A Morte Passou Por Perto / Team America - Detonando o Mundo

A Morte Passou Por Perto

Uma coisa é certa, triângulo amoroso é sempre retorno no cinema e esse tema também foi utilizado pelo mestre do cinema (no meu ver) Stanley Kubrick. Mas também foi um dos primeiros filmes dele e é uma pena que não tem a genialidade que se ver em seus outros filmes.

Em A Morte Passou Por Perto conta a história de Davey, um lutador de boxe decadente que mora em um apartamento irrisório, mas que todas as noites ele olha para a janela e vê a sua vizinha Gloria, uma bela jovem que tem como trabalho dançarina de cabaré. Depois de uma vergonhosa derrota ele volta para casa e vê a sua vizinha aos gritos com o chefe dela, Ruffalo, mas protegendo a sua vizinha e pedindo a para ir embora para longe com ele, só que ele não sabe que não será tão fácil assim e terá que enfrentar a fúria de um homem muito violento.

Já nesse típico filme noir de 1955 se percebe os traços e características de Kubrick. O filme é muito ágil que deixa o espectador ansioso para o próximo ato; a sua fotografia, mesmo para um filme noir, tem closes marcantes e um jogo de iluminação marcante que deixam ainda mais mágicos provando que o preto e branco carrega charme e beleza. As coreografias das lutas chegam ser banais, mas com uma condução que só Kubrick fazia deixava a cena realista e de impacto. Os personagens do filme são muito caricatos que já cria uma dedução para o espectador saber com o que está lhe dando no filme, mas isso não chega o fator que prejudica o filme. O roteiro é comum e simples, mas foi contada de uma maneira que ganhamos uma bela narrativa com jogos de cena sem igual dando destaque a seqüência aonde a personagem Gloria conta a história de sua vida, mas quando se viu em cena é uma bela demonstração de balé.

Mesmo com um tempo relativamente curto, A Morte Passou Por Perto é um belo filme noir com reviravoltas, personagens inesquecíveis e a maestria de Kubrick que começava a fazer uma trajetória sem igual marcada pela ousadia e obras únicas. Uma verdadeira aula de cinema e arte.

Nota: 9,5


Team América – Detonando o Mundo

Imagine colocar em um filme, as ironias de Dr. Fantástico, a comedia de baixo calão de South Park, a nostalgia de Thunderbirds e com o ridículo espírito americano de querer controlar o mundo? O resultado é imprevisível e divertidíssimo. Em Team América – Detonando o Mundo conta –nos a saga e o esforço do Team América contra o terrorismo. Depois de uma “bem sucedida” missão em Paris, a equipe descobre que os terroristas estão com ADM (Armas de Destruição em Massa)e a equipe tem uma idéia: Colocar um ator da Brodyway como terrorista para saber o próximo passo mas essa missão tem conseqüências graves criando raiva em muitas pessoas dando espaço para o verdadeiro vilão.

Desde South Park, os diretores Matt Stone e Trey Parker não poupam criticas ao sistema de vida americano provando que tudo que se ver nos filmes não passa de uma ilusão e é altamente falho. Durante o desenho as grandes celebridades foram motivos de piada para eles dando destaque ao episodio que eles responderam a altura a derrota do Oscar de Melhor Canção, enfiando a estatueta lugar bem apropriado no cantor vencedor Phil Collins e fez uma das musicas mais chatas da lista e ganhou roubando de South . Mas com o 11 de Setembro, a Guerra do Afeganistão e a ridícula Guerra do Iraque que aonde foi por um motivo ridículo que era procurar armas de destruição que nunca existiram que na verdade era pelo petróleo e ainda os americanos fizeram questão de destruir obras importantes da humanidade que foi demonstrado isso na seqüência inicial que eles procuram em Paris e em Cairo. E principalmente nas falhas e erros da Inteligência que é um computador que coordena informações para a equipe que é uma comparação a CIA e seus erros.

O roteiro tem um simples alvo, ferir o orgulho americano e ainda amostrar o que eles fazem durante esses anos e que não é a coisa certa. Os diálogos do filme são altamente ácidos e pesados, como em South, Os famosos são altamente ridicularizados tanto nas ações e nas canções e o que chega ser muito interessante é que nenhum artista deixou o seu nome ser citado no filme. A trilha sonora do filme é um dos pontos mais altos do filme que alem de ser muito engraçado tem muita acidez nas suas letras e principalmente na sua musica tema. A montagem do filme é um ponto importante por que o filme todo foi feito por marionete de propósito para manter a ironia bem alta.

Tudo que se vê em 95 minutos de cenas de ação no extremo do ridículo, personagens estereotipados, situações fora do normal, mas em um filme de comédia, tudo se torna divertido e engraçado aonde se percebe um cunho social forte que nos faz refletir sobre o mundo que vivemos e dos nossos governantes. E depois do final do filme lembraras de cada situação de da melhor musica... América, Fuck Yeahhh.


Nota : 9,5

Comentários

  1. prometo que voltarei ao blog para ler e analisar os textos e dizer se concordo ou não com a opinião exposta

    ResponderExcluir
  2. Achei interessante este comentário:

    "O roteiro tem um simples alvo, ferir o orgulho americano e ainda amostrar o que eles fazem durante esses anos e que não é a coisa certa."

    O objetivo de "Team America" é justamente o oposto disso.

    Apesar de criticar os métodos ineficientes e desastrados da administração atual, o filme é altamente pró-EUA. Assista com mais atenção a cena final do discurso de Gary, basicamente o que ele está dizendo é: "Sim, os EUA agem de forma desastrosa e mal pensada, mas agem, e contra os "cuzões" é preciso que alguem esteja disposto a agir, e só os EUA é que estão dispostos."

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas