A Dama Na Água ( Lady In The Water)


Cleveland Heep é um zelador gago mas cuidadoso. Intrigado com o que acontece à noite, na piscina do condômino onde trabalha, ele resolve investigar. Durante sua busca ele encontra Story (até hoje não entendo por que esse nome...). Uma bela jovem, porém assustada, mas ela se revela um ser especial e que tem que voltar para o seu mundo e agora Cleveland tentará pedir ajuda aos insólitos moradores do condomínio a ajudar Story voltar ao seu mundo.

Baseado em uma obra infantil do próprio diretor, A Dama na Água merece um tratamento especial por que ele conseguiu se desprender da postura dos filmes anteriores contando apenas uma história simples e que isso se criou uma revolta por parte de alguns críticos e do publico, mas por um outro lado, por que criticar uma fabula?

Mais uma vez ele acerta no elenco do filme, inclusive ele está também dentro do elenco fazendo o personagem Vick, que uns consideraram muito canastrão, pelo menos ele faz um bom papel e é importante na história. Cindy Cheung faz Young Song uma universitária que ajuda a Cleveland a sua jornada e junto com a sua mãe faz uma das cenas mais interessantes e cômicas do filme. A linda Story foi brilhantemente interpretada pela atriz Bryce Dallas Horward. Ela conseguiu trazer uma coisa meio esquecida no cinema americano que é a inocência de personagem, o que se pode dizer uma atuação que não consegue tirar malícia em seus gestos e que hoje voltou com o filme asiático O Arco. E, além disso, ela é uma verdadeira promessa de uma ótima atriz e se continuar nesse caminho... Quem sabe o Oscar. E Paul Giamatti está provando que é um ator completo, versátil e um dos melhores atores da atualidade e ele está cativante como Cleveland e também fez cenas no mínimo inusitadas e que ajuda a o espectador pensar sobre si mesmo e o papel dele na sociedade.

O roteiro do filme segue uma característica do diretor que é os profundos diálogos entre os personagens e principalmente entre Cleveland e Story que nos dão momentos reflexivos sobre o ser humano. Mas o ponto mais alto do roteiro é de como ele se desenvolve o mistério, de uma forma gradual e tranqüila fazendo que o espectador entre na trama para tentar resolver o que pode acontecer no próximo ato. A fotografia ficou encarregada pelo australiano Christopher Doyle que fez a fotografia de 2046, Escravas da Vaidade e Herói e por esse filme dá pra notar que a fotografia é show e nesse filme não é diferente, ele conseguiu fazer uma fotografia peculiar e tranqüila dando magia e simplicidade no filme. A trilha sonora ficou mais uma vez pelo compositor James Newton Horward, colaborador de todos os filmes de Shyamalan, e mais uma vez, uma ótima trilha, que belas em momentos certos e tenebrosos em outros que ajudaram o filme ganhar alma e vida.

Shyamalan acertou mais uma vez em trazer um ótimo filme e diferente dos outros, esse tem uma proposta mais simples e também mais humana dando ênfase a importância da coletividade do ser humano. Infelizmente o único defeito do filme não está nele e sim fora, a cobrança dos críticos e de um publico que torcia para mais um filme a lá Sexto Sentido, muitos esperavam uma complexidade e o que viram é uma história simples e inocente e ainda consegue resgatar a inocência de uma personagem. Um bom filme, e por que não um filme para toda a família, agora só falta ler o livro e acreditar que existe ainda um cinema inocente...

Nota : 8,5

Trailer do filme - http://www.youtube.com/watch?v=qRfje9bUIX0

Comentários

  1. Cinema inocente? sei...

    Já estou ficando cheio da discussão em torno de A Dama na Água: "uma obra-prima!", "uma bomba", "uma infelicidade", "ótimo filme"... porra, ninguém chega a um consenso não?

    Tipo esses dois links ae, com duas opiniões diferentes...

    -André de Leones: http://canissapiens.blogspot.com (05 de setembro de 2006);

    -Cassiano Sairaf:http://museudocinema.blogspot.com/2006/09/dama-da-gua.html (05 de setembro de 2006).

    Dá pra acreditar?

    ResponderExcluir
  2. "Quem sabe o Oscar." Cara, se vc desejar isso para a coitada, vai acabar com a carreira dela... já percebeu que todas as atrizes que ganham o Oscar ultimamente só fizeram bombas? Exemplos: Helen Hunt, Halle Berry, Nicole Kidman, Rachel Weisz e por aí vai...

    Oscar? Nem pensar!

    ResponderExcluir
  3. Não tenho nada a declarar, já que sua resenha diz perfeitamente tudo. Como um amigo meu disse: M. Night Shaylaman só ira resgatar a sua credibilidade quando filmar uma continuação de O Sexto Sentido. Achei um filme belíssimo!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas