenta mais ser uma trilha de um filme de Spielberg do que do próprio filme. Fora as péssimas musicas inclusive a do final da cantora Fergie. O elenco do filme bem, tem seus destaques, mas o principal e negativo destaque é com certeza a atuação de Josh Lucas, esse filme provou uma coisa que desde Steath tava provada: desde quando esse ator tem pinta de herói de ação? Kurt Russell, Richard Dreyfuss e o resto do elenco fazem bem o seu papel e usam e abusam de caras e bocas de filmes de tragédias. As cenas de ação do filme são realmente de primeira, mas os efeitos visuais em algumas cenas principalmente dos créditos iniciais dão um tom de artificialidade incrível mesmo com um jogo de câmera muito bom. A direção de Wolfang Pertesen se saiu na maneira do esperado, nada de novo, mas que cai bem nas graças de um espectador que gosta de uma aventura.

Poseidon é mais apenas um filme comum de catástrofe que usa e abusa dos clichês do gênero, mas que não é um ótimo filme, mas funciona como um bom passatempo de um domingo a tarde onde não passa nada e se o dia estiver chovendo. Mas pelo menos tem uma coisa gostosa de ver... A Fergie morrendo... Não tem preço.

7,0



















Comentários

  1. Eu li uma resenha do filme, e tenho que concordar: o texto lido referia que o diretor era um açougueiro. Por que? O cineasta coloca um monte de figuras de carne em um barco de computador e realiza várias artimanhas para aniquilar os bifes. É mais ou menos por este ponto que o filme funciona – e decepciona. É até divertido ver o elenco morrendo e os bons efeitos especiais, mas se um cinema catástrofe se limita apenas neste objetivo, tudo acaba resultando um grande fracasso, fato que ver a Warner arrancar os cabelos, já que o filme foi um fiasco de bilheterias. E meu Deus, o que Josh Lucas ainda está fazendo no ramo cinematográfico?! Anonimato já!

    Jp, o meu Blog é o mesmo, mas só gostaria de lhe informar de que o endereço foi modificado:
    www.cineresenhas.blogspot.com
    Thanks!

    ResponderExcluir
  2. Eu gostei do filme. Claro, dramaticamente deixou a desejar com alguns momentos que beiram o ridículo e o mediocre. Mas no fim de tudo foi entretenimento bom, com visual excelente e alguns momentos bem dirigidos. Vale a pena. Bom filme.

    nota 7.0

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas